• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2007.tde-13022008-102824
Documento
Autor
Nome completo
Luis Eduardo dos Santos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Oliveira, Marilza de (Presidente)
Gonzalez, Neide Therezinha Maia
Rossi, Maria Aparecida Garcia Lopes
Título em português
A realização do objeto indireto anafórico: uma questão de aprendizagem?
Palavras-chave em português
Aprendizagem
Objeto Indireto
Terceira pessoa
Verbos Dandi e Dicendi
Resumo em português
Diversos estudos vêm apontando o desaparecimento do pronome clítico dativo de terceira pessoa em paralelo com a substituição da preposição a pela preposição para (pra na língua falada) na introdução de objeto indireto (OI) no português brasileiro (PB). Este fenômeno começa a partir de dados do século XIX, no entanto, tais estudos partem, em sua maioria, de dados da linguagem adulta, sendo que poucos tratam deste fenômeno no âmbito da aprendizagem. Esta dissertação investiga tais apontamentos com relação ao OI, partindo de análise de dados de testes escritos por 767 alunos cursando desde a 5ª série do ensino fundamental de ciclo II (EF II) até o 3º ano do ensino médio (EM). As construções que serão destacadas deverão ser apenas as com verbos do tipo dandi e dicendi, verbos com dois complementos, limitando-se à 3ª pessoa. Partindo da relação que diversos trabalhos fazem entre o clítico dativo e a preposição a (se lhe, então a), verificarei o que o aprendiz usa no lugar do dativo lhe e se substituem a preposição para pela preposição a, no papel de encabeçadora de OI. Uma questão importante nesta dissertação é saber se o tipo de escolha para o preenchimento do OI é uma questão de aprendizagem; saberemos, assim, se a escola recupera na escrita o que parece estar desaparecendo na fala, e, se recupera, o quanto e como se dá essa recuperação. Concluímos que a escola interfere no uso do tipo de preposição que encabeça o SP na modalidade escrita da língua; porém o clítico dativo lhe não acompanha a alternância da preposição ao longo das séries escolares. O aluno não associa a correlação entre os dois fenômenos. Confirma-se a nossa hipótese principal de que no processo de letramento a escola tende a recuperar as perdas lingüísticas, mas nem todas elas são passíveis de serem recuperadas.
Título em inglês
The accomplishment of indirect object anaphoric: a learning question?
Palavras-chave em inglês
Dandi and Dicendi verbs
Indirect Object
Learning
Third Person
Resumo em inglês
Several studies indicate the dative clitic pronoun disappearance in 3rd person in parallel with the preposition "a" substitution by preposition "para" ("pra" in spoken language) in the introduction of Indirect Object (OI) in Brazilian Portuguese. This phenomenon states from data of XIX century, however, such studies consider, the greater number, data of adult language, and few works deal with phenomenon in learning field. This dissertation investigates such notes with regard to OI, starting from data of written testes analysis by 767 students coursing since the 5th on secondary school until 3rd on high school. The constructions that will be focused are those with dandi and dicendi type verbs, verbs with two complements, limiting to 3rd person. Starting from relationship that several works do between the dative clitic and the preposition "a' (if "lhe", then "a"), I will verify what the student use in the place of dative "lhe" and if they substitute the preposition "para" by the preposition "a" in the introduction of OI role. An important point in this dissertation is to know if the type of choice to OI accomplishment is a learning issue; we will, thus, if the school recuperates, how much and how this recuperation happens. Concluding, the school interferes in the use of the type of preposition in the language writing; nevertheless the dative clitic "lhe" doesn't follow the alternate of the preposition along of school series. The student doesn't associate the correlate between the two phenomenons. It confirms the hypothesis main: the school tends to recuperate the linguistic lost, but neither all them can be recuperates.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2008-02-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.