• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.6.2015.tde-19102015-100242
Documento
Autor
Nome completo
Máyra Cecilia Dellú
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Aldrighi, José Mendes (Presidente)
Cardoso, Maria Regina Alves
Carramão, Silvia da Silva
Favarato, Maria Elenita Corrêa de Sampaio
Schmitt, Ana Carolina Basso
Título em português
Incontinência urinária no climatério: prevalência, fatores associados e impacto na qualidade de vida
Palavras-chave em português
Climatério
Incontinência Urinária
Prevalência
Qualidade de Vida
Resumo em português
Introdução - A saúde da mulher no climatério tem sido amplamente investigada e discutida, não só pelas repercussões clínicas que afetam a vida das mulheres, mas também pelo significativo impacto para a saúde pública. A literatura brasileira é escassa em inquéritos populacionais sobre a incontinência urinária (IU) no climatério que, apesar de não expor as mulheres a risco, promove significativo impacto sobre a qualidade de vida que pode estender-se para as atividades da vida diária, prática de exercício, função sexual e relações interpessoais. Objetivo - Estimar a prevalência e identificar os possíveis fatores associados à IU e ao impacto da perda urinária em mulheres climatéricas. Método - Por meio de amostragem aleatória estratificada foram selecionadas 1200 mulheres, entre 35 a 72 anos, cadastradas na Estratégia de Saúde da Família do município de Pindamonhangaba - SP, 2014. As variáveis dependentes foram a IU e o impacto da perda urinária - pesquisadas por meio do ICIQ-SF e KHQ - e as independentes - fatores epidemiológicos e clínicos - investigadas por meio de inquérito populacional, medidas antropométricas, coleta de sangue e urina. Resultados - Participaram do estudo 998 mulheres com média de 51,9 anos (DP=8,8 anos). As mulheres com IU tinham em média 52,8 (DP=9,2 anos), estavam na menopausa (62,5 por cento ), eram casadas (87,5 por cento ), católicas (48,9 por cento ) e declararam-se negras ou pardas (47,2 por cento ). A média da idade da menopausa das mulheres com IU foi de 47,3 anos (DP=5,8 anos). A prevalência de IU foi de 20,4 por cento (IC95 por cento : 17,8 por cento - 23,1 por cento ). Os fatores associados à IU foram perda urinária na gestação (p<0,001) e no pós-parto (p<0,001), prolapso genital (p<0,001), estresse (p=0,001), depressão (p=0,002) e obesidade (p=0,006). O impacto da IU foi relatado pela maioria das mulheres, sendo o aspecto social o mais impactado pelos diferentes tipos de incontinência. A frequência das perdas urinárias (p=0,005), o uso de protetor (p=0,011) e o controle da ingesta líquida (p=0,038) foram os maiores incômodos. Conclusão - A prevalência de IU foi semelhante à encontrada em outros estudos. Os fatores associados à gênese da IU foram a perda urinária na gestação e no pós-parto, o prolapso genital e a obesidade e as consequências foram a depressão e o estresse. A qualidade de vida sofreu interferência negativa para os aspectos sociais e medidas de gravidade nas mulheres com IU. Ao impacto da IU associaram-se a frequência das perdas urinárias, o uso de protetor e o controle da ingesta de líquido.
Título em inglês
Urinary incontinence in climacteric: prevalence, associated factors andthe impact on quality of life.
Palavras-chave em inglês
Climacteric
Prevalence
Quality of Life
Urinary Incontinence
Resumo em inglês
Introduction - Womens health during climacteric has been widely investigated and discussed not only due tothe clinical repercussions affecting women's lives, but also due to the significant impact on public health. The Brazilian literature is sparse in population surveys of urinary incontinence (UI) in climateric. While not exposing women to risks, significant impact on quality of life can extend to the activities of daily living, exercise practice, sexual function and interpersonal relationships. Objective -To estimate the prevalence and identify associated factors with UI and with the impact of urinary loss in climacteric women. Method - In stratified random sample 1200 women between 35 to 72 years of age were selected. They were enrolled in the Family Health Strategy of the municipality of Pindamonhangaba - SP, 2014. The dependent variables were the UI and the impact of urinary loss - researched through the ICIQ -SF and KHQ.The independent ones were epidemiological and clinical factors, investigated through population survey, anthropometric measurements, blood and urine sampling. Results - The study included 998 women with a mean of 51.9 years (SD=8.8 years). Women with UI averaged 52.8 years (SD=9.2 years), were in menopause (62.5 per cent ), married (87,5 per cent ) and Catholic (48,9 per cent ), 47.2 per cent declared themselves black or brown. The average age of menopauseof women with UI was 47.3 years (SD=5.8 years). The prevalence of UI was 20.4 per cent (CI95 per cent : 17,8 per cent - 23,1 per cent ). The factors associated with UI were urinary loss during pregnancy (p<0.001) and after delivery (p<0.001), genital prolapse (p<0.001), stress (p=0.001), depression (p=0.002), and obesity (p=0.006). The impact of incontinence was reported by the majority of women, with the social aspect being the most affected by the different types of incontinence. The greatest inconveniences were the rate of loss (p=0.005), pad use (p=0.011) and control of fluid intake (p=0.038). Conclusion - The prevalence of UI was similarin other studies.The associated factors with the genesis of UI were urinary loss during pregnancyand after delivery, genital prolapse and obesity and the consequences were depression and stress. Quality of life suffered negative interference with social impact and severity measures in women with UI. The impact of IU was associated with frequency of urinary incontinence, pad useand control fluid intake.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-10-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.