• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.7.2015.tde-01072015-110822
Documento
Autor
Nome completo
Juliana Rizzo Gnatta Damato
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Silva, Maria Julia Paes da (Presidente)
Barbosa, Maria Clara Padoveze Fonseca
Graziano, Kazuko Uchikawa
Kawagoe, Julia Yaeko
Lacerda, Rubia Aparecida
Lefevre, Fernando
Título em português
Avaliação da eficácia antimicrobiana de sabonetes contendo óleo essencial de melaleuca alternifolia versus triclosan versus clorexidina e o impacto na adesão à higienização das mãos pelo efeito aromaterápico
Palavras-chave em português
Aromaterapia
Clorexidina
Controle de Infecções
Desinfecção das Mãos
Óleo de Melaleuca
Terapias Complementares
Triclosan
Resumo em português
Introdução: Os efeitos antimicrobianos de óleos essenciais têm sido relatados na literatura científica, sobretudo referentes ao óleo essencial de Melaleuca alternifolia, também denominado óleo essencial de Tea Tree (OTT). Tal óleo essencial apresenta propriedades antissépticas e pode representar uma alternativa de um produto natural para higienização das mãos (HM) nos estabelecimentos de assistência à saúde que atualmente utilizam predominantemente produtos à base de triclosan e clorexidina. Objetivo: Avaliar a eficácia antimicrobiana na higiene das mãos realizada com três diferentes formulações de sabonetes líquidos distintos, contendo: óleo essencial de Melaleuca alternifolia a 2,0%; sabonete com triclosan a 0,5%; sabonete com clorexidina a 2,0%, bem como compreender de que forma o uso de um sabonete com óleo essencial na higienização das mãos na prática assistencial é percebido por profissionais de saúde. Métodos: Para o experimento (etapa quantitativa) foram utilizadas as diretrizes da metodologia do Comitê Europeu de Padronização, EN1499 versão abril 2013 (phase2/step2), indicada para avaliar a eficácia de antissépticos para higienização das mãos. Foram contaminadas artificialmente as mãos de 15 voluntários sadios com Escherichia coli K12, seguida pela lavagem das mãos utilizando-se cada um dos produtos em avaliação ou um sabão de referência (soft soap). Realizou-se a contagem do número de microrganismos antes (pré-valores) e após (pós-valores) cada procedimento e foi estabelecida a redução logarítmica microbiana para cada um dos participantes em cada procedimento. Os dados foram analisados aplicando-se dois testes não paramétricos. Para a obtenção dos dados qualiquantitativos realizaram-se entrevistas cujos discursos foram analisados conforme metodologia proposta pelo discurso do sujeito coletivo (DSC). Resultados: ao ser aplicado o Teste de Wilcoxon, os três sabonetes testados obtiveram resultados superiores ao do sabão de referência (soft soap) e foram considerados antimicrobianos; constatou-se ainda a superioridade do sabonete contendo OTT e contendo triclosan em relação ao sabonete com clorexidina. Quando aplicado o Teste de Friedman, os sabonetes contendo triclosan e OTT, que apresentaram eficácias equivalentes, podem ser considerados antimicrobianos. A maior parte dos profissionais tinha algum conhecimento sobre Aromaterapia (65,21%), mas menos da metade conhecia as aplicações do OTT (43,47%). Profissionais mais jovens e menos experientes acharam o aroma do OTT agradável ou forte, mas não desagradável. Profissionais mais experientes e com mais idade o associaram ao aroma de pinho e levantaram a questão de o aroma ser incômodo para alérgicos. As principais diferenças observadas entre o sabonete com OTT e os demais sabonetes da prática assistencial foram em relação a aspectos físicos, como textura mais agradável, ao aroma e ao fato de ser menos agressivo à pele. A não agressão à pele foi considerada pelos participantes como o grande diferencial do sabonete contendo OTT, sobrepondo-se, inclusive, ao fator aroma, e que poderia contribuir para aumentar a adesão à HM. Conclusão: os sabonetes contendo OTT 2,0% e contendo triclosan 0,5% demonstraram desempenho superior em relação à clorexidina 2,0%. O não ressecamento da pele por produtos de HM é fundamental para aumentar a adesão dos profissionais de saúde. Além disso, a presença do aroma no sabonete pode ou não ser um fator de estímulo.
Título em inglês
Evaluation of the antimicrobial efficacy of soaps containing: Melaleuca alternifolia essential oil versus chlorhexidine versus triclosan and the impact of adherence to hand hygiene by aromatherapeutic effect
Palavras-chave em inglês
Aromatherapy
Chlorhexidine
Complementary Therapies
Hand Disinfection
Infection Control
Tea Tree Oil
Triclosan
Resumo em inglês
Introduction: The antimicrobial effects of essential oils have been reported in the scientific literature, especially regarding the essential oil of Melaleuca alternifolia, also known as tea tree essential oil (TTO). This essential oil has antiseptic properties and can represent a natural-product alternative for hand hygiene (HH) in health-care settings, which currently use mainly products based on triclosan and chlorhexidine. Objective: To evaluate the antimicrobial efficacy in HH performed using three distinct liquid soap formulations containing 2.0% Melaleuca alternifolia essential oil; 0.5% triclosan; 2.0% chlorhexidine and assess how using a soap with essential oil for HH in healthcare practice is perceived by health professionals. Methods: For the experiment (quantitative phase) we used the methodology guidelines of the European Committee for Standardization, EN1499 version April 2013 (phase2/step2), indicated to evaluate the efficacy of antiseptics for HH. The hands of 15 healthy volunteers were artificially contaminated with Escherichia coli K12 and then the hands were washed with each of the products being assessed or the reference soap (soft soap). The number of microorganisms was counted before (pre-values) and after (post-values) each procedure and microbial logarithmic reduction was performed for each of the participants in each procedure. Data were analyzed using two non-parametric tests. To obtain the qualiquantitative data, interviews were carried out, of which contents were analyzed according to the methodology proposed by the Collective Subject Discourse (CSD). Results: When the Wilcoxon test was applied, the three assessed soaps showed better results than the reference soap (soft soap) and were considered as exhibiting antimicrobial action; the soaps containing TTO and triclosan showed to be superior to the one containing chlorhexidine. When Friedmans test was applied, the soaps containing triclosan and TTO, which showed similar efficacy, were considered antimicrobials. Most of the professionals had some knowledge of aromatherapy (65.21%), but less than half knew about TTO uses (43.47%). Younger and less experienced professionals found the smell of TTO pleasant or strong, but not unpleasant. Older and more experienced professionals associated it to the smell of pine and raised the question of the smell being displeasing for allergic individuals. The main differences between the TTO soap and the other soaps used in health care practice were related to the physical aspects, such as a more pleasant texture, smell and the fact of its being less aggressive to the skin. The fact that it was less aggressive to the skin was perceived by participants as the great differential of the soap containing TTO, overriding even the scent factor, which could help to increase adherence to HH. Conclusion: The soaps containing 2.0% TTO and 0.5% triclosan showed superior performance when compared to the one with 2.0% chlorhexidine. The fact that a soap used in HH does not dry the skin is considered a critical point for adherence by health care professionals. Additionally, the soap smell may or may not be a stimulating factor for HH.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-09-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.