• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Adriana Passanha
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Benicio, Maria Helena D Aquino (Presidente)
Carvalhaes, Maria Antonieta de Barros Leite
Louzada, Maria Laura da Costa
Saldiva, Silvia Regina Dias Médici
Título em português
Consumo alimentar de crianças paulistas no segundo semestre de vida: pesquisa de prevalência de aleitamento materno em municípios brasileiros, 2008
Palavras-chave em português
Aleitamento Materno
Alimentos Industrializados
Consumo de Alimentos
Lactente
Nutrição Infantil
Saúde Pública
Resumo em português
Introdução. O aleitamento materno destaca-se em termos nutricionais e de proteção contra doenças; sua prática deve ser mantida após os seis meses, enquanto o lactente recebe alimentos complementares. A alimentação adequada e saudável é essencial para o pleno desenvolvimento infantil. Considerando que o consumo alimentar é influenciado por fatores individuais, sociais e ambientais, conhecer os mesmos é fundamental para promover e proteger a saúde no início da vida. Objetivo Geral. Analisar o consumo alimentar de lactentes paulistas no segundo semestre de vida. Métodos. Estudo transversal com dados relativos a 75 municípios que participaram da Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno em Municípios Brasileiros de 2008. Foram avaliados 14326 lactentes paulistas de seis meses completos a doze meses incompletos. Através do questionário aplicado, foram obtidas diversas informações sobre consumo alimentar dos lactentes. A tese gerou três manuscritos: 1. Descreve os alimentos consumidos pelos lactentes paulistas e alguns indicadores de consumo: diversidade mínima, adequação da dieta, dieta minimamente aceitável, consumo de alimento ricos em ferro, dentre outros. 2. Avalia a influência da amamentação sobre o consumo de bebidas ou alimentos adoçados (refrigerante, suco industrializado, água de coco em caixinha ou alimentos adoçados com açúcar, mel, melado ou adoçante). 3. Avalia a influência dos determinantes individuais e contextual sobre o consumo de alimentos ultraprocessados (refrigerante; suco industrializado, água de coco em caixinha; bolacha, biscoito, salgadinho) e sobre o consumo concomitante de frutas, legumes e verduras (FLV). Os determinantes individuais corresponderam às características dos lactentes e maternas, e o determinante contextual correspondeu ao porte populacional do município. Utilizou-se análise de regressão de Poisson multinível, sendo incluídas no modelo múltiplo as variáveis que apresentaram p<0,20 na análise ajustada pela idade do lactente. Para todos os artigos, adotou-se nível de significância de 5 por cento . Resultados. São descritos de acordo com cada manuscrito produzido: 1. A maioria dos lactentes não apresentou classificação positiva para diversidade mínima (68,2 por cento ), adequação da dieta (72,7 por cento ), dieta minimamente aceitável (71,1 por cento ) ou para alimentos ricos em ferro (60,0 por cento ). 2. Após controle dos fatores de confusão, o consumo de alimentos ou bebidas adoçados foi menos prevalente entre lactentes amamentados (RP=0,87; IC95 por cento =0,830,91). 3. A escolaridade e faixa etária maternas mostraram efeito dose-resposta negativo e positivo, respectivamente, para ultraprocessados e para FLV (p de tendência<0,001 para ambas variáveis em relação aos dois desfechos). O consumo de FLV foi menos prevalente entre lactentes filhos de mulheres multíparas (p<0,001) e entre aqueles acompanhados em locais públicos (p<0,001); porém, estes lactentes apresentaram maiores prevalências de consumo de ultraprocessados (respectivamente: p<0,001 e p=0,001). O porte populacional mostrou relação dose-resposta negativa para ultraprocessados (p=0,081), e positiva para FLV (p<0,001). Conclusões. A alimentação dos lactentes paulistas encontra-se aquém das recomendações preconizadas pelos órgãos governamentais. A proteção da amamentação sobre o consumo de bebidas ou alimentos adoçados evidencia mais um benefício da continuidade dessa prática. Verificou-se que a condição socioeconômica é importante fator associado ao consumo alimentar de lactentes. Os resultados permitem destacar grupos que deveriam ser priorizados nas ações nutricionais educativas sobre alimentação infantil.
Título em inglês
Food consumption of infants from the state of São Paulo, Brazil, in the second semester of life: Survey of Breastfeeding Prevalence in Brazilian Municipalities, 2008
Palavras-chave em inglês
Breast Feeding
Food Consumption
Industrialized Foods
Infant
Infant Nutrition
Public Health
Resumo em inglês
Introduction. Breastfeeding stands out in terms of nutrition and protection against diseases; this practice should be maintained after the first six months of life, while the infant receives complementary foods. Adequate and healthy feeding is essential for thorough infant and child development. Considering that food consumption is influenced by individual, social and environmental factors, knowing them is essential to promote and protect health in early life. General Objective. To analyze the food consumption of infants in the second semester of life. Methods. Study based on information from the Survey of Breastfeeding Prevalence in Brazilian Municipalities of 2008, referring to 75 municipalities in São Paulo. A total of 14326 infants from six to twelve months of age that were born in São Paulo were evaluated. From the questionnaire applied, several information about food consumption of the infants were obtained. The thesis resulted in three manuscripts: 1. It describes the foods consumed by the infants and some consumption indicators: minimum dietary diversity, dietary adequacy, minimum acceptable diet, consumption of iron-rich foods, among others. 2. It evaluates the influence of breastfeeding on the sweetened drinks or foods consumption (soft drinks, industrialized juice, industrialized coconut water or foods sweetened with sugar, honey, molasses or sweetener). 3. It evaluates the influence of individual and contextual determinants on ultraprocessed foods consumption (soft drink, industrialized juice, industrialized coconut water, wafer, biscuits, salty snacks) and on concomitant consumption of fruits and vegetables (FV). The individual determinants corresponded to the characteristics of infants and mothers, and the contextual determinant corresponded to the population size of the municipality. Multilevel Poisson regression analysis was performed, and the variables that presented p<0.20 in the analysis adjusted only for infant age were included in the multiple model. A significance level of 5 per cent was adopted for all manuscripts. Results. They were described according to each manuscript produced: 1. The majority of infants did not show positive classification for minimum dietary diversity (68.2 per cent ), dietary adequacy (72.7 per cent ), minimum acceptable diet (71.1 per cent ) or for iron-rich foods (60.0 per cent ). 2. After controlling for confounding factors, the consumption of sweetened drinks or foods was less prevalent among breastfed infants (RP=0.87; IC95 per cent =0.830.91). 3. Maternal schooling and maternal age range showed negative and positive dose-response effects, respectively, for ultraprocessed foods and for FV (p tend<0.001 for both variables in relation to the both outcomes). The consumption of FV was less prevalent among infants who were born from multiparous women (p<0,001) and among those followed in public establishments (p<0,001); however, these infants showed higher prevalences of ultraprocessed foods consumption (respectively: p<0.001 and p=0.001). The population size showed negative dose-response for ultraprocessed (p=0.081), and positive for FV (p<0.001). Conclusions. The feeding of the infants from São Paulo falls short of the recommendations made by health authorities. Protection of breastfeeding on the sweetened drinks or foods consumption shows an additional benefit of the continuity of this practice. Socioeconomic status is an important factor associated with infant feeding. The results enable to highlight groups that should be prioritized in educational nutritional actions on infant feeding
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-10-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.