• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2015.tde-27102015-120903
Documento
Autor
Nome completo
Renato Micelli Lupinacci
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Herman, Paulo (Presidente)
Coelho, Fabricio Ferreira
Andraus, Wellington
Mello, Evandro Sobroza de
Título em português
Metástases hepáticas de câncer colorretal: estudo do impacto prognóstico das vias de disseminação tumoral e da presença de mucina em pacientes submetidos à ressecção hepática com intenção curativa
Palavras-chave em português
Adenocarcinoma mucinoso
Metástase linfática
Metástase neoplásica
Neoplasias colorretais
Prognóstico
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A ressecção de metástases hepáticas (MH) do câncer colorretal (CCR) é considerada segura e potencialmente curativa. Apesar dos avanços no diagnóstico e nas estratégias cirúrgicas até 70% dos pacientes operados vão apresentar recidiva. Os critérios prognósticos clínico-patológicos disponíveis são insuficientes e a utilidade de modelos prognósticos é considerada inconsistente. Deste modo, torna-se necessário o desenvolvimento de novos critérios que se apoiam em outras variáveis biológicas. A disseminação intra-hepática de metástases de câncer colorretal pode ocorrer através de diferentes vias: linfática, sanguínea (vasos portais), através dos sinusóides ou de ductos biliares. Embora estas vias tenham sido bem descritas, o valor prognóstico de cada uma após a ressecção hepática não está completamente definido. O adenocarcinoma colorretal mucinoso (ACM) é um subtipo de carcinoma colorretal com importante produção mucina, e que está associado clinicamente a tumores proximais, estágio avançado no momento do diagnóstico, instabilidade de microssatélites e mutação do gene BRAF. Há controvérsias sobre o impacto prognóstico da histologia mucinosa nos tumores colorretais primitivos e o seu papel nas lesões metastáticas hepáticas permanece desconhecido. O objetivo do nosso estudo foi determinar a frequência e elucidar o impacto prognóstico de quatro vias diferentes de disseminação intra-hepática assim como da histologia mucinosa em uma série consecutiva de pacientes operados por MH de CCR. PACIENTES E MÉTODOS: Os prontuários de 132 pacientes submetidos à ressecção cirúrgica de MH de CCR entre dezembro de 1999 e janeiro de 2010 foram revisados. Os pacientes que faleceram por complicações pós-operatórias (n= 3), aqueles com ressecções incompletas (R2; n= 2), ou nos quais não havia material disponível para o estudo (n= 14) foram excluídos. Os 113 pacientes restantes tiveram suas variáveis clínico-patológicas e resultados (recidiva e sobrevida) avaliados. Os espécimes cirúrgicos foram submetidos à avaliação histológica de rotina e agrupados de acordo com o conteúdo mucinoso da maior lesão hepática da seguinte forma: ACM >50 %; adenocarcinoma mucinoso intermediário (AIM) com componente mucinoso < 50 %; não-MAC (NMA) se ausência de componente mucinoso. A disseminação intra-hepática foi analisada por hematoxilina e eosina e imuno-histoquímica através dos anticorpos anti-D2-40 (vasos linfáticos), anti-CD34 (vasos sanguíneos), anti-CK-7 (epitélio biliar) e anti-CK-20 (epitélio colorretal). RESULTADOS: O tempo médio de seguimento após a ressecção foi de 37 meses. Recidivas foram observadas em 76 pacientes, com um intervalo médio de 13 meses após a ressecção. As porcentagens de sobrevida global e de sobrevida livre de doença (SLD) após a hepatectomia em 3 e 5 anos foram de 62 e 56 %, e 26% e 24%, respectivamente. A disseminação intra-hepática foi classificada em quatro categorias distintas avaliadas separadamente: invasão da veia porta, invasão dos sinusóides, através dos ductos biliares, e através dos vasos linfáticos/espaço perineural. Encontrou-se invasão microscópica intravenosa portal em 49 pacientes, sinusoidal em 43, biliar em 20 e linfática em 33 pacientes. A disseminação intra-hepática através dos vasos linfáticos foi a única via de disseminação independentemente associada ao risco de recidiva hepática (OR= 2,75) e de menor SLD (p= 0,006). Os focos tumorais de invasão angiolinfática intra-hepática foram detectados em um raio de 2mm de distância da lesão principal. As lesões com componente mucinoso (MAC e AIM) estiveram relacionadas à localização proximal do tumor primário e ao sexo feminino. A análise multivariada revelou que as lesões de tipo ACM apresentavam prognóstico desfavorável (RR= 3,13; IC95% 1,30 - 6,68; p= 0,011) quando comparadas às lesões de componente mucinoso < 50% (NMA e AIM). CONCLUSÃO: A presença de invasão angiolinfática intra-hepática é um importante fator prognóstico após a ressecção de MH de CCR. As outras vias de disseminação intra-hepática, embora observadas com freqüência, não estão relacionadas à recidiva da doença ou sobrevida, sugerindo que o sistema linfático possa ser a principal via de disseminação de MH de CCR. Além disso, o uso da imuno-histoquímica na detecção da invasão angiolinfática intra-hepática parece trazer benefícios na prática clínica. As MH de CCR com componente mucinoso > 50% (ACM) estão associadas a um pior prognóstico quando comparadas às lesões sem componente mucinoso (NMA). A presença de mucina pode, em um futuro próximo, influenciar a estratégia terapêutica e deve se tornar um ponto importante para discussão e investigação futuras
Título em inglês
Colorectal cancer liver metastasis: clinical impact of the mechanisms of intrahepatic tumor dissemination and the presence of mucin in surgically resected patients
Palavras-chave em inglês
Adenocarcinoma mucinous
Colorectal neoplasms
Lymphatic metastasis
Neoplasm metastasis
Prognosis
Resumo em inglês
BACKGROUND: Resection of colorectal cancer liver metastases (CRCLM) is generally accepted as a safe and potentially curative treatment. Despite advances in diagnosis and surgical strategies, up to 70% of patients will present recurrence of the disease after resection of CRCLM. Clinicopathological prognostic factors are inadequate to determine disease prognosis and the utility of prognostic models on general population is considered highly inconsistent. Herein, future attempts to develop prognostic scores may include additional biologic variables. Intrahepatic spread from CRLM may take place through four different routes: lymphatic vessels, portal vessels, sinusoids and biliary ducts. Although these routes have been well described, their prognostic value after hepatectomy is not completely understood. Colorectal mucinous adenocarcinoma (MAC) is a subtype of colorectal adenocarcinoma with prominent mucin production associated with tumor proximal location, advanced stage at diagnosis, microsatellite instability, and BRAF mutation. There are controversies about the prognostic impact of mucinous histology on colorectal cancer and the prognostic implication of MAC in CRCLM is unknown. The purpose of our study was to determine the frequency and elucidate the prognostic implication of four different routes for intrahepatic dissemination and the mucinous histology in a consecutive series of resected CRCLM. METHODS: Medical records of 132 patients who underwent a first resection of CRCLM between December 1999 and January 2010 were reviewed. Patients who died from postoperative complications (n=3), those with incomplete resections (R2; n=2), or no available tissue for the study (n=14) were excluded. The remaining 113 patients had their clinicopathologic variables and outcome parameters evaluated. Resected specimens were submitted to routine histological evaluation and were grouped according to metastasis mucinous content: > 50%, MAC; < 50%, adenocarcinoma with intermediated mucinous component (AIM); and without any mucinous component, non-MAC (NMA). Intrahepatic dissemination was analyzed by H&E and immunohistochemical staining with D2-40 (lymphatic vessels), CD34 (blood vessels), CK-7 (biliary epithelium), and CK-20 (CRC cells). RESULTS: Mean follow-up after resection was 37 months. Tumor recurrence was observed in 76 patients, with a median interval of 13 months after resection. Overall survival and disease-free survival (DFS) rates after hepatectomy were 62 and 56%, and 26 and 24% at 3 and 5 years, respectively. Intrahepatic spread was classified into discreet categories that were evaluated separately: invasion of the portal vein, sinusoids, bile duct, and lymphatic/perineural space. Intrahepatic microscopic invasion included portal vein in 49 patients, sinusoidal in 43 patients, biliary in 20 patients, and lymphatic in 33 patients. Intra-hepatic lymphatic invasion was the only route of dissemination independently associated with the risk of hepatic recurrence (OR=2.75) and shorter DFS (P= 0.006). All tumor foci of intrahepatic lymphatic invasion were detected within 2mm away from tumor edge. Tumors with mucinous component (AIM and MAC) were related to proximal location of the primary tumor and were more frequently observed in females. Multivariate analysis revealed that MAC was an independent negative prognostic factor (hazard ratio= 3.13; 95% CI, 1.30-6.68; P= 0.011) compared with non-MAC (NMA and AIM). CONCLUSION: Intrahepatic lymphatic invasion is a significant prognostic factor. Other mechanisms of invasion, although frequently observed, are not related to disease recurrence or survival, suggesting that the lymphatic system is the main route for dissemination of CRCLM. Furthermore, immunohistochemical detection of intrahepatic lymphatic invasion might be of value in clinical practice. MAC has an adverse prognostic impact compared with NMA, which may influence therapeutic strategy raising an important subject for discussion and future investigation
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-10-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.