• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Livre Docencia
DOI
10.11606/T.44.2016.tde-26042016-153524
Documento
Autor
Nome completo
Antonio Carlos Rocha Campos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1969
Título em português
Moluscos e braquiópodes eogondvânicos do Brasil e Argentina
Palavras-chave em português
Brasil
Fósseis
Mollusca
Resumo em português
Descrevem-se e revisam-se bivalves, gastrópodes e braquiópodes gondvânicos do subgrupo Itararé (Grupo Tubarão), de três localidades da Bacia do Paraná, em Teixeira Soares, PR, Capivari, SP e Bela Vista, SC, e de bivalves das Sierras Australes da Província de Buenos Aires, Argentina. Em Teixeira Soares, PR, os fósseis foram coletados na parte superior do Subgrupo Itararé (Rocha-Campos, 1967a) onde ocorrem também elementos da Flora de Glossopteris, diamictitos e camadas de carvão. Em Capivari, SP, os fósseis pertencem à parte média da seção do Subgrupo Itararé do vale do rio Tietê, intercalados entre ritmitos semelhantes a "varvitos", com clastos dispersos, e diamictitos. Associação com rochas interpretadas como de origem glacial da parte superior do Subgrupo Itararé, também ocorre em Bela Vista, SC. A "fauna de Eurydesma" da Argentina ocorre na Formação Bonete (Grupo Pillahuincó) que passa, inferiormente, por transição, à Formação Sauce Grande, que inclui vários diamictitos. Na fauna do Subgrupo Itararé são descritas quatro espécies novas de bivalves: Volsellina australis e Leiopteria paranaensis, Sanguinolites brasiliensis e Anthroconeilo itararensis. Entre os gastrópodes descreve-se uma espécie nova de Moulonia, Mourlonia baitacensis. Crurithyris aff. planoconvexa (Shumard) da fauna de Capivari, SP e C. rouxou (Oliveira) do "Folhelho Passinho" de Teixeira Soares, PR (Almeida, 1945) foram incluídas entre a Attenuatella Stehli, a primeira correspondendo a uma espécie nova, A. paulistana. Um espécime de Teixeira Soares foi identificado como Notospirifer sp. Trata-se do primeiro registro desses esperiferóides na América do Sul. Na fauna do Grupo Pillahuincó várias emendas são propostas às determinações de Harrington (1955). Stutchburia ? argentinensis Harrington parece corresponder às Myonia. Allorisma inflectoventris Harrington e Schizodus cycloliratus Harrington foram incluídas, respectivamente, entre as Astartila ? e Myonia. Leiopteria bonaerensis Harrington é colocada na sinonímia de Leiopteria dutoiti Harrington e Aphanaia ? orbirugata Harrington é reinterpretada como pertencente às Atomodesma, Vacunella camachoi sp. nov. e Deltopecten harrintoni sp. nov. são descritas na fauna das Sierras Australes. Tanto a fauna do Grupo Tubarão e, especialmente, a do Grupo Pillahuincó incluem gêneros considerados característicos da província austral, durante o Neopaleozóico, associados a formas mais cosmopolitas. As faunas do Subgrupo Itararé de Teixeira Soares, PR e da Formação Bonete revelam certa afinidade, não só pelo caráter "gondvânico" dos bivalves presentes, como também, pela inclusão de gêneros comuns e similaridade, ao nível específico entre Leiopteria paranaensis e L. dutoiti e Myonia ? sp. a e Myonia ? argentinensis. Allorisma barringtoni Thomas e Aviculopecten multiscalptus Thomas, originalmente descritas da fauna da Formação amotape (Grupo Tarma), do norte do Peru (Thomas, 1928; Chronic, 1953), foram identificadas em Teixeira Soares e indicam certa afinidade entre as duas faunas. Com relação à idade, excluindo-se gêneros longevos, as formas reconhecidas, como também, a posição estratigráfica dos fósseis, indica idade geral permiana para a parte média e superior do Subgrupo Itararé. Idade permiana, possivelmente eopermiana, é confirmada para a fauna da Formação Bonete. Do ponto de vista paleogeográfico, as afinidades entre a fauna e o subgrupo Itararé e as do Peru e Argentina sugerem ligação entre a Bacia do Paraná e a área andina durante o Neopaleozóico, concordantemente com estudo de fácies e paleogeografia dos depósitos glaciais permo-carboníferos da Bacia do Paraná e outras regiões da América do Sul (Rocha-Campos, 1967a; Rocha-Campos et al., 1969; Frakes e Crowell, 1968).
Título em inglês
Not available
Palavras-chave em inglês
Not available
Resumo em inglês
Not available
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-07-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.