• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.59.2014.tde-05062014-191545
Documento
Autor
Nome completo
Ivy Gonçalves de Almeida
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2014
Orientador
Banca examinadora
Ferreira, Maria Clotilde Therezinha Rossetti (Presidente)
Rizzini, Irene
Caldana, Regina Helena Lima
Guará, Isa Maria Ferreira da Rosa
Marin, Isabel da Silva Kahn
Título em português
Processo de recepção e acolhida da criança em instituições de acolhimento: proteção e/ou (re)vitimização?
Palavras-chave em português
abrigo institucional
Acolhimento institucional
criança
proteção e/ou (re)vitimização
recepção/acolhida
Resumo em português
Quando acolhida institucionalmente, a criança é abruptamente separada de pessoas de referência e colocada em um ambiente estranho, com pessoas desconhecidas. A vivência inicial da criança na instituição, como é recebida/acolhida, influenciará a maneira como enfrentará essa situação, a construção de novas relações afetivas e a manutenção dos vínculos afetivos anteriormente estabelecidos. Na creche/educação infantil, o processo de recepção/acolhimento tem importância reconhecida. O mesmo não acontece no acolhimento institucional. Com base teórico-metodológica na Rede de Significações, objetivou-se investigar o processo de recepção e acolhimento de crianças com idades até 6 anos, desenvolvido por instituições de acolhimento, a partir da perspectiva de profissionais envolvidos no processo. Participaram quatro instituições de cidade de grande porte do interior do estado de São Paulo. Foram entrevistadas 26 pessoas: três coordenadoras; quatro psicólogas; quatro assistentes sociais; três pedagogos; sete educadoras; um apoiador técnico; quatro conselheiros tutelares. As entrevistas contaram com questões disparadoras, no contexto de uma conversa e os dados foram analisados qualitativamente. Os resultados indicam que investimentos vêm sendo feitos na formação dos profissionais. E que a maioria dos que participaram da pesquisa está envolvida com a causa da criança e/ou com as crianças em si. Foram relatadas algumas práticas e sugestões de melhoria para o processo de acolhimento inicial, que se mostraram sensíveis às necessidades e capacidades da criança. Porém, ainda é insuficiente para garantir um processo de acolhimento inicial respeitoso e acolhedor para com a criança e sua família. Concepções antigas impregnam as práticas e o imaginário das pessoas. Apesar dos avanços, guardadas as diferenças pessoais/institucionais, decisões são tomadas sem que a criança e família participem efetivamente e sem que sejam preparadas para lidar com as mudanças decorrentes. A criança é, simplesmente, pega e levada à instituição. Sob essas condições, é separada e/ou desapropriada de tudo o que lhe é significativo (pessoas e objetos significativos), frequentemente, sem que nada lhe seja dito sobre o que está acontecendo e o que acontecerá. Recepção e acolhimento da criança resumem-se a higienizá-la, alimentá-la e distraí-la, por vezes, a partir de procedimentos altamente invasivos (nudez, fotografia, banho, corte de cabelo e unhas, por exemplo). E a instituição de acolhimento ainda encontra dificuldades para assumir sua corresponsabilidade no trabalho de manutenção dos vínculos familiares e comunitários (demora para dar início às visitas, que são semanais, com uma hora de duração, em dia e horário comerciais e regras rígidas a serem seguidas). Percebe-se que reflexões que promovam a (re)significação da identidade da instituição de acolhimento e a desconstrução das concepções e preconceitos que perpassam a relação entre profissionais e famílias, bem como entre adultos e crianças precisam receber atenção especial e contínua nos espaços já existentes de formação, e em novos espaços que devem ser criados. Apenas assim será possível qualificar o processo de acolhimento inicial da criança. Espera-se que esta pesquisa fomente e subsidie discussões e construções coletivas que contribuam para qualificar os procedimentos atualmente utilizados, perante a urgente necessidade de serem desenvolvidas práticas que respeitem e protejam a criança e não a (re)vitimizem.
Título em inglês
Process of entry and reception of young children in foster care institutions: protection and/or (re)victimization?
Palavras-chave em inglês
Child
Entry/Reception
Institutional foster care
Protection and/or (Re)victimization
Resumo em inglês
When the child enters in a foster care institution, he/she is abruptly separated from family members and placed in a strange place, with strange people. Their initial experience in the institution, how they are received/welcome, will have an effect on the way they face the situation, construct new affectionate relationships and maintain the affective bonds already established. In early child education, the importance of the reception/welcome process is recognized. That does not occur in institutional foster care. Having the Network of Meanings perspective as a basis, this study investigated the process of entry and reception of zero to six years old children, in four foster care institutions of a large inland town of the State of São Paulo, Brazil. The process was observed from the perspective of 26 professionals involved: three heads of the institutions, four psychologists, four social workers, three pedagogues, seven educators, one technical support, four tutelar counselors. Interviews included instigative questions in a conversation context. Data was qualitatively analyzed. Results indicate that some investments are being made in professional training. Most professionals who were interviewed are involved in the cause of children and/or in the children per se. Some practices and suggestions of improvements were made for the reception, which indicate sensitivity to the childrens needs and abilities. But, it is still insufficient to guarantee a respectful and welcoming reception process to child and family. Old conceptions impregnate peoples practices and imaginary. Despite some progress observed, decisions are taken with no participation of the child and family, and with no preparation to face the resulting changes. The child is simply caught and taken to the institution. In those conditions, he/she is received in the institution separated or destitute of all that is meaningful (people and objects), frequently with no information about what is occurring or will occur in the future. The reception of the child is reduced to measures of hygiene, feeding and distraction, often through highly invasive procedures (nakedness, photos, bath, hair and nail cut, for example). The foster care institution has difficulties in assuming its co-responsibility in the maintenance of family and community bonds (delays in the visits, just once per week, at working hours, last one hour, with rigid rules to be followed). The spaces for training (and new spaces to be created) should offer opportunities to reflect on this situation, to deconstruct conceptions and prejudices that prevail between professionals and families, as well as between adults and children, helping to build up a new meaning and identity for the foster institution. Only in such way it will be possible to qualify the reception for the children. We do hope this research stimulate and contribute for discussions and collective constructions that improve the quality of those processes. There is an urgent need to develop practices that respect and protect the child and do no (re)victimize her/him.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-09-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.