• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.81.2016.tde-24062016-145910
Documento
Autor
Nome completo
Luana Dalmaschio Biasutti
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Bizerra, Alessandra Fernandes (Presidente)
Monaco, Luciana Magalhães
Silva, Douglas Falcão
Título em português
O engajamento mútuo como elemento formativo de mediadores em espaços de educação não formal
Palavras-chave em português
Comunidade de prática
Educação Não Formal
Engajamento mútuo
Formação de mediador
Resumo em português
Nota-se um crescimento constante da importância dos espaços de Educação Não Formal frente ao de Ensino de Ciências. Com isso, passa a ser imprescindível a presença de profissionais que promovam a interação da ciência com o público e, consequentemente, a formação dos mesmos para que possam atuar de maneira efetiva no desenvolvimento de atividades educativas nesses locais. Nesta perspectiva, este estudo de caso teve por finalidade analisar o processo de formação de mediadores de um espaço de Educação Não Formal de ciências, utilizando a perspectiva da teoria de Comunidades de Prática, elaborada por Jean Lave e Etienne Wenger. Mais especificamente, teve como objetivo analisar como o elemento engajamento mútuo, proposto pelos autores como um dos pontos fundamentais da participação dos membros de uma comunidade de prática, pode contribuir para a formação inicial de mediadores. Para realização dessa investigação, foi necessário, primeiramente, averiguar se o local de estudo escolhido - Estação Biologia (EB), projeto de extensão universitária vinculado ao Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, poderia ser considerado uma comunidade de prática, sendo necessária, para isso, a identificação de três elementos básicos: o repertório compartilhado, o engajamento mútuo e o empreendimento conjunto. Os dados coletados a partir de análises documentais, entrevistas gravadas semiestruturadas, filmagens e observações de visitas evidenciam que os três elementos básicos coexistem na EB, podendo, assim, ser considerada uma comunidade de prática. Nessa comunidade, às possibilidades de flexibilização de funções e o estabelecimento de negociações internas promovem o aumento do engajamento mútuo que está diretamente envolvido com a transformação de um mediador periférico em um mediador central, e consequentemente, com a sua formação tanto para atuar como mediador, quanto para atuar profissionalmente, seja na carreira de bacharelado ou de licenciatura. Isso pode ser afirmado visto que, ao aumentar o engajamento na prática da comunidade, esse mediador se apropria de conhecimentos que poderão ser usados dentro e fora da EB.
Título em inglês
The mutual engagement as a formative element of mediators in spaces of non-formal education
Palavras-chave em inglês
Community of practice
Mediator training
Mutual engagement
Non-formal education
Resumo em inglês
There has been a steadily growing role of non-formal education within science teaching. Thus, the presence of professionals is crucial for promoting the interaction of science with the public. Consequently, the formation of these professionals is essential to enable them to act effectively in the development of activities at educational sites. Accordingly, this case study aims at examining the process of formation of mediators in the area of non-formal education in science, using the Theory of Community of Practice, coined by Jean Lave and Etienne Wenger. More specifically, the analysis of the mutual engagement element, as proposed by the authors as one of the key points in the participation of members in a community of practice, may contribute to the initial training of mediators. To undertake this study, it was necessary to first determine whether the chosen place of study, Estação Biologia (EB) of the University of São Paulo, could be considered a community of practice. For this, the identification of three basic elements were required: shared repertoire, mutual engagement and joint enterprise. The data that were collected from documentary analysis, semi-structured registered interviews, recorded visits and personal observations, showed that all the three basic elements were present in EB, and thus it can be considered a community of practice. In this community, the flexibility of functions, and the establishment of internal negotiations, promote increased mutual engagement that is directly involved in the transformation of a peripheral into a central mediator, and consequently, their training both to act as a mediator and how to do so professionally. Considering that by increasing engagement in the practice of community, this mediator appropriates knowledge that can be used inside and outside the EB.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-06-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.