• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2007.tde-17022009-114757
Documento
Autor
Nome completo
Daniela Paoli de Almeida Lima
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Figueiredo, Luiz Francisco Poli de (Presidente)
Carmona, Maria Jose Carvalho
Cavalheiro, Sérgio
Mutarelli, Eduardo Genaro
Ribas, Guilherme Carvalhal
Título em português
Trauma craniencefálico leve: avaliação tardia da qualidade de vida e alterações neuropsicológicas
Palavras-chave em português
Ansiedade
Crânio/lesões
Depressão
Organização Mundial da Saúde
Proteínas S100
Qualidade vida
Questionário
Síndrome pós-concussão
Tomografia
Resumo em português
Trauma de crânio leve (TCE leve) é definido como um déficit neurológico transitório que ocorre após um trauma incluindo história de náuseas, vômitos, cefaléia ou tontura acompanhada de alteração ou perda da consciência com duração inferior a 15 minutos, amnésia pós traumática e Escala de Coma de Glasgow entre 13 e 15. Apesar da alta taxa de sobrevida, pode cursar com alguma morbidade, principalmente nos três primeiros meses posteriores ao trauma e cerca de 18 % dos pacientes desenvolvem pelo menos uma síndrome psiquiátrica no primeiro ano após o acidente. O diagnóstico ainda é um desafio no sentido de minimizar-se gastos desnecessários com exames subsidiários entretanto, intervenções precoces podem evitar seqüelas. Nosso objetivo foi verificar o impacto do TCE leve na qualidade de vida de suas vítimas e diagnosticar as várias alterações neuropsicológicas que podem advir deste trauma. Esses alterações podem ser verificadas através de instrumentos de pesquisa. Inicialmente, foram avaliadas cinqüenta vítimas com TCE leve, atendidas no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte - MG, as quais foram submetidas a dosagem de proteína S100B e tomografia de crânio (TCC) na admissão. Nessa fase, verificou-se que a proteína S100B tem valor preditivo negativo de 100%. Dezoito meses após o trauma, esses pacientes foram procurados em suas residências, quando foi lhes solicitado para que respondessem a quatro instrumentos de pesquisa [dois para diagnóstico de qualidade de vida (World Health Organization WHOQOL-100), e o Short Form-36 (SF-36), um para análise da presença de ansiedade e depressão (Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (EHAD) e o Questionário de Sinais e Sintomas (QSS), baseado no Post Concussion Questionnaire] com o objetivo de pesquisar a presença de sinais e sintomas da síndrome pós-concussão. Também foram pesquisados aspectos sociodemográficos, como idade, escolaridade, estado civil, renda pessoal e origem desta renda. Os mesmos questionários foram preenchidos por um grupo de controle composto, necessariamente, por coabitantes dos pacientes, sem história de trauma craniano de qualquer gravidade e com idade a mais próxima possível da do paciente. Na avaliação pelo WHOQOL-100, pacientes apresentaram qualidade de vida inferior nos domínios nível de independência, ambiente e no total de domínios (p< 0,05). Na avaliação do SF-36, pacientes revelaram qualidade de vida inferior nos domínios capacidade funcional, vitalidade, saúde mental (p<0,001), dor, estado geral de saúde e aspectos mentais (p<0,05). Pacientes apresentaram mais ansiedade e estavam uma classe acima de seus controles pela EHAD. Pacientes referem ainda número maior de sinais e sintomas da síndrome pós-concussão do que seus respectivos controles. Não verificamos correlação entre a qualidade de vida, classificação na EHAD ou número de sinais e sintomas da SPC com as dosagens de proteína S100B ou com a presença de lesão na TCC realizadas na admissão
Título em inglês
Mild head trauma. Late evaluation of quality of life and neuropsychological changes
Palavras-chave em inglês
Anxiety
Brain/injuries
Depression
Post-concussion syndrome
Quality of life
Questionnaires
S100 Protein
Tomography
World Health Organization
Resumo em inglês
Mild head trauma (MHT) is defined as a transitory neurological deficit that happens after the trauma and includes a history of nausea, vomiting, headache or dizziness and loss or alteration of consciousness (less than 15 minutes), post-trauma amnesia, and Glasgow Coma Scale (GCS) at admission between 13 and 15. Despite the high survival rates, some morbidity has been observed in the three month period after this trauma. Approximately 18% of head trauma patients develop at least one psychiatric syndrome in the first year after the accident. The diagnostics difficulty and the risks of complications after the MHT continue to be a relevant problem at the emergency departments around the world. Limitations of active participation in daily life are alterations that influence life quality. Several of these alterations may be diagnosed through Interview Instruments. Our study was divided in two phases. In the first phase, 50 MHT patients admitted at Hospital João XXIII, Belo Horizonte-MG, Brazil, had protein S100B dosing and head CT taken at admission. Concentration values of S100B lower than 0.01 g/l were considered negative once this was the lowest value found in patients who did not show brain injuty signs in the CT scan. In that study it was found that protein S100B has 100% negative predictive value. In this second phase of the study, 18 months after the trauma, these patients were contacted at their homes and asked to answer four self- assessment questionnaires: two for quality of life diagnostic - World Health Organizations WHOQOL-100 and the Short Form-36 (SF36); one for the analysis of anxiety and depression - Hospital anxiety and depression scale-HADS; and one instrument developed by the author based on the Rivermead Post Concussion Questionnaire to evaluate the presence of post-concussion syndrome signs and symptoms. Several socio-demographic aspects were also analyzed, including income, source of income, means of transportation used, etc. The same questionnaires were filled by a control group formed necessarily by patients co-inhabitants, with no history of head trauma of any severity, and with closest age as possible to the patients. In the WHOQOL assessment patients showed a lower quality of life in the independence, environment, as well as in the total domains (p< 0,05). In the SF 36 assessment patients showed a lower quality of life in the functional capacity, vitality, and mental health domains (p<0,001); and also in pain, general health situation, and mental aspects (p<0,05). Patients showed more anxiety and, in the HADS Scale, showed at least a level higher, on average, than their controls. Patients also showed a higher number of post-concussion signs and symptoms than their respective controls. We did not find correlation between the later quality of life and protein S100B dosing at admission. We were not able to find correlation between the protein concentrations with the presence of brain lesions in the CCT scans taken at patients admission in the emergency department
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DanielaPAlima.pdf (4.72 Mbytes)
Data de Publicação
2009-03-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.