• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.71.2019.tde-30112018-102517
Documento
Autor
Nome completo
Laura Pereira Furquim
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Neves, Eduardo Goes (Presidente)
Oliveira, Joana Cabral de
Cascon, Leandro Matthews
Título em português
Arqueobotânica e mudanças socioeconômicas durante o Holoceno Médio no sudoeste da Amazônia
Palavras-chave em português
Arqueobotânica
Arqueologia Amazônica
Determinismo Agrícola
Período Formativo
Resumo em português
Nos últimos dez anos, há um crescente esforço na Arqueologia Amazônica para repensar as mudanças sociais e econômicas acerca dos processos de longa duração dos povos indígenas durante o período pré-colonial. O Período Formativo, cunhado para alocar tais populações em um estágio intermediário de evolução, vem sendo descontruído em prol de perspectivas alternativas sobre as formas de organização e interação que refletem o tecer e o constante re-tecer das redes ameríndias, com base em historicidades cíclicas contra-estatais que inibem a centralização política. Neste contexto, diversos estudos vêm contribuindo para a desvinculação dos traços materiais "formativos", tais quais a emergência da vida sedentária, de plantas domesticadas, da produção de cerâmicas utilitárias e um processo progressivo de intensificação da produtividade agrícola. Há uma gradativa mudança do fator ambiental, de gatilho de adaptações humanas para produto das escolhas sociais na formação de florestas antrópicas e criação de uma biodiversidade de plantas úteis. A crítica ao determinismo agrícola e à presença de staple foods se combina com um crescente investimento na compreensão acerca da convivência entre espécies domesticadas e silvestres e da existência de contextos de abandono de espécies domesticadas (como o milho), e nos abrem espaço para repensar o papel do cultivo na Amazônia Antiga. Neste cenário, a presente pesquisa teve como objetivo reunir e produzir dados arquebotânicos que permitissem uma avaliação do modelo de intensificação agrícola e da construção de florestas antropogênicas. O Sudoeste Amazônico, marcado por uma transição entre savanas, cerrados e florestas, é a região em que teria ocorrido a domesticação de importantes cultivares indígenas (como a mandioca e a pupunha), e foi caracterizado como um dos locais de avanço do Período Formativo no passado. Através de uma análise diacrônica dos macro-vestígios vegetais presentes no sambaqui Monte Castelo entre as ocupações dos estratos Sinimbu (cal 7.423 - 6.936 A.P. a cal. 4.987 - 4.566 A.P.) e Bacabal (cal. 4.628 - 3.982 a cal. 803 - 624 A.P.), buscamos avaliar estas mudanças socioeconômicas transcorridas entre o Holoceno Médio e Tardio. Caracterizamos uma assembleia botânica formada por espécies domesticadas, manejadas e silvestres, típicas de diferentes ambientes, que indicam uma prática conjunta e constante de cultivo, manejo e coleta, que pode ter sido modificada no Holoceno Tardio por conta de transformações sociais na bacia do Rio Guaporé. Em suma, acompanhamos a história dos cultivos, junto à história dos processos de mudanças e continuidades nos padrões de mobilidade humana, e de dispersão das espécies identificadas, permeando-nos por um debate crítico acerca dos conceitos de agricultura, domesticação, evolução e complexidade social.
Título em inglês
Archaeobotany and Social Changes in the Southwestern Amazon during the Middle Holocene
Palavras-chave em inglês
Agricultural Determinism
Amazonian Archaeology
Archaeobotany
Formative Period
Resumo em inglês
In the last ten years, there has been a growing effort in Amazonian Archeology to rethink the social and economic changes in the long-term processes of indigenous peoples during the pre-colonial period. The Formative Period, coined to allocate such populations in an intermediate stage of evolution, has been deconstructed in favor of alternative perspectives on the forms of organization and interaction that reflect the weaving and constant re-weaving of Amerindian networks, based on cyclical historicities and counter-state policies that inhibit political centralization. In this context, several studies have contributed to the untying of the "formative" material traits, such as the emergence of sedentary life, domesticated plants, the production of utilitarian ceramics and a progressive process of intensification of agricultural productivity. There is a gradual change in the environmental factor, from the trigger of human adaptation to the product of social choices in the formation of anthropic forests and the creation of a biodiversity of useful plants. The critique of agricultural determinism and the presence of staple foods is combined with a growing investment in the understanding of the coexistence between domesticated and wild species and the existence of contexts of abandonment of domesticated species (such as corn), and open space for us to rethink the role of cultivation in the Ancient Amazon. In this scenario, the present research had the objective of gathering and producing archeobotanical data that allowed an evaluation of the model of agricultural intensification and the construction of anthropogenic forests. The Amazon Southwest, marked by a transition between savannas and forests, is the region in which the domestication of important indigenous cultivars (such as cassava and peach palm) would have occurred, and was characterized as one of the places of advancement of the Formative Period in the past. Through a diachronic analysis of plant macro-remains present in sambaqui Monte Castelo between the occupations of Sinimbu strata (cal 7423-6936 AP to cal 4987 - 4566 PA) and Bacabal (cal 4628 - 3982 to cal 803 - 624 AP ), we sought to evaluate these socioeconomic changes between the Middle and Late Holocene. We characterized a botanical assembly formed by domesticated, managed and wild species, typical of different environments, indicating a joint and constant practice of cultivation, management and collection that may have been modified in the Late Holocene due to social transformations in the Guaporé River basin. In short, we follow the history of crops, together with the history of the processes of changes and continuities in the patterns of human mobility, and of dispersion of the identified species, permeating us by a critical debate about the concepts of agriculture, domestication, evolution and social complexity.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Liberação
2020-11-29
Data de Publicação
2019-01-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.