• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.99.2018.tde-18052018-101733
Documento
Autor
Nome completo
Carolina Argondizo Correia
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Brito, Cyro Alves de (Presidente)
Goto, Hiro
Jorge, Patricia Palmeira Daenekas
Weckx, Lily Yin
Título em português
Influência da vacinação com dTpa em gestantes no perfil da resposta imunológica contra a Bordetella pertussis na criança
Palavras-chave em português
Coqueluche
Gestantes
Imunologia celular
Vacinação
Resumo em português
A Bordetella pertussis é a bactéria causadora da coqueluche, doença infectocontagiosa que tem reemergido em diversos países apesar das altas coberturas vacinais. Como os indivíduos mais afetados são crianças menores de seis meses de idade, a vacinação de gestantes com uma dose de vacina adsorvida contra tétano, difteria e coqueluche (B. pertussis acelular - dTpa) foi proposta. O objetivo é promover a transferência de altos títulos de anticorpos maternos ao feto e recémnascido, resultando na sua proteção até que o seu esquema vacinal esteja concluído. Esta estratégia é empregada em diversos países e no final de 2014 foi introduzida no Brasil. Entretanto, pouco se sabe sobre sua eficácia, efetividade e interação com a posterior vacinação da criança, que é realizada com a formulação de células inteiras (DTP), enquanto outros países substituíram-na pela formulação acelular (DTPa). Sabe-se que a vacinação materna induz anticorpos que ajudam a proteger recém-nascidos da infecção, mas podem, também, neutralizar a vacinação da criança, diminuindo a eficiência vacinal, além de promover a transferência de antígenos para o feto, induzindo desvio do perfil de resposta. Esses aspectos são particularmente importantes e devem ser investigados quando novos programas de vacinação materna são implantados. Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi avaliar a resposta celular contra B. pertussis em parturientes e neonatos no dia do parto, e em lactentes após vacinação completa contra a coqueluche com DTP no primeiro ano de vida, comparando-se o grupo proveniente de mães que foram vacinadas durante a gestação com as que não receberam a dose de reforço. As células mononucleares do sangue periférico e de cordão umbilical dos participantes foram isoladas e estimuladas com antígeno bacteriano ou antígeno policlonal em cultura. Após o tempo estipulado, verificou-se o perfil de expressão gênica por qPCR nas células e a concentração de citocinas de interesse em sobrenadante, por meio de citometria de fluxo. Os dados obtidos mostram que a vacina na gestação induz resposta celular favorável à proteção contra infecção em gestantes, com produção de citocinas de perfil Th1 após estímulo antigênico, enquanto que nos neonatos poucas citocinas estavam acima dos limites de detecção. Quando se comparou a resposta de lactentes nascidos de mães vacinadas ou não durante a gestação, não foi encontrada diferença significativa nos níveis de citocinas produzidos, sugerindo que os anticorpos maternos presentes durante o desenvolvimento fetal e os primeiros meses de vida das crianças não interferiu no processo de reconhecimento e geração de resposta específica. Apesar do número amostral limitado, este trabalho mostra um panorama da interação da vacinação materna com a resposta celular à vacinação da criança no seu primeiro ano de vida, mostrando que a princípio a dose de reforço com dTpa durante a gestação é capaz de gerar resposta celular protetora nas gestantes, prevenindo-as de transmitir a doença a seus filhos, e a resposta humoral produzida não interfere na geração de resposta celular de seus filhos após o seu próprio esquema de imunização.
Título em inglês
Influence of pregnant women's Tdap vaccination in the child's immunological response profile against Bordetella pertussis
Palavras-chave em inglês
Cellular immunology
Pregnant women
Vaccination
Whooping cough
Resumo em inglês
Bordetella pertussis is the bacterial agent of whooping cough, an infectious and contagious re-emerging disease despite high vaccine coverage. As the most affected are children younger than six months of age, a dose of tetanus/diphtheria/pertussis vaccine (acellular pertussis - Tdap) in pregnancy was proposed. It is aimed to promote the transfer of high maternal antibodies' titres to the foetus and newborns, resulting in their protection until their own vaccination scheme is completed. This strategy is present in several countries, and it was implemented in Brazil by the end of 2014. However, little is known about its efficacy, effectiveness and interaction with the subsequent child's vaccination, which comprehends the whole-cell formulation (DTP), while other countries replaced it for the acellular version (DTaP). Maternal vaccination induces antibodies that would protect newborns from infection, but they can also neutralize the effect of the child vaccination, reducing the vaccine efficiency. Besides, it can promote the transfer of antigens to the foetus, which can induce deviation in the response pattern. These aspects are particularly important and should be investigated when new maternal vaccination programs are implemented. Therefore, the aim of this project was to evaluate the cellular response against B. pertussis in women at labour and their neonates, as in young children after complete pertussis vaccination by the first year of life, comparing groups from vaccinated and non-vaccinated women during pregnancy. Peripheral blood and cord blood mononuclear cells were isolated and stimulated with bacterial or polyclonal antigen in culture. After the stipulated time the gene expression profile and cytokine concentration were evaluated by qPCR and flow cytometry. Data from the present study show that pregnancy vaccination inducing favourable cellular response for protection against infection in pregnant women, with Th1 cytokines' production upon antigenic stimulus, while in newborns few cytokines were detected above the detection limit. When comparing children's response, born either from vaccinated or unvaccinated mothers, cytokine levels were not significantly different, suggesting that maternal antibodies present during foetal development and first months of life do not interfere with recognition and cellular response generation to vaccination. Despite limited sample size, this work shows a broader view of interaction between maternal and child vaccination, showing that the Tdap boost dose during pregnancy may be able to generate protective response in women, preventing them to transmit the disease to children, and the induced humoral response may not interfere in generating cellular response in children after their own vaccination.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-05-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.