• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.6.2015.tde-08102015-122454
Documento
Autor
Nome completo
Fabiana Corrêa Fernandes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Szarfarc, Sophia Cornbluth (Presidente)
Amancio, Olga Maria Silverio
Aquino, Rita de Cássia de
Título em português
Prática alimentar de lactentes atendidos pela Estratégia Saúde da Família no Maranhão
Palavras-chave em português
Consumo de Alimentos
Deficiências Nutricionais
Desmame
Estratégia Saúde da Família
Resumo em português
Introdução O intenso crescimento e desenvolvimento da criança nos dois primeiros anos de vida inserem este grupo populacional em situação de alto risco à desnutrição e deficiências nutricionais específicas, especialmente em situações socioeconômicas desfavoráveis. Objetivo Identificar a prática da alimentação de crianças de 06 a 23 meses de idade atendidas pela Estratégia Saúde da Família no Maranhão. Métodos Dados secundários do projeto Prevalência e Determinantes da Anemia em Mulheres e Crianças no Estado do Maranhão. Estudo transversal de base populacional e abordagem quantitativa. O consumo foi avaliado através do inquérito Recordatório de 24 horas. A avaliação da adequação de consumo foi realizada através do Guia Alimentar para Crianças Menores de 2 anos, do Guia Alimentar para a População Brasileira e pelo proposto pela Pesquisa Nacional de Saúde. A prática alimentar foi caracterizada pela frequência de refeições, participação dos grupos de alimentos e quantificação de energia, ferro e vitamina A, distribuídos por faixa etária. Resultados Das 401 crianças com idade entre 06 e 23 meses, 52 por cento ainda eram amamentadas, sendo para 17 por cento a única fonte láctea. O grupo dos leites e derivados foi o mais frequente em todas as crianças com 65 por cento entre 6 a 8 meses, 53 por cento de 9 a 11 meses, 41 por cento de 12 a 17 meses e 29 por cento de 18 a 23 meses, declinando expressivamente com o aumento da idade. O grupo de cereais, tubérculos e derivados, o segundo mais expressivo, aumenta com a idade, com frequência de 11 por cento , 16 por cento , 24 por cento e 28 por cento , respectivamente em cada faixa etária. Os alimentos mais consumidos em cada grupo foram leite materno associado ao leite de vaca, arroz, banana, legumes como ingrediente principal da papa salgada, feijão, carne bovina, açúcar, margarina e refresco. Frutas, legumes e verduras, considerados marcadores de padrão alimentar saudável, tiveram um consumo de 13,3 por cento , 14,0 por cento , 14,8 por cento e 16,1 por cento , por faixa etária. O consumo de alimentos marcadores de padrão alimentar não saudável variou de 6 por cento entre 6 e 8 meses a 16 por cento entre 18 a 23 meses. A quantidade média de energia, ferro e vitamina A foram de 880 Kcal, 5,2 mg e 395gRE e inadequação em relação às recomendações de 41 por cento , 75 por cento e 57 por cento , respectivamente, para crianças de todas as faixas etárias. Valores de inadequação de ferro foram elevados principalmente na faixa etária entre 9 e 11 meses de idade com 97 por cento de inadequação. Em relação à vitamina A, verificamos 76,3 por cento de inadequação entre 18 e 23 meses de idade. A adequação de energia foi de 95,4 por cento . Conclusão Constatou-se que a alimentação de grande parte da população não atende às recomendações nutricionais de ferro e vitamina A. Igualmente, por ser constituído basicamente por uma dieta láctea, consumo elevado de alimentos energéticos e reduzido consumo de frutas, legumes e verduras, não atende à segurança alimentar. Os resultados obtidos mostram o risco de anemia e hipovitaminose A. Igualmente, a prática alimentar aponta para o risco do desenvolvimento de doenças crônicas, evidenciando a necessidade de aprimoramento das ações de orientação de hábitos alimentares saudáveis na Atenção Básica.
Título em inglês
Eating habits of children attending the Family Health Strategy in Maranhão.
Palavras-chave em inglês
Deficiency Diseases
Family Health Strategy
Food Consumption
Weaning
Resumo em inglês
Introduction - The intense growth and development of children in the first two years of life insert this population group at high risk for malnutrition and specific nutritional deficiencies, especially in unfavorable socioeconomic situations. Objective - To identify the practice of feeding children 06-23 months old served by the Family Health Strategy in Maranhão. Methods Secondary data from Prevalence and Determinants Projects of anemia in women and children in the state of Maranhão projects. Transversal population-based study and a quantitative approach. Consumption was assessed by dietary recall survey of 24 hours. The assessment of consumption was performed using the Food Guide for Children under two years, the Food Guide for the Brazilian Population and proposed by the National Health Survey. A diet was characterized by frequency of meals, participation in food groups and quantification of energy, iron and vitamin A, divided by age group. Results From 401 children within 06 to 23 months, 52 per cent were still being breastfed and for 17 per cent from this group it was the only milk source. The group of milk and dairy products was the most common in all children with 65 per cent between 6-8 months 53 per cent 9-11 months 41 per cent 12-17 months and 29 per cent 18-23 months falling significantly as their age increase. The group derived from cereals and tubers, the second most significant, increases with age, often 11 per cent , 16 per cent , 24 per cent and 28 per cent respectively in each age group. The most consumed foods in each group were breast milk associated to cow's milk, rice, banana, soups rich with vegetables, beans, beef, sugar, margarine and artificial fruit refreshment. Fruits and vegetables, that are considered healthy eating pattern markers, had a consumption average of 13,3 per cent , 14,0 per cent , 14,8 per cent and 16,1 per cent , by age group. The consumption of unhealthy foods in pattern markers ranged from 6 per cent between 6 and 8 months to 16 per cent between 18-23 months. The average amount of energy, iron and vitamin A were 880 kcal, 5.2 mg and 395gRE and inadequacy in relation to the recommendations of 41 per cent , 75 per cent and 57 per cent , respectively, for children of all ages. Inadequacy of iron values were high especially in 9 and 11 months age with 97 per cent of inadequacy. With regard to vitamin A, we found 76.3 per cent inadequacy between 18 and 23 months old. The adequacy of energy was 95.4 per cent . Conclusion - It was noticed that a big part of the population doesnt have access to the nutritional recommendation of iron and vitamin A. Also, since it is basically constituted by a milk diet, high consumption of energy foods and low consumption of fruits and vegetables, does not attend the food safety. The results show the risk of anemia and hypovitaminosis A. Likewise, the feeding practice points to the risk of developing chronic diseases, highlighting the need to improve the orientation of shares of healthy eating habits in primary care.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-11-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.