• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.8.2014.tde-12122014-195339
Documento
Autor
Nome completo
Elis Joyce Gunella
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Silva, Franklin Leopoldo e (Presidente)
Belo, Renato dos Santos
Marques, Silene Torres
Título em português
Ontologia e Ética n'O Segundo Sexo de Simone de Beauvoir
Palavras-chave em português
Liberdade
Má-fé
Mulher
Outro
Situação
Resumo em português
Ao desenvolver nO Segundo Sexo análise existencialista sobre a condição da mulher ocidental, isto é, de sua formação, situação e caráter, Simone de Beauvoir parte de uma leitura ética das relações intersubjetivas que historicamente permitiram a constituição de códigos de feminilidade e que condicionam o estado atual da educação e dos costumes. Mais precisamente, a análise da autora sobre a mulher deve ocorrer a partir de compreensão dialética de sua condição histórica ou compreensão ética da ação do sujeito, entendido como Para-si, liberdade radical e incondicionada que se realiza precisamente por meio da ação de autoconstituição. Com efeito, a filosofia existencialista consiste numa filosofia do processo de subjetivação do sujeito, ou seja, processo existencial de constituição do próprio sujeito por meio de escolhas feitas pela liberdade vivida nas situações históricas. Assim, o que define de maneira singular a condição da mulher é o fato de que afirmar-se como sujeito contraria as exigências de sua situação. Aceitar-se, no entanto, como Outro é negar a reivindicação fundamental do sujeito que ela é e resulta na prática de condutas enredadas pela má-fé, isto é, práticas que visam dissimular a servidão em liberdade. Por consequência, com o esforço de pôr-se como Sujeito, que é sempre ético, existe também a tentação de constituir-se como objeto por meio da fixação do ser. É essa ambiguidade constituinte de todo existente que se traduz de forma específica na constituição do feminino quando na sociedade patriarcal se pretende que o homem responsabilize-se por justificar sua existência, de modo que não cabe a ela inventar seus próprios fins, mas aceitar o destino que lhe é dado de fora e que se caracteriza pela negação da liberdade. Desse modo, nosso propósito é compreender como a construção histórica do feminino se dá mediante a constituição de uma subjetividade que pretende se negar e ser negada enquanto tal e que, portanto, só pode dar-se no regime da má-fé
Título em inglês
Ontology and ethics in Simone de Beauvoir´s The Second Sex
Palavras-chave em inglês
Bad-faith
Freedom
Situation
Woman
Resumo em inglês
In developing of The Second Sex existencialist analysis about western womans condition, namely her formation, situation and character, Simone de Beauvoir leave of an ethical reading of intersubjective relations that historically enabled the establishment of codes of femininity and on which the current state of education and morals. More precisely, the analysis of the authoress about the woman must occur from dialectical understanding of her historical condition or ethical understanding of the action of the subject, understood as For-itself, radical and unconditional freedom that is realized precisely through the action of self-constitution. Indeed, the existentialist philosophy is a philosophy of subjectivity of the subject process, i.e., existential process of constitution of the subject through choices made for freedom lived on historical situations. So what defines a singular manner the status of women is the fact that assert itself as subject contradicts the requirements of her situation. Accept themselves, however, as another is to deny the fundamental claim of the subject that she is and results in the practice of entangled by bad-faith conduct, i.e. practices to conceal the bondage free. Consequently, with the effort to put yourself as a subject, which is always ethical, there is also the temptation to constitute itself as an object by setting the be. It is that constituent of all existing ambiguity which translates specifically in the constitution of the feminine in a patriarchal society where it is intended that man Blame yourself to justify their existence, so it is not for her to invent their own purposes, but accept fate given to it from the outside and that is characterized by denial of freedom. Thus, our purpose is to understand how the historical construction of female occurs by the formation of a subjectivity that intends to deny and be denied as such and therefore can only give up the scheme of bad faith
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-12-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.