• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.74.2003.tde-16032004-124904
Documento
Autor
Nome completo
Killarney Ataide Soares
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Pirassununga, 2003
Orientador
Banca examinadora
Maia, Antonio Augusto Mendes (Presidente)
Jerez, Jose Antonio
Meirelles, Flavio Vieira
Título em português
Avaliação sorológica da cisticercose suína pelo ELISA utilizando os antígenos: total e de escólex de Cysticercus cellulosae e líquido vesicular de Cysticercus longicollis
Palavras-chave em português
antígenos
cisticercose suína
ELISA
taenia crassiceps
taenia solium
Resumo em português
A cisticercose suína é uma doença causada pela larva de Taenia solium, Linneaus, 1758, denominada Cysticercus cellulosae (cisticerco). A doença está amplamente distribuída pelo mundo, sendo mais freqüente nos países onde o consumo de carne suína é elevado e as condições sanitárias são deficientes, como em grande parte dos países em desenvolvimento. A cisticercose causa prejuízo em criações de suínos, pois, a carne infectada torna-se imprópria para o consumo humano. Para o diagnóstico da cisticercose suína são realizados o exame da língua in vivo e o exame post-mortem (necropsia). O exame da língua é pouco sensível apesar da elevada especificidade, uma vez que a localização do parasita pode não ser disseminada. A análise post-mortem é baseada em sítios de predileção dos cisticercos. Por isso, são analisados em rotina de inspeção sanitária, o coração, a língua, o diafragma e músculos mastigadores (masseteres e pterigóide). No entanto, infecções brandas, com reduzido número de cisticercos instalados nos tecidos, podem não ser diagnosticadas na necrópsia, evidenciando uma sensibilidade baixa. Recentemente, tem sido sugerida a implementação de testes imunológicos, dentre eles o ELISA (Enzyme Linked Immunossorbent Assay), que tem por princípio a pesquisa de anticorpos no soro. Assim, o presente trabalho objetiva a avaliação de antígenos no método de ELISA para o imunodiagnóstico da cisticercose suína. Dessa forma, 7 suínos, desmamados, provenientes de criação tecnificada foram infectados com 200.000 ovos de T. solium. Foram coletadas amostras sangüíneas antes da infecção e a cada 7 dias até o 140º dia pós-infecção e os soros obtidos foram congelados a 20ºC negativos. Os soros foram avaliados através do ELISA utilizando antígeno total (T-Tso) e de escólex (Es-Tso) de C. cellulosae e de líquido vesicular de C. longicollis (LV-Tcra). O exame da língua in vivo apresentou sensibilidade baixa pois, não foi detectada a presença de cisticercos nos 7 animais durante o período da infecção. Mediante o exame post-mortem, constatou-se a cisticercose em todos os animais. Por outro lado, a quantidade de cisticercos por animal foi baixa tendo em vista a alta dose de ovos inoculados. Foram detectados ao todo 238 cisticercos, sendo todos viáveis. Quanto à distribuição, foi observado que a musculatura do membro anterior e do membro posterior apresentaram as maiores quantidades de parasitas com 24,38% (58) e 28,57% (68) respectivamente. Apenas 18,67% (43) dos cisticercos foram encontrados em tecidos indicados para inspeção da carne. Quanto ao ELISA, obteve-se a padronização do teste para os 3 antígenos, que detectou aumento significativo de anticorpos à partir do 21º dia p.i., para os 7 suínos. O maior índice de reatividade foi encontrado para o antígeno LV-Tcra. O teste com antígenos Es-Tso e LV-Tcra apresentaram os melhores resultados, detectando níveis de anticorpos acima do cut-off nos soros dos animais. Na análise dos soros dos animais suspeitos através do ELISA com Es-Tso, 64,3% (9) das amostras apresentaram absorbâncias acima do cut-off, sendo os animais considerados prováveis portadores de cisticercose. Ficou demonstrada a boa sensibilidade do ELISA com os 3 antígenos, sobretudo quando utilizados o Es-Tso, detectando a doença em animais com infecção leve. Ademais, o ELISA com o antígeno Es-Tso apresenta-se como uma importante ferramenta na pesquisa epidemiológica da cisticercose.
Título em inglês
Sorologic evaluation of swine cysticercosis by ELISA using antigens: total extract and scolex from Cysticercus cellulosae and vesicular fluid from Cysticercus longicollis
Palavras-chave em inglês
antigens
ELISA
swine cysticercosis
taenia crassiceps
taenia solium
Resumo em inglês
Swine cysticercosis is a disease caused by the Taenia solium’s metacestodes, called Cysticercys cellulosae (Cisticerci). This disease is largely spread around the world and is more frequent in countries where swine meat consumption is high and sanitary conditions are poor, as in developing countries. Cysticercosis is harmful to the raising of the swine because infected meat is not proper for human consumption. To diagnose swine cysticercosis one clinically examines the tonge in vivo and also examines post-mortem (necropsy). The tonge exam has little sensitivity in spite of its high specificity as the parasite location cannot be determined. Post-mortem analysis is based on metacestodes’s favorite sites. Therefore, the heart, the tonge, the diaphragm, and the chewing muscles (masseteres and pterigoidis) in the tissue are analyzed in the regular sanitary inspection. However, mild infections, with a minor number of metacestodes in the tissues may not be diagnosed in the necropsy, showing that evidently there is an low sensitivity. Recently there has been suggestions of immunological tests, including the ELISA (Enzyme Linked Immunossorbent Assay) which has as a principle the antibodies research in swine’s serum. Thus, this study’s aim is to evaluate the antigens in the ELISA method for immunodiagnosis of the swine cysticercosis. The experiment used 7 weaned swine for technological rising were orally infected with 200.000 T. solium eggs. At every 7 days, up to the 140º day of infection, 10 mL of blood was collected and the serum was frozen at minus 20ºC. The serum were analyzed through the ELISA and the analyses used 3 antigens: total (T-Tso) and scolex (Es-Tso) of C. cellulosae and C. longicollis’s vesicular fluid (LV-Tcra). The in vivo tongue exam showed low sensitivity because at no time during in the infection the presence of metacestodes could be detected. Through the post-mortem exam one could notice the cysticercosis in all animals. However, the amount of metacestodes per animal was very low, considering the high number of inoculated eggs. As a total 238 metacestodes were detected and all were viable. As for distribution, one observed that the muscles of front and hindquarters showed more parasites with 24,38 % (58) and 28,57% (68), respectively. Only 18,67% (43) of metacestodes were found in tissue appointed for meat inspection. As for the ELISA, the standardization was obtained for 3 antigens, that detected a significant rise of antibodies from the 21th day of infection. It was also observed that the test using the 3 antigens could detected antibodies anti-Cysticercus from the 21th day post-infection. The highest rate of reactivity was found for the antigen LV-Tcra. The immunoenzimatic tests with the Es-Tso and LV-Tcra showed best results, detecting antibodies level over the cut-off in the animals. In the analysis of the suspected animals with ELISA using Es-Tso, 64,3% (9) samples showed high absorbance to the cut-off and the animals considered probably cysticercosis carriers. In conclusion, it was proved that there is good sensitivity in the ELISA, particularly when the antigen Es-Tso is used, detecting cysticercosis in animals with mild infection. Moreover, the ELISA with the Es-Tso show as an important tool for the cysticercosis epidemiological research.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
3431963.pdf (483.34 Kbytes)
Data de Publicação
2004-04-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.