• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.91.2009.tde-26062009-155302
Documento
Autor
Nome completo
Gastón Andres Fernandez Giné
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2009
Orientador
Banca examinadora
Duarte, José Maurício Barbanti (Presidente)
Andriolo, Artur
Costa, Carla Gheler
Percequillo, Alexandre Reis
Rodrigues, Mauro Galetti
Título em português
Ecologia e comportamento do ouriço-preto (Chaetomys subspinosus, Olfers 1818) em fragmentos de Mata Atlântica do município de Ilhéus, sul da Bahia
Palavras-chave em português
Comportamento animal
Dieta animal
Ecologia animal
Erethizontidae
Habitat Seleção
Mata Atlântica
Roedores.
Resumo em português
O ouriço-preto (Chaetomys subspinosus, Olfers 1818), roedor endêmico da Mata Atlântica ameaçado de extinção, foi estudado na região cacaueira do sul da Bahia. O conhecimento acerca de aspectos básicos de sua história natural ainda é insipiente. Neste contexto, foi estudada a ecologia comportamental do ouriço-preto quanto à ecologia alimentar, organização temporal do comportamento, uso do espaço e seleção do habitat, a fim de conhecer suas estratégias adaptativas, seus requerimentos de habitat e embasar ações de conservação. Foram rádio-monitorados quatro indivíduos em vida-livre, por 11 a 13 meses cada, durante 24 dias completos (24h) e 146 noites parciais, totalizando 1.520 horas de observação, entre abril de 2005 a setembro de 2006. Dados sobre o comportamento, localização e uso de recursos foram registrados a cada 10 minutos por visualização direta dos animais. Simultaneamente, foram coletados dados sobre: clima, disponibilidade de alimento, fase da lua, tipo de vegetação na paisagem, estrutura horizontal e vertical da vegetação, abundância de recursos, e composição nutricional de espécies da dieta. Os dados foram analisados através de três abordagens. Os resultados do primeiro enfoque revelam que os ouriços-preto estudados foram estritamente folívoros e especialistas, e não apresentaram mudanças na composição da dieta ao longo do ano. Preferiram folhas jovens, espécies pioneiras, principalmente Fabaceas com capacidade de fixação biológica de nitrogêncio. Os resultados do segundo enfoque indicaram que os ouriços estudados são estritamente noturnos, solitários, possuem baixos níveis de atividade entre outras estratégias voltadas para a conservação de energia. Eles apresentaram ritmo circadiano de atividade e padrão bimodal de atividade que parecem associados a aspectos que permeiam o processo digestivo e de forrageamento. Não mostraram expressivas mudanças comportamentais ao longo do ano, mas em noites chuvosas sua atividade foi reduzida. Os resultados da terceira abordagem indicam que eles possuem áreas de vida pequena, são estritamente arborícolas, e preferem locais com alta complexidade vertical da vegetação e infestação de cipós em todas as escalas de seleção de habitat avaliadas. Dessa forma, as florestas e as áreas de borda foram preferidas pelos ouriçospreto, e raramente foram usadas as capoeiras e sistemas agroflorestais. Este estudo comprova que os ouriços-preto são estritamente folívoros, arborícolas e especialistas. Eles adotam estratégias comportamentais voltadas à conservação de energia, similares a outros mamíferos folívoros, e são altamente seletivos no uso de recursos do habitat. Estes recursos são comuns em áreas florestais sobre perturbação do efeito de borda. Enquanto, por um lado os ouriços-preto mostram ser especializados em bordas de floresta, por outro, evitam áreas forestais estruturalmente simplificadas. A tolerância ao efeito de borda e a evitação dos sistemas agroflorestais pelos ouriços-preto são discutidas no âmbito de sua conservação.
Título em inglês
The ecology and behavior of thin-spined porcupine (Chaetomys subspinosus, Olfers 1818) in fragments of the Atlantic forest, Ilheus, southern Bahia
Palavras-chave em inglês
Animal behavior
Animal diet
Animal ecology
Atlantic forest
Erethizontidae
Habitat-selection
Rodents.
Resumo em inglês
The behavioral ecology of thin-spined porcupine (Chaetomys subspinosus, Olfers 1818), threatened rodent endemic from Atlantic forest, was researched in the cacao-growing region of southern Bahia. The knowledge about basic aspects of specie natural history is still incipient. The aim of the present research was to study feeding ecology, behavior temporal organization, use of space, and habitat selection, to know the adaptation strategies, their habitat requirements and to support conservation actions. In this way, four individuals in situ were followed using radiotelemetry along 11 to 13 months each, during 146 half-nights and 24 complete days (24h), totaling 1520 hours of observation, from April 2005 to September 2006. Data about behavior, localization and use of resources were registered by instantaneous sampling performed each 10 minutes by direct visualization of animals. Simultaneously, data about climatic variables, food availability, moon phase, vegetation types in landscape, horizontal and vertical vegetation structure, resource abundance, and nutritional composition of diets species were collected. Data was analyzed following three different approaches. The results of the first part revealed that the thin-spined porcupines are strictly folivorous and specialist, eating a lot of few species, any change on foraging patterns and diet composition were observed along the year. The preference was for young leaves, pioneer species, mainly Fabaceas with capability of biological nitrogen fixation. The results of the second part indicated that the studied thin-spined porcupines are strictly nocturnal and solitary presenting low level of activity among other strategies for energy conservation. Also, presented circadian rhythm and activity bimodal pattern related to aspects that permeate their foraging and digestive process. They did not change their activities or dislocations due to seasonal but in raining nights their activity was reduced. The results of the third approach revealed that they exhibit small home range, were strictly arboreal and preferred locals with high complexity vertical vegetation and lianas abundance in all the habitat-scales selection evaluated. Thus the forest and the edged areas were preferred by the porcupine, and rarely went to early-growth forest and agro-forest systems. This study confirmed that thin-spined porcupine is strictly folivore, arboreal and specialist. They adopt conservative-energy strategies similar to others arboreal folivorous mammals, and denotes that are highly selective in use habitat resources. Those resources are common in forest areas with edge effect disturbance. While demonstrated to be specialist in edges forest, in other side, they avoid simplified structurally areas. The thin-spined porcupine tolerance to edge effect and their avoidance to agroforest systems are discussed under the focus of conservation.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Gaston_Gine.pdf (9.98 Mbytes)
Data de Publicação
2009-07-20
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.