• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.83.2006.tde-15012007-174556
Documento
Autor
Nome completo
Marinésia Aparecida Prado Palos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2006
Orientador
Banca examinadora
Gir, Elucir (Presidente)
Caliri, Maria Helena Larcher
Hayashida, Miyeko
Pimenta, Fabiana Cristina
Souza, Adenicia Custodia Silva e
Título em português
"Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais"
Palavras-chave em português
Infecção hospitalar
MRSA
Staphylococcus Aureus
Trabalhador de saúde
Resumo em português
o Staphylococcus aureus consiste em importante microrganismo no ambiente nosocomial, disseminado principalmente pelas mãos dos profissionais de saúde. É com essa compreensão acerca da temática, que nos propusemos realizar esta investigação. Objetivos: avaliar a prevalência de Staphylococcus aureus e de Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais das equipes médicas e de enfermagem de uma instituição de saúde de Goiânia-GO, e as interfaces com as infecções nosocomiais; e caracterizar o perfil fenotípico dos Staphylococcus aureus. Material e método: estudo realizado com as equipes médicas e de enfermagem, das unidades de terapia intensiva, clínica médica, clínica cirúrgica, gineco/obstétrica e centro cirúrgico de uma instituição de saúde de Goiânia-Goiás. Desenvolvido no período de agosto de 2005 a julho de 2006. Foi coletada a saliva de 268 profissionais, em 3 momentos distintos, o que resultou em 804 amostras analisadas. As amostras foram semeadas em ágar manitol e as colônias desenvolvidas contadas e submetidas à fenotipagem e teste de suscetibilidade aos antimicrobianos, determinado pelo método de difusão de disco. Os resultados foram submetidos à análise quantitativa, por meio de estatística descritiva, utilizando-se programa Epi-Info (versão 3.3.2-Center for Disease Control). Resultados: dos 268 profissionais da saúde que concordaram em participar da pesquisa, analisaram-se 804 amostras de saliva; dessas os Staphylococcus aureus foram isolados de 404 amostras, correspondendo a 227 profissionais colonizados. Identificou-se que 9,7% (26/268) dos profissionais da saúde investigados, eram portadores de MRSA. O fenótipo MLSB (macrolídeos, lincosaminas e estreptogaminas) foi detectado em 11,2% (46/409) dos Staphylococcus aureus. Destes, 8,7% resistentes à oxacilina. No tocante ao perfil dos profissionais da saúde colonizados por MRSA quanto à categoria profissional, destacou-se que 61,5% eram técnicos de enfermagem, 19,2% eram enfermeiros, 15,4% eram médicos e 3,8% auxiliares de enfermagem. Quanto ao local de trabalho dos profissionais da saúde acometidos por MRSA, identificou-se a UTI clínica (26,9%), seguida pela clínica médica (19,2%), pela UTI cirúrgica (15,4%), pela clínica cirúrgica (15,4%), pela clínica gineco/obstétrica (15,4%) e pelo centro cirúrgico (7,7%). A produção de lecitinase foi identificada em 48,5% dos Staphylococcus aureus isolados dos (130/268) profissionais da saúde que participaram das três coletas. Quanto à adesão dos profissionais da saúde aos equipamentos de proteção individual (EPI), durante a assistência direta ao cliente, verificou-se que 92,9% deles os utilizavam e 3,4% não os utilizavam sendo que de 3,7% não se teve o questionário recuperado. Dos que utilizavam EPI, a luva foi a mais usada por 93,7% dos profissionais, seguido pela máscara, (92,9%) e pelo jaleco (88,4%). Apesar de somente 3,4% não utilizarem os EPI, essa conduta é preocupante se considerar as suas justificativas: desinteresse, esquecimento, comprometimento do visual, entre outros. Em se tratando de MRSA, um único profissional é capaz de disseminar esse microrganismo tanto no local de trabalho como na comunidade em geral. Conclusão: a colonização de profissionais da saúde por Staphylococcus aureus meticilina resistentes é uma realidade, constituindo-se fonte potencial de infecção nosocomial grave podendo ter impacto na saúde dos clientes, dos familiares e do próprio profissional. Os resultados sinalizam a fragilidade da adesão dos profissionais de saúde às medidas preventivas. Dessa forma, recomenda-se a elaboração de estratégias específicas direcionadas a esses profissionais, acerca do MRSA, para que possam ser implementadas nas instituições de saúde, com vistas à adesão deles a tais medidas e, conseqüentemente, à diminuição dos índices de infecções hospitalares. Acredita-se que os resultados desta pesquisa levem a vislumbrar a construção de um banco de dados epidemiológicos sobre Staphylococcus aureus meticilina resistentes, na instituição, e que possam oferecer subsídios para um sistema de vigilância prospectiva populacional dessa bactéria, entre os profissionais de saúde da instituição referida
Título em inglês
Staphylococcus aureus and meticillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) in health professionals and the interfaces with nosocomial infections
Palavras-chave em inglês
Health worker
Hospital infection
MRSA
Staphylococcus Aureus
Resumo em inglês
Staphylococcus aureus is an important microorganism in the nosocomial environment, mainly disseminated by the hands of health professionals. Based on this understanding about the theme, we decided to carry out this study. Objectives: assess the prevalence of Staphylococcus aureus and meticillin-resistant Staphylococcus aureus (MRSA) in medical and nursing team professionals from a health institution in Goiânia-GO, and the interfaces with nosocomial infections; and characterize the phenotypic profile of Staphylococcus aureus. Material and method: This study was carried out with the medical and nursing teams working at the intensive therapy, medical clinic, surgical clinic, gynecologic-obstetric units and surgical center of a health institution in Goiânia-Goiás. The research was carried out between August 2005 and July 2006. The saliva of 268 professionals was collected at 3 different moments, which resulted in 804 analyzed samples. The samples were seeded in mannitol agar and the colonies that developed were counted and submitted to phenotyping and antimicrobial susceptibility test, determined by the disk diffusion method. The results were submitted to quantitative analysis, through descriptive statistics, using Epi-Info software (version 3.3.2-Center for Disease Control). Results: Two hundred sixty-eight health professionals agreed to participate in the research, of whom 804 saliva samples were analyzed; in this group, Staphylococcus aureus were isolated from 404 samples, corresponding to 227 colonized professionals. The analysis identified that 9.7% (26/268) of the examined health professionals were carriers of MRSA. The MLSB (macrolides, lincosamides and streptogamines) phenotype was detected in 11.2% (46/409) of the Staphylococcus aureus, 8.7% of which were oxacillin-resistant. With respect to the profile of health professionals colonized by MRSA in terms of professional category, 61.5% were nursing technicians, 19.2% were nurses, 15.4% were physicians and 3.8% nursing auxiliaries. As to the work place of health professionals affected by MRSA, the clinical ICU (26.9%) was identified, followed by the medical clinic (19.2%), surgical ICU (15.4%), surgical clinic (15.4%), gynecologic-obstetric clinic (15.4%) and surgical center (7.7%). Lecithinase production was identified in 48.5% of the Staphylococcus aureus isolated from (130/268) the health professionals who participated in the three sample collections. As to health professionals adherence to individual protection equipment (IPE), during direct client care, 92.9% used IPE and 3.4% did not, while questionnaires were not recovered for 3.7%. Among professionals who used IPE, gloves were the most used equipment by 93.7%, followed by masks (92.9%) and apron (88.4%). Although only 3.4% did not use the IPE, this behavior is preoccupying in view of their justifications: indifference, forgetting, impaired visual appearance, among others. In cases of MRSA, one single professional is capable of disseminating this microorganism in the workplace as well as in the community in general. Conclusion: the colonization of health professionals by meticillin-resistant Staphylococcus aureus is a reality, constituting a potential source of severe nosocomial infection that can impact the health of clients, relatives and professionals themselves. The results point towards health professionals? fragile adherence to prevention measures. Thus, the elaboration of specific strategies about MRSA is recommended, directed at these professionals, with a view to their implementation at health institution, health professionals? adherence to these measures and, consequently, decreased hospital infection rates. These research results can lead to the construction of an epidemiological database on meticillin-resistant Staphylococcus aureus at the institution, and can support a prospective populational surveillance system for this bacteria among health professionals at the study institution
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
MarinesiaPalos.pdf (4.36 Mbytes)
Data de Publicação
2007-04-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.