• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2019.tde-28022019-085029
Documento
Autor
Nome completo
Márlon Juliano Romero Aliberti
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Jacob Filho, Wilson (Presidente)
Ferretti-Rebustini, Renata Eloah de Lucena
Cabrera, Marcos Aparecido Sarria
Cendoroglo, Maysa Seabra
Título em português
Avaliação geriátrica compacta de 10 minutos: desenvolvimento e validação de um instrumento de rastreio multidimensional breve para idosos
Palavras-chave em português
Análise de sobrevida
Avaliação geriátrica
Consenso
Estudos de validação
Fragilidade
Hospital dia
Hospitalização
Mortalidade
Prognóstico
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A avaliação geriátrica ampla promove uma triagem programada das síndromes e alterações mais comuns nos idosos. Este instrumento multidimensional apresenta excelente desempenho na identificação precoce de pacientes em risco para desfechos adversos. No entanto, tempo e recursos limitados impedem o seu uso em serviços de saúde concorridos, em especial aqueles que oferecem cuidados agudos. OBJETIVOS: Desenvolver e investigar as propriedades psicométricas de uma avaliação geriátrica compacta de 10 minutos (AGC-10) para idosos em serviços de saúde ocupados. MÉTODOS: Na primeira etapa, um consenso de especialistas (técnica Delphi) composto por 62 geriatras de todas as regiões do Brasil desenvolveu o instrumento. Na segunda etapa, as propriedades psicométricas da AGC-10 foram investigadas em uma coorte prospectiva envolvendo 534 idosos com doenças agudas ou crônicas descompensadas (média de 79,5 ± 8,4 anos de idade; 63% mulheres) consecutivamente admitidos em um hospital dia de um centro médico acadêmico, em São Paulo, Brasil. A AGC-10 foi administrada na admissão. O Frailty Index e o fenótipo de fragilidade foram usados para explorar a validade da AGC-10. Houve seguimento de um ano por contato telefônico mensal para aferição dos desfechos perda funcional para atividades básicas de vida diária (ABVD), hospitalização e morte. Modelos de riscos proporcionais, que consideraram morte como um evento competitivo, associaram a AGC-10 com os desfechos adversos após ajuste para fatores sociodemográficos (idade, sexo, raça e renda) e índice de comorbidades de Charlson. A confiabilidade interexaminadores e o tempo para administrar o instrumento foram examinados em uma subamostra representativa de 53 participantes. RESULTADOS: Em três rodadas de opinião, os especialistas de 32 instituições diferentes estabeleceram consenso de que a AGC-10 deveria incluir 10 domínios (suporte social, hospitalizações recentes, quedas, número de medicamentos, ABVD, cognição, autoavaliação da saúde, sintomas depressivos, estado nutricional e velocidade de marcha). Houve acordo sobre os instrumentos específicos para avaliar cada domínio. Um índice total de 0 a 1 expressou a média dos déficits encontrados nos 10 domínios e classificou os pacientes em três níveis: baixo (0-0,29), médio (0,3-0,39) e alto (0,4-1) risco. O índice AGC-10 correlacionou-se fortemente com o Frailty Index (coeficiente de Spearman=0,79; IC95%=0,76-0,82) e apresentou acurácia excelente para identificar indivíduos frágeis (área sob a curva ROC=0,84 IC95%=0,81-0,87). Em comparação aos de baixo risco, pacientes classificados como médio e alto risco na AGC-10 tiveram maior incidência de perda funcional (33% vs. 13%, sub-HR=2,3 IC95%=1,3-4,0; 51% vs. 13%, sub-HR=4,1 IC95%=2,4-6,9, respectivamente), hospitalização (44% vs. 22%, sub-HR=2,4 IC95%=1,5-3,9; 51% vs. 22%, sub-HR=3,2 IC95%=2,0-4,9, respectivamente) e morte (18% vs. 5%, HR=2,9 IC95%=1,2-7,3; 24% vs. 5%, HR=3,9 IC95%=1,7-9,3, respectivamente) em um ano. O índice AGC-10 mostrou excelente confiabilidade interexaminadores (coeficiente de correlação intraclasse=0,92 IC95%=0,87-0,95). O tempo médio de administração do novo instrumento foi de 9,5 ± 2,2 minutos. CONCLUSÕES: O estudo apresenta evidências robustas que sustentam a validade e confiabilidade da AGC-10. Este instrumento de rastreio multidimensional breve pode ser uma opção prática e eficiente para identificar condições geriátricas, prever desfechos adversos e guiar os cuidados dos idosos em serviços de saúde em que os profissionais tenham limitação de tempo e recursos
Título em inglês
Development and validity of a brief multidomain screening tool for older adults: the 10-minute targeted geriatric assessment
Palavras-chave em inglês
Consensus
Day care medical
Frailty
Geriatric assessment
Hospitalization
Mortality
Prognosis
Survival analysis
Validation studies
Resumo em inglês
BACKGROUND: Comprehensive geriatric assessment promotes a systematic screening of the geriatric syndromes and other health problems that commonly affect older adults. This multidimensional instrument has excellent performance to identify high-risk older patients for adverse outcomes. However, limited time and resources hinder its use in busy healthcare settings. OBJECTIVES: To develop and investigate the psychometric properties of a 10-minute targeted geriatric assessment (10-TaGA) designed for older adults in fast-paced healthcare settings. METHODS: A consensus of experts (Delphi technique) comprising 62 geriatrics from all regions of Brazil developed the instrument. We investigated the psychometric properties of 10-TaGA in a prospective cohort study involving 534 acutely ill older outpatients (mean age 79,5 ± 8,4 years; 63% female) consecutively admitted to a day hospital at an academic medical center, in Sao Paulo, Brazil. The 10-TaGA was administered on admission. The Frailty index and Physical Frailty Phenotype were used to explore 10-TaGA's validity. We conducted 1-year follow-up by monthly phone contacts to assess the outcomes, which included new dependence in basic activities of daily living (ADL), hospitalization, and death. Hazard models, considering death as a competing event, were used to associate 10-TaGA with the adverse outcomes after adjusting for sociodemographic factors (age, sex, race, and income) and Charlson comorbidity index. The interrater reliability and time to complete the instrument were evaluated in a 53-person representative subsample. RESULTS: In three rounds of opinion, experts from 32 institutions achieved consensus that the 10-TaGA should include 10 domains (social support, recent hospitalizations, falls, number of medications, ADL, cognition, self-rated health, depressive symptoms, nutritional status, and gait speed). They arrived at sufficient agreement on specific tools to evaluate each domain. A single numerical score from 0 to 1 expressed the cumulative deficits across the 10 domains and classified participants into three levels: low (0-0.29), medium (0.3-0.39), and high (0.4-1) risk. The 10-TaGA score was highly correlated with the Frailty Index (Spearman coefficient=0.79, 95CI%=0.76-0.82) and had an excellent accuracy to identify frail older adults (area under the ROC curve=0.84, 95%CI=0.81-0.87). Compared to low-risk patients, those classified as medium-risk and high-risk according to 10-TaGA presented a higher incidence of new ADL dependence (33% vs. 13%, sub- HR=2.3, 95%CI=1.3-4.0; 51% vs. 13%, sub-HR=4.1, 95%CI=2.4-6.9, respectively), hospitalization (44% vs. 22%, sub-HR=2.4, 95%CI=1.5-3.9; 51% vs. 22%, sub-HR=3.2, 95%CI=2.0-4.9, respectively) e death (18% vs. 5%, HR=2.9, 95%CI=1.2-7.3; 24% vs. 5%, HR=3.9, 95%CI=1.7-9.3, respectively) during the 1-year follow-up period. The 10-TaGA score had excellent interrater reliability (intraclass correlation coefficient=0.92, 95%CI=0.87-0.95). Mean time to administer the instrument was 9.5 ± 2.2 minutes. CONCLUSIONS: The study presents robust evidence supporting 10-TaGA's validity and reliability. This brief multidomain screener tool may be a practical and efficient approach to identify geriatric syndromes, predict adverse outcomes, and guide the care of older adults in healthcare settings where providers have limited time and resources
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-03-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.