• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2015.tde-09062015-104843
Documento
Autor
Nome completo
Vinicio Corrias
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Ortale, Fernanda Landucci (Presidente)
Moraes, Rita de Cássia Barbirato Thomaz de
Santoro, Elisabetta Antonietta Rita Maria Carmela
Título em português
A competência interacional de aprendizes de língua estrangeira (italiano) durante a produção oral espontânea em sala de aula: uma análise da conversa
Palavras-chave em português
Análise da conversa etnometodológica
Competência interacional
Fala-em-interação
Italiano língua estrangeira
Organização de reparo
Sistemática para tomada de turnos
Resumo em português
A presente dissertação analisa como se configura a Competência Interacional (He; Young, 1998) de aprendizes adultos brasileiros durante um curso de italiano durante conversa espontânea. Os dados foram coletados durante um semestre, com foco em conversas livres, isto é, em interações imprevisíveis, sem duração definida e cujos temas nasciam a partir de algum acontecimento em sala de aula, sem planejamento prévio. A análise dos dados teve dois focos principais: a análise do sistema de turnos e dos reparos, procurando verificar de que forma a construção desses recursos determina aspectos da interação e do desempenho de papeis de professor e de aluno em sala de aula. Os dados foram analisados com base na disciplina, fortemente empírica, da Análise da Conversa; de modo mais específico, foram utilizadas as categorias encontradas por Sacks, Schegloff e Jefferson (1974) e por Schegloff, Jefferson e Sacks (1977), para análise do sistema de turnos e dos reparos, respectivamente. A análise dos dados indicou que os aprendizes utilizaram o sistema de turnos de forma parecida com o da conversa fora da sala de aula, já que na maioria dos casos se auto-selecionam como próximos falantes, o que nos levou a identificar uma postura autônoma e a percepção, por parte dos aprendizes, de um ambiente mais próximo ao genuíno de comunicação. Por outro lado, nota-se que os turnos dos aprendizes têm, quase sempre, menor duração do que os do professor, possivelmente, por causa de uma menor competência linguístico-comunicativa. Os dados evidenciam ainda, que os alunos utilizam pouco, muito menos que o professor, a seleção de um outro falante. Quanto à análise do sistema de reparos, verificaram-se duas tendências principais. Em primeiro lugar, os alunos, frequentemente, pedem para ser corrigidos, mas, ao mesmo tempo, há muitas ocorrências em que eles não esperam que alguém responda a esses pedidos e continuam a conversa. Em segundo lugar, o professor, na maioria dos casos, não corrige os desvios linguísticos dos alunos e, quando o faz, não parece existir uma lógica que guie essas ações. Se olharmos com mais atenção para os dados analisados, configura-se uma situação complexa, em que os alunos, por exemplo, corrigem outros alunos, ou em que eles interrompem o professor. Em conclusão, a detalhada análise das interações evidencia que, em vários momentos, os papeis de professor e alunos estão bem marcados, mas estão longe de ser os papeis tradicionais em que o professor é quem avaliava e distribui os turnos, e os alunos estão em posição mais passiva. Isso nos permite afirmar que a conversa é uma atividade de sala de aula em que os participantes têm liberdade de ação e na qual os recursos interacionais são aspectos essenciais não apenas na configuração da interação, como também na construção da competência interacional dos aprendizes e na compreensão do processo de ensino-aprendizagem de línguas em sala de aula.
Título em inglês
The interactional competence of foreign language (italian) learners during spontaneous oral production in the classroom: a conversation analysis
Palavras-chave em inglês
Conversation analysis
Interactional competence
Italian as a foreign language
Repairs
talk-in-interaction
Turn-taking system
Resumo em inglês
This study analyzes the nature of Interactional Competence (He; Young, 1998) of adult Brazilian learners, attending a Italian language course, during spontaneous conversation. The data, collected during a semester, focused on unplanned conversations, which had no defined duration and whose topics emerged from anything occurring in the classroom. The analysis of the data consists of two main foci: speaker selection and repairs. They were analyzed in order to verify how their construction could determine aspects of interaction and how it influences the roles that the professor and the learners play in the classroom. The data were analyzed based on the, strictly empirical, discipline of Conversation Analysis; in particular, were used the categories found by Sacks, Schegloff e Jefferson (1974), and Schegloff, Jefferson e Sacks (1977), for speaker selection and repair, respectively. The analysis of the data revealed that the learners use speaker selection in a way that similar to that outside classroom, that is to say, they mainly selected themselves in order to take the floor. This learners skill is viewed as evidence of autonomous stance; furthermore, it indicates that they perceive the classroom as characterized by genuine communication. On the other hand, it can be noticed that learners turns are mainly shorter than professors, probably due to their lesser linguistic-communicative competence. In addition, the data show that the learners select the other participants fewer times than the teacher. Examination of the system of repairs revealed two main trends. Firstly, in spite of the fact that the learners frequently ask for a linguistic repair, they frequently do not wait for somebody to realize that repair and keep on speaking. Secondly, the teacher, in most of the cases, does not repair the learners linguistic problems and when it occurs, the fact does not seem to be supported by any underlying logic. At a closer look, the data show a complex situation in which the learners use the other-repair resource or interrupt the teacher. Finally, the detailed conversation analysis shows that even though many times the roles teacher and learners play are well defined, they are not even close to the traditional ones in which the teacher used to evaluate and distribute the turns, and the learners had a passive attitude. The analysis serve as evidence to affirm that conversation is a classroom activity in which students can perform freely and in which the interactional resources are aspects essential, not only to better understand and categorize the interaction, but also to the construction of the learners interactional competence and for the understanding of the foreign language classroom teaching process.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-09-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.