• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.59.2000.tde-31102001-081744
Documento
Autor
Nome completo
Carla Guanaes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2000
Orientador
Banca examinadora
Japur, Marisa (Presidente)
Cury, Vera Engler
Loureiro, Sonia Regina
Título em português
Grupo de apoio com pacientes psiquiátricos ambulatoriais: exploração de alguns limites e possibilidades.
Palavras-chave em português
grupos de apoio
pacientes ambulatoriais
Resumo em português
O emprego da psicoterapia de grupo no atendimento em saúde mental, sobretudo em contextos institucionais, tem se expandido em ritmo acelerado em nossa realidade, não havendo uma expansão correlata de pesquisas na área, conforme aponta a literatura especializada. Esse estudo visa contribuir com o conhecimento sobre essa prática, estudando um grupo de apoio com pacientes psiquiátricos ambulatoriais (16 sessões), em condições naturais, em um serviço de saúde mental de Ribeirão Preto. Objetivou-se compreender as possibilidades e limites dessa intervenção descrevendo o desenvolvimento do grupo através das formas de manejo do coordenador e investigando os fatores terapêuticos presentes no grupo segundo a perspectiva de seus participantes. O grupo foi composto por dez pacientes de ambos os sexos, de 29 a 65 anos, predominantemente casados e com escolaridade de 1o grau incompleto. Com diagnósticos psiquiátricos diversos, tinham indicação prevalente de uso de medicação ansiolítica e/ou antidepressiva. Observação e registro audio-gravado do grupo e Questionário do Incidente Crítico (QIC) constituíram as principais fontes de dados. Consultas aos prontuários dos pacientes e notas de campo também foram realizadas durante o período de coleta de dados. Os dados foram analisados por procedimentos qualitativos e quantitativos. Efetuou-se, com base na transcrição e nos registros de observação das sessões, a descrição da temática e da dinâmica das mesmas. A análise do manejo do grupo foi realizada por procedimentos de análise categorial de conteúdo das intervenções do coordenador (N=1904). A análise das respostas dos pacientes ao QIC (N=112), foi realizada por procedimentos de análise categorial de conteúdo, tendo como base um sistema descritivo dos fatores terapêuticos proposto na literatura. Os dados dos prontuários e as anotações de diário de campo foram utilizados na contextualização dos dados derivados da análise das outras fontes. Os resultados da análise do manejo do grupo nos remetem a oito categorias de intervenção: reiteração (48%); investigação (16%); elucidação (13%); confrontação (11%); enquadre (7%); avaliação (2%); orientação (1%) e fala interrompida (2%). O sistema a priori de categorias de análise do QIC não se mostrou suficiente para a classificação de todas as respostas, levando à criação de novas categorias. Nossos resultados apontam para a presença de dez categorias derivadas da percepção dos pacientes sobre o grupo: universalidade (23%); aprendizagem vicária (22%); distanciamento (13%); desesperança (9%); instilação de esperança (7%); altruísmo (6%); aceitação (5%); auto revelação (4%); orientação (4%) e catarse (3%). Apenas 5% das respostas ao QIC foram não classificáveis. Estes resultados remetem à presença de fatores terapêuticos e não terapêuticos no grupo, tal como vivenciado pelos pacientes. Assim, este estudo possibilita uma compreensão sobre o modo como os pacientes vivenciaram o processo deste grupo – tendo em vista os sentidos que produziram a partir de sua participação neste – e, em conjunção com seus quadros clínicos e com o entendimento sobre o funcionamento do grupo através da descrição de seu manejo, situa algumas possibilidades e limites deste tipo de tratamento, considerando o contexto em que ocorre e a clientela que usualmente o integra. (FAPESP)
Título em inglês
Investigating possibilities and limits in a support group with psychiatric outpatients.
Palavras-chave em inglês
psychiatric outpatient
support groups
Resumo em inglês
The use of group psychotherapy in mental health attendance, specially in institutional contexts, it has been expanding in a accelerated rhythm in our reality, with no correlate expansion of researches in this area, according to the specialized literature. This study aims to contribute with the knowledge about this practice, by studying in natural conditions, a support group with psychiatric outpatients (16 sessions) in a mental health center of Ribeirão Preto. It was objectified to understand the limits and the possibilites of this type of treatment, by describing group’s development through the cordinator’s handling and investigating the therapeutic factors existing on this group according to the participants’perspective. The group was composed by ten patients of both sexes, aging 29 to 65 years old, mainly married and having not complete junior hight school. With several psychiatric diagnoses, they pointed out the principal use of anxiolytics and antidepressant medication. Observation and audio-recorded tapes of the group, and the Critical Incident Questionaire (CIQ) constituted the main sources of data. Consultations to the patients'' files and field notes were also accomplished during the period of data collection. The data were analyzed by qualitative and quantitative procedures. Based on sessions’ transcription it was made the thematic and dynamic description of all the group’meetings. The analysis of the group’s handling was accomplished by procedures of categorial content analysis of the coordinator''s interventions (N=1904). The analysis of the patients’answers to the CIQ (N=112) was also accomplished by procedures of categorial content analysis, based on a descriptive system of the therapeutic factors proposed in the literature. The data origineted from the files and the fields notes were used on the comprehension of the data derived from the analysis of the other sources. The analysis of the cordinator’s handling of the group resulted in eight categories of intervention: reiteration (48%); investigation (16%); elucidation (13%); confrontation (11%); setting rules (7%); evaluation (2%); guideness (1%) and interrupted speach (2%). The descriptive system of the therapeutic factores used on the initial analysis of QIC was not sufficient for classification all the answers, driving us to new categories. Our results point for the presence of ten categories derived from the patients'' perception of the group: universality (23%); vicarious learning (22%); distant (13%); hopeless (9%); instilation of hope (7%); altruism (6%); acceptance (5%); self disclosure (4%); guideness (4%) and catharsis (3%). Just 5% of CIQ‘s answers were not classify. These results show us the presence of therapeutic and non therapeutic factors in the group, according to the patients’perspective. Thus, this study contribute to an understanding about the way patients lived the process of this group according to the meanings produced by them after the group’sessions and, in conjunction with their clinical condition and with the understanding of the group development through the description of the cordinator’handling, it shows some possibilities and some limits of this type of treatment, considering the context where it happens and the patients that usually compose those types of groups. (FAPESP)
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
carla_guanaes.pdf (989.26 Kbytes)
Data de Publicação
2001-11-08
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.