• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.7.2011.tde-19082011-074906
Documento
Autor
Nome completo
Leilane Bagno Eleuterio da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2011
Orientador
Banca examinadora
Pierin, Angela Maria Geraldo (Presidente)
Gusmão, Josiane Lima de
Riccio, Grazia Maria Guerra
Título em português
Prevalência de hipertensão arterial em adventistas do sétimo dia da cidade de São Paulo e do interior paulista
Palavras-chave em português
Adventistas do Sétimo Dia.
Hipertensão
Prevalência
Resumo em português
Introdução Hábitos e estilos de vida inadequados podem contribuir para a hipertensão arterial. Para os Adventistas, a religião preconiza hábitos de vida saudáveis. O objetivo principal desse estudo foi avaliar a prevalência da hipertensão nos Adventistas, comparando a cidade de São Paulo com o interior paulista. Casuística e Métodos Foram estudados 264 Adventistas com avaliação de dados biopsicosocioeconômicos, religiosidade e antropométricos. A pressão foi medida com aparelho automático validado. A religiosidade foi avaliada pelo questionário DUKE DUREL; apoio social pela Escala de Apoio Social e a presença de transtornos mentais comuns pelo Self-Report Questionnaire. Foi adotado nível de significância de p<0,05. Resultados A maioria dos participantes era do sexo feminino, com sobrepeso/obesidade, elevado apoio social e religiosidade, ausência de transtornos mentais comuns e idade 41,17±15,27 anos. Não houve referência de tabagismo e etilismo. Os Adventistas da capital foram diferentes (p<0,05) aos do interior, respectivamente, quanto a: escolaridade superior (62% vs 36,6%); ocupação, ter vínculo empregatício (44%) vs autônomos (40,9%); renda familiar (8,39±6,20 vs 4,59±4,75 salários mínimos) e individual (4,54±5,34 vs 6,35±48 salários mínimos); casal responsável pela renda familiar (35% vs 39,6%); ser vegetariano (11% vs 3%); pressão arterial (115,38±16,52/68,74±8,94 vs 123,66±19,62/74,88±11,85 mmHg); etnia branca (65% vs 81,1%); casados (53% vs 68,9%); menor apoio social no domínio material (15,7±5,41 vs 16,9±4,32) e lembrar da última vez que mediu a pressão (65% vs 48,8%). A prevalência total de hipertensão foi 22,7%, sendo maior no interior do que na capital (27,4% vs 15%) e os hipertensos da capital estavam mais controlados (53,3% vs 35,6%). A análise multivariada indicou associação da presença de hipertensão arterial (OR Odds ratio) com: a) ser vegetariano (OR 0,051), b) escolaridade lê/escreve (OR 3,938) e 1º grau (OR 5,317) vs ensino superior, c) lembrar da última vez que mediu a pressão (OR 2,725), d) ser aposentado (OR 8,846) vs ter vínculo empregatício, e) casal responsável pela renda familiar (OR 0,422) vs participante único responsável. Os hipertensos da capital foram diferentes (p<0,05) em relação ao interior, respectivamente, quanto a: renda individual (8,90±9,76 vs 1,85±2,06 salários mínimos) e familiar (9,60±9,93 vs 3,37±2,27 salários mínimos); participante responsável pela renda familiar (60% vs 33,3%); faltar à consulta médica por esquecimento (100% vs 20%); pressão diastólica (79,26±10,73 vs 86,07±10,66 mmHg); ocupação (46,6% com vínculo empregatício vs 33,3% do lar); saber que tratar pressão alta evita problemas renais (60% vs 55,6%), derrame (80% vs 97,8%) e impotência sexual (26,7% vs 55,6%); referir diabetes (33,3% vs 11,1%) e colesterol elevado (46,7% vs 48,9%) e saber que tratamento da pressão alta inclui parar de fumar (69,2% vs 93,9%) e reduzir o sal da alimentação (84,6% vs 100%). O controle da pressão se associou com: idade (OR 1,063) e ser totalmente verdade a afirmativa as minhas crenças religiosas estão por trás de toda a minha maneira de viver (OR 5,763) quando comparado aos que afirmaram em geral é verdade. Conclusão: A prevalência de hipertensão nos Adventistas foi abaixo que a média dos estudos nacionais, sendo menor na capital do que no interior paulista, possivelmente em decorrência de melhor condição socioeconômica e hábitos de vida saudáveis.
Título em inglês
Prevalence of Arterial Hypertension among Seventh-Day Adventists in São Paulo City and the state interior
Palavras-chave em inglês
Hypertension
Prevalence
Seventh-Day Adventists.
Resumo em inglês
Introduction Inadequate habits and lifestyles can contribute to arterial hypertension. For Adventists, religion recommends healthy life habits. The main goal of this study was to assess the prevalence of hypertension in Adventists, comparing São Paulo City with the state interior. Sample and Methods 264 Adventists were studied, considering bio-psychosocioeconomic, religious and anthropometric data. Pressure was measured using a validated automatic device. Religiousness was assessed using the DUKE DUREL questionnaire; social support through the Social Support Scale and the presence of common mental disorders through the Self-Report Questionnaire. Significance was set at p<0.05. Results Most participants were women, suffering from overweight/obesity, with high social support and religiosity levels, absence of common mental disorders and age 41.17±15.27 years. No reference was made to smoking and drinking habits. Adventists from the capital differed (p<0.05) from the interior, respectively, regarding: higher education (62% vs 36,6%); occupation, employment contract (44%) vs autonomous (40,9%); family income (8.39±6.20 vs 4.59±4.75 minimum wages) and individual (4.54±5.34 vs 6.35±48 minimum wages); couple responsible for family income (35% vs 39.6%); being a vegetarian (11% vs 3%); arterial pressure (115.38±16.52/68.74±8.94 vs 123.66±19.62/74.88±11.85 mmHg); white ethnic origin (65% vs 81.1%); married (53% vs 68.9%); less material social support (15.7±5.41 vs 16.9±4.32) and remembering the last pressure measurement (65% vs 48.8%). Total hypertension prevalence was 22.7%, with higher levels in the interior than in the capital (27.4% vs 15%) and hypertensive patients from the capital were more controlled (53.3% vs 35.6%). Multivariate analysis indicated that hypertension was associated (OR Odds ratio) with: a) being a vegetarian (OR 0.051), b) education level reads/writes (OR 3.938) and first year of secondary education (OR 5.317) vs higher education, c) remembering the last pressure measurement (OR 2.725), d) being retired (OR 8.846) vs having a job contract, e) couple responsible for family income (OR 0.422) vs participant sole responsible. The later differed (p<0.05) from interior patients, respectively, regarding: individual (8.90±9.76 vs 1.85±2.06 minimum wages) and family income (9.60±9.93 vs 3.37±2.27 minimum wages); participant responsible for family income (60% vs 33.3%); forgetting to attend a medical appointment (100% vs 20%); diastolic pressure (79.26±10.73 vs 86.07±10.66 mmHg); occupation (46.6% with an employment contract vs 33.3% housewives); knowing that treating high blood pressure avoids kidney problems (60% vs 55.6%), stroke (80% vs 97.8%) and sexual impotence (26.7% vs 55.6%); referred diabetes (33.3% vs 11.1%) and high cholesterol (46.7% vs 48.9%), and know that treating high blood pressure include smoke cessation (69,2% vs 93,9%) and reduce salt (84,6% vs 100%). Pressure control was associated with: age (OR 1.063) and when the assertion my religious beliefs underlie my entire way of living is considered completely true (OR 5.763) in comparison with those who asserted generally true. Conclusion: The prevalence of arterial hypertension among Adventists remained below mean levels in Brazilian studies, and was lower in the state capital than in the interior of São Paulo State, possibly due to a better socioeconomic condition and healthier life habits.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2011-08-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.