• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Jefferson Peixoto da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Fischer, Frida Marina (Presidente)
Vasconcellos, Maria da Penha Costa
Macaia, Amanda Aparecida Silva
Neves, Mary Yale Rodrigues
Paparelli, Renata
Título em português
Quando o trabalho invade a vida: um estudo sobre a relação trabalho, vida pessoal cotidiana e saúde de professores do ensino regular e integral de São Paulo
Palavras-chave em português
Ensino Integral
Saúde do Trabalhador
Sofrimento Social
Trabalho e Saúde dos Professores
Vida Cotidiana
Resumo em português
Introdução: A revolução tecnológica e as mudanças no mundo do trabalho têm levado cada vez mais trabalhadores a realizarem parte das suas atividades em contextos que vão além dos seus domínios laborais tradicionais, chamando a atenção para os possíveis efeitos desta dinâmica sobre a saúde. Diversos estudos apontam para um cenário de precarização e recorrentes casos de adoecimento entre os professores, mas o modo como o trabalho repercute sobre sua vida pessoal cotidiana não tem recebido significativa atenção enquanto fator potencialmente patogênico, mesmo considerando que levar trabalho para casa seja algo comum entre eles e que isso se reflita de alguma forma na complexa relação entre trabalho e vida pessoal cotidiana. Objetivo: Investigar a repercussão do trabalho dos professores sobre sua vida pessoal cotidiana e a implicação dessa dinâmica sobre seu processo saúde-doença. Métodos: Pesquisa qualitativa de caráter exploratório que partiu de revisão sistemática de literatura e se realizou predominantemente por meio de entrevistas individuais semiestruturadas. De modo complementar, aplicou-se formulário para caracterização sociodemográfica dos participantes, além do protocolo de atividades diárias e escalas analógicas. O público entrevistado consistiu em 29 professores de educação básica atuantes em quatro escolas públicas, além dos quatro diretores dessas referidas escolas. Duas delas se dedicavam ao ensino regular (uma municipal e outra estadual), enquanto as outras duas, ao ensino integral (ambas estaduais). Os dados foram analisados por meio de codificação temática com auxílio do software MAXQDA, versão 12. Referencial teórico: Na perspectiva da Saúde do Trabalhador, a pesquisa ancorou-se principalmente na psicodinâmica do trabalho, recorrendo também a pressupostos da clínica da atividade, da ergonomia da atividade e da antropologia da saúde. Resultados: A idade dos participantes variou entre 29 e 61 anos e o tempo de experiência na docência entre 1 a 37 anos, sendo o público predominantemente do sexo feminino. A revisão de literatura revelou um conjunto de 155 estudos sobre trabalho e saúde dos professores publicados nos últimos 20 anos, com aumento dessas obras nos últimos 10 anos, e configuração do seguinte perfil: 1) Transtornos e problemas de saúde típicos; 2) Condições de trabalho e saúde; 3) Qualidade de vida; 4) Trabalho, carreira e fundamentos da ação docente. A codificação das entrevistas, por sua vez, conduziu-nos a cinco categorias temáticas: 1) Tipologias da vida cotidiana; 2) Prazer e sofrimento no trabalho; 3) Estratégias de conciliação entre vida, trabalho e saúde; 4) Percepção, concepção e experiências de saúde e doença relatadas; 5) Invasão multiforme da vida pelo trabalho. Naquilo que lhes coube, os protocolos de atividades diárias e escalas analógicas refletiram o conteúdo que emergiu das entrevistas. Os depoimentos revelaram diversas fontes de sofrimento na vida e no trabalho dos professores, além de numerosos casos/experiências de presenteísmo, bem como o emprego de estratégias visando a conciliar tais dimensões com a manutenção da saúde. Como resultado principal, a maioria dos entrevistados demonstrou que sente sua vida ser invadida pelo trabalho de modo nocivo e que essa invasão não acontece de forma única e linear. Basicamente, ela se manifesta por meio de um estado de vinculação contínua com o trabalho (ou com algum abalo sofrido durante sua realização) - do qual o indivíduo não consegue se desligar, por mais que ele tente. Isso gera um estado de sofrimento e indisponibilidade prolongada para si e para o outro que prejudica a convivência familiar e social, além da própria recuperação para o trabalho. Conclusão: As agressões à saúde vivenciadas pelos professores no trabalho têm se projetado sobre a sua própria vida pessoal e se combinado a fatores de agressão advindos do contexto social. Neste, o desprestígio dos professores é crescente e retorna à escola na forma de perda de autoridade e até rejeição, produzindo frustrações repetitivas que contribuem para instituir um cenário de sofrimento social que se associa à invasão da vida pelo trabalho. Dado o sofrimento de amplitude social e de tipo patogênico que essa invasão multiforme produz, tal fenômeno pode ser considerado como mais um dos elementos que podem ajudar a explicar os recorrentes quadros de adoecimento desses profissionais.
Título em inglês
When work invades life: a study of the relationship between work, everyday life and health of teachers of the regular and integral education in São Paulo
Palavras-chave em inglês
Everyday Life
Integral Education
Social Suffering
Teachers Work and Health
Worker's Health
Resumo em inglês
Introduction: The technological revolution and changes in the world of work have led an ever increasing number of workers to carry out part of their activities in contexts that go beyond their traditional work domains, thus drawing attention to the possible effects of this dynamic on health. Several studies have indicated a context of precariousness and recurrent illness among teachers, but the way in which work affects their everyday lives has not received significant attention as a potentially pathogenic factor, even though taking work home is something common among them and it is known that this reflects in some way on the complex relationship between their work and everyday life. Objectives: To investigate the repercussion of teachers' work on their everyday lives and the implication of this dynamic on their health-disease process. Methods: Qualitative research of an exploratory nature based initially on a systematic literature review and undertaken principally by means of individual semi-structured interviews. Complementarily, a formula was applied for the socio-demographic characterization of the participants, as well as a protocol of their daily activities and analogical scales. The public interviewed consisted of 29 basic education teachers, active in four separate public schools, as well as the four principals of those same schools. Two of these schools (one municipal and one state) followed the regular course and the other two (both state schools) adopted the integral system. The data were analyzed by means of thematic codification with the support of MAXQDA software, version 12. Theoretical framework: In terms of the Worker's Health perspective, this study was mainly based on the psychodynamics of work, but also used the assumptions of the activity clinic, ergonomics of activity and health anthropology. Results: The participants' ages ranged from 29 to 61 years and their experience in teaching from 1 to 37 years, the public being predominantly female. The literature review revealed a set of 155 studies on the work and health of teachers published over the last 20 years, an increase in these studies having occurred over the last 10 years and configuration of the following profile: 1) Typical disorders and health problems; 2) Working conditions and health; 3) Quality of Life; 4) Work, career and fundamentals of teaching activity. The codification of the interviews, in turn, led us to five thematic categories: 1) Typologies of everyday life; 2) Pleasure and suffering at work; 3) Strategies for the reconciliation of life, work and health; 4) Perception, conception and experiences of health and illness reported; 5) Multiform invasion of life by work. As far as they were concerned, the daily activity protocols and analogue scales reflected the same content as emerged from the interviews. The narratives revealed several sources of suffering in the life and work of teachers, as well as numerous cases/experiences of presenteeism, as well as the use of strategies to reconcile such dimensions with the maintenance of health. As a main result, the vast majority of respondents demonstrated that they felt that their lives were being harmfully invaded by their work and that this invasion did not occur in a single, linear way. Basically, it manifested itself through a state of continuous attachment to the work (or with some suffering felt during its realization), from which the individuals could not detach themselves, no matter how much they tried. This generated a state of suffering and prolonged lack of availability for oneself and for the other, that damaged one's family and social coexistence, as well as one's own recovery for the work. Conclusion: The attacks on their health experienced by teachers at work are reflected in their personal lives and combine with aggressive factors arising within the social context. Within this latter context, the teacher's discredit grows and this reflects in school life as a loss of authority and even rejection, producing repeated frustrations that contribute to the installation of a scenario of social suffering associated with the invasion of daily life by work. Given the suffering of such social amplitude and pathogenic type that this multiform invasion produces, this phenomenon may be considered one of the elements that helps to explain the picture of recurrent illness which these professionals present.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-08-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.