• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2008.tde-12022009-135328
Documento
Autor
Nome completo
Tharcisio Citrangulo Tortelli Júnior
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Chammas, Roger (Presidente)
Greene, Lewis Joel
Smaili, Soraya Soubhi
Título em português
Avaliação do papel de proibitina no desenvolvimento de resistência à cisplatina em linhagens de melanoma humano
Palavras-chave em português
Cisplatina
Melanoma
Morte celular
Proteínas proto-oncogênicas c-akt
RNA interferente pequeno
Resumo em português
A incidência de melanomas tem crescido mundialmente. Apesar de representar um potencial problema de saúde pública pela sua incidência crescente, melanomas ainda se apresentam como tumores de difícil tratamento, especialmente quando diagnosticados em estadios avançados. A taxa de resposta a quimioterapia não ultrapassa 30% de resposta clínica objetiva nestes casos. As bases moleculares da quimiorresistência não são ainda completamente esclarecidas e seu conhecimento será útil para o delineamento de estratégias de quimiossensibilização. Em estudos anteriores, observamos que o tratamento de linhagem de células de melanoma metastático humano com o quimioterápico cisplatina induz o acúmulo de proibitina nas células sobreviventes. Proibitina é uma molécula expressa ubiquamente na maioria das células. Há evidências de que a forma nuclear esteja envolvida com o processo de morte celular e inibição de E2F1 enquanto a forma citoplasmática parece atuar como chaperona mitocondrial, garantindo sua homeostasia. O objetivo deste projeto foi avaliar a compartimentalização subcelular e a expressão de proibitina, após tratamento com 25 M de cisplatina por 24 horas em diferentes linhagens de melanoma metastático humano; e, o efeito de sua subexpressão, usando-se small interference (si) RNA. Nós mostramos que nas linhagens de melanoma humano LB373Mel, SKMel 37 e Mel 85, a proibitina foi encontrada predominantemente no citoplasma, associada, pelo menos em parte, com a mitocôndria. Após tratamento com cisplatina, uma porção da proibitina também foi encontrada no núcleo, como pode ser detectado utilizando-se anticorpo monoclonal (clone II-14-1). Experimentos de knockdown de proibitina por siRNA obtiveram sucesso em duas de três linhagens. Nessas duas linhagens (LB373Mel e Mel 85), o bloqueio do acúmulo de proibitina após tratamento com cisplatina levou à quimiossensibilização. A quimiossensibilização à cisplatina não foi observada na linhagem SKMel 37, que foi capaz de acumular proibitina mesmo quando tratada com siRNA específico para proibitina. A conclusão deste projeto é que a expressão de proibitina é parte da resposta celular que leva a sobrevivência de células de melanoma expostas à cisplatina
Título em inglês
Evaluation of the role of prohibitin in the development of resistance in cisplatin-treated human melanomas cells
Palavras-chave em inglês
Cell death
Cisplatin
Melanoma
Proto-oncogene proteins
RNA small interfering
Resumo em inglês
The incidence of melanomas has grown world-wide. Besides representing a potential problem of public health for its increasing incidence, melanomas are tumors of difficult treatment, especially when diagnosed in advanced phases. The clinical objective response rate does not exceed 30% in these cases. The molecular bases of chemoresistance are not completely clarified and their understanding will be useful for the delineation of chemosensitization strategies. In previous studies, we observed that the treatment of a human metastatic melanoma cell line with the chemotherapeutic agent cisplatin induced the accumulation of prohibitin in the surviving cells. Prohibitin is ubiquitously expressed molecule in most cells. There is evidence that the nuclear form is involved with the process of cell death and inhibition of E2F1, while the cytoplasmic form seems to act as mitochondrial chaperone, guaranteeing its homeostasis. The aim of this project was to evaluate the subcellular compartmentalization and protein expression profile of prohibitin, after treatment with 25M of cisplatin for 24 hours in different human metastatic melanoma cell line, and the effect of its underexpression, using siRNA. We showed that, in human melanoma cell lines, LB373Mel, SKMel 37 and Mel 85, prohibitin was found predominantly in the cytoplasm, associated at least in part with the mitochondria. Upon cisplatin treatment, a fraction of prohibitin was also found in the nucleus, as detected by using a monoclonal antibody (clone II-14-10). Knockdown experiments were successful in two out of three cell lines. In these two cell lines (LB373Mel and Mel 85) blockage of the accumulation of prohibitin upon cisplatin treatment led to chemosensitization. Chemosensitization to cisplatin was not observed for SKMel 37 cells, which accumulated prohibitin even when treated with prohibitin specific siRNA oligonucleotides. Altogether, we concluded that expression of prohibitin is part of the cellular response that leads to cell survival in melanoma cells exposed to cisplatin
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-03-20
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • FRANCISCO, Guilherme, et al. Polymorphisms in the p27kip-1 and prohibitin genes denote novel genes associated with melanoma risk in Brazil, a high ultraviolet index region [doi:10.1097/cmr.0b013e3283612483]. Melanoma Research [online], 2013, vol. 23, p. 1-236.
  • OTAKE, A. H., et al. Accumulation of prohibitin and nucleophosmin in distinct subnuclear compartments are associated with melanoma cell resistance to cisplatin. In 2008 AACR Annual Meeting, San Diego, 2008. Proceedings CD-ROM., 2008. Resumo.
  • TORTELLI JR, Tharcisio Citrangulo, et al. Subcellular localization of prohibitin in cisplatin-treated human melanoma cells. In XIV Congresso da Sociedade Brasileira de Biologia Celular, São Paulo, 2008. XIV Congresso SBBC- Programa e Resumos.São Paulo : Elsevier, 2008. Resumo.
  • TORTELLI JR, Tharcisio Citrangulo, et al. Subcellular localization of prohibitin in cisplatin-treated human melanoma cells. In XXXVI Reunião Anual da SBBq, Salvador, 2007. Anais da XXXVI Reunião Anual da SBBq., 2007. Abstract.
  • TORTELLI JR, Tharcisio Citrangulo, et al. Subcellulr localzation of prohibitin and nucleophosmin in cisplatin-treated human melanoma cells. In VIII São Paulo Research Conference, São Paulo, 2007. Applied Cancer Research ., 2007. Abstract.
  • FRANCISCO, Guilherme, et al. Melanoma Genetics: From Susceptibility to Progression [doi:10.5772/54143]. In Guy Huynh Thien Duc. Melanoma - From Early Detection to Treatment [online]. Organizador. {CidadeEditora}2013{Volume}, p. 83-136.http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-12022009-135328/
  • FRANCISCO, Guilherme, TORTELLI JR, Tharcisio Citrangulo, e Chammas, R. Etiopatogenia- Melanócito ao melanoma. In Fraoncisco A. Belfort, e Alberto J.A. Wainstein. Melanoma: Diagnóstico e tratamento. Organizador. Marilia : LeMar, 2010{Volume}, p. 37-45.http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5155/tde-12022009-135328/
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.