• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.9.2012.tde-13032013-105302
Documento
Autor
Nome completo
Ana Mara de Oliveira e Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Mancini Filho, Jorge (Presidente)
Bastos, Deborah Helena Markowicz
Bragagnolo, Neura
Loureiro, Ana Paula de Melo
Marquez, Ursula Maria Lanfer
Título em português
Efeito dos compostos fenólicos do alecrim (Rosmarinus officinalis L.) na inflamação aguda e sobre os marcadores de estresse oxidativo de ratos diabéticos
Palavras-chave em português
Alecrim
Compostos fenólicos
Diabetes
Estresse oxidativo
Inflamação
Resumo em português
Introdução: As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como o diabetes, apresenta estreita relação com os marcadores do estresse oxidativo e da inflamação. Estes marcadores podem ser modulados pelos compostos bioativos presentes nos alimentos. Os compostos fenólicos presentes no alecrim (Rosmarinus officinalis L.) possuem atividades biológicas importantes, como antioxidante, antiinflamatória, anticarcinogênica, entre outras. Objetivo: Avaliar o efeito dos compostos fenólicos do alecrim (Rosmarinus officinalis L.) na inflamação aguda e sobre os marcadores de estresse oxidativo de ratos diabéticos induzidos por estreptozotocina. Métodos: Extrato aquoso (EA) e frações ricas em compostos fenólicos foram obtidos das folhas de alecrim e avaliados quanto à sua composição em fenólicos e capacidades antioxidante e anti-inflamatória in vitro. Ratos Wistar, machos, foram tratados com EA, fração hidroalcoólica (FHA) ou fração de ácidos fenólicos livres (AFL). O efeito do EA, FHA e AFL foram avaliados em ratos diabéticos. Foi avaliada a atividade anti-inflamatória in vivo do EA nos modelos de inflamação aguda: edema de pata e bolsa de ar. O efeito do EA também foi investigado em células de hepatócitos humano (HepG2). Para análise dos resultados utilizou-se a análise de variância (ANOVA, post-hoc Tukey), adotando como nível de significância p<0,05. Resultados: O EA e suas frações apresentaram alto conteúdo em compostos fenólicos, entre eles os flavonoides. Os ácidos rosmarínico e carnósico foram os compostos majoritários das frações de ácidos fenólicos. A composição em compostos fenólicos contribuiu significativamente para a expressiva capacidade antioxidante e inibitória da lipoxigenase in vitro. O EA de alecrim alterou positivamente a atividade das enzimas antioxidantes, reduziu as concentrações séricas de TNF-α e IL-6; e aumentou níveis de LTB4 em animais diabéticos quando comparado ao grupo controle diabético (D-H2O). A AFL não atenuou os marcadores de estresse oxidativo do diabetes. Na inflamação aguda, o EA reduziu o edema de pata semelhante à indometacina (p>0,05). Houve redução significativa (p<0,05) das concentrações de LTB4, PGE2, TNF-α e IL-6 em exsudatos de ratos pré-tratados com EA e submetidos ao estímulo inflamatório com carragenina no modelo de bolsa de ar. Esta redução foi acompanhada pela diminuição no recrutamento de neutrófilos, quando comparados ao grupo controle (p<0,05). Foi observada redução na produção de óxido nítrico em neutrófilos tratados com EA e estimulados com LPS. O EA nas concentrações de 1 a 50 µg/mL manteve a viabilidade de células HepG2 e reduziu a produção de espécies reativas em condições basais e hiperglicêmicas, além de manter os níveis de GSH e aumentar a expressão dos genes HO-1 e SOD-2 em células tratadas com 10 µg/mL de extrato quando comparados ao grupo normoglicêmico (p<0,05). Conclusão: O EA de alecrim apresenta propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, observadas tanto in vitro como em animais, podendo apresentar benefício nas DCNT, nas quais o estresse oxidativo e a inflamação atuam de forma significativa, como no diabetes.
Título em inglês
Effects of the phenolic compounds from rosemary (Rosmarinus officinalis L.) on acute inflammation and oxidative stress markers in diabetic rats
Palavras-chave em inglês
Diabetes
Inflammation
Oxidative stress
Phenolic compounds
Rosemary
Resumo em inglês
Introduction: Non-transmissible chronic diseases, such as diabetes, are strongly associated with oxidative stress and inflammation markers, which are known to be modulated by bioactive compounds found in foods. Polyphenols present in rosemary (Rosmarinus officinalis L.) display important biological activities, including among others, antioxidant, anti-inflammatory and anticarcinogenic effects. Objective: To assess the effects of polyphenols from rosemary (Rosmarinus officinalis L.) on acute inflammation and oxidative stress markers in rats with streptozotocin-induced diabetes. Methods: Aqueous extract and phenolic acid fractions were obtained from rosemary leaves and assayed for their phenolic composition and in vitro antioxidant and anti-inflammatory activities. The effects of the aqueous extract (EA), the hydroalcoholic fraction (FHA) and the free phenolic fraction (AFL) were assessed in diabetic male Wistar rats. The in vivo anti-inflammatory activity of EA was evaluated against two models of acute inflammation: paw edema and air pouch. The effect of EA was also investigated in human hepatocyte cells (HepG2). Results were compared using a one-way Analysis of Variance (ANOVA) and the Tukey post-test at a significance level of p<0.05. Results: Polyphenols, mainly flavonoids, occurred in high quantities in EA and its fractions. Rosmarinic and carnosic acids were found chiefly in the phenolic fractions. The rich phenolic composition contributed significantly to the high in vitro antioxidant activity and lipoxygenase inhibiting capacity observed. The rosemary aqueous extract (EA) positively affected antioxidant enzyme activities, reduced serum TNF-α and IL-6 concentrations and elevated LTB4 levels in diabetic rats, compared with those in the diabetic control group (D-H2O). Treatment with AFL did not attenuate the oxidative stress markers altered by diabetes. In the acute inflammation models, paw edema was reduced by EA as successfully as by indomethacin (p>0.05) and LTB4, PGE2, TNF-α and IL-6 concentrations in air pouch exudates in carrageenan-stimulated rats were significantly lowered by treatment with EA (p<0.05). Neutrophil recruitment was also reduced, compared with the control group (p<0.05). Treatment with EA also led to the reduction in nitric oxide production by LPS-stimulated neutrophils. In addition to preserving HepG2 cell viability, EA at concentrations between 1 and µ50 g.mL-1 was also able to diminish ROS production under basal and hyperglycemic conditions, preserve GSH levels and increase HO-1 e SOD-2 gene expression in cells (extract at µ10 g.mL-1), compared with the normoglycemic group (p<0.05). Conclusion: The aqueous extract of rosemary exhibits antioxidant and anti-inflammatory activity in vitro and in animals. This could be of great benefit in the treatment of nontransmissible chronic diseases, such as diabetes, which are strongly associated with oxidative stress and inflammation.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2013-04-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.