• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2007.tde-03052007-111227
Documento
Autor
Nome completo
Ricardo Nunes Eliezer
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Malta, Roberto Freire Santiago (Presidente)
Almeida, Geraldo Vicente de
Monteiro, Mario Luiz Ribeiro
Rehder, Jose Ricardo Carvalho Lima
Yamamoto, Joyce Hisae
Título em português
Utilização da membrana amniótica na trabeculectomia para o tratamento do glaucoma primário de ângulo aberto
Palavras-chave em português
Âmnio
Fibrose/cirurgia
Glaucoma de ângulo aberto
Trabeculectomia
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A trabeculectomia é a técnica de eleição para o tratamento cirúrgico do glaucoma. Entretanto, estudos recentes têm demonstrado perda da eficácia e menor redução da pressão intra-ocular dos pacientes submetidos à cirurgia ao longo dos anos. Esta diminuição decorre do contínuo processo de cicatrização e proliferação de fibroblastos na superfície epiescleral na região da bolha filtrante. Com o objetivo de diminuir esta proliferação fibroblástica e a conseqüente perda de função da trabeculectomia, introduziu-se o uso de antimetabólicos como o 5-fluorouracil e a mitomicina C. O uso dos antimetabólicos, no entanto, com freqüência é acompanhado dos indesejáveis efeitos da filtração excessiva e hipotonia. O uso da membrana amniótica em oftalmologia remonta aos anos de 1940, quando vários autores relataram seus efeitos benéficos no tratamento de doenças da superfície ocular. Além de promover a epitelização de superfícies, a membrana amniótica também é inibidora da fibrose. O efeito inibidor da fibrose pela membrana amniótica é altamente desejável na modulação da cicatrização após a trabeculectomia. O objetivo deste estudo é comparar a eficácia e a segurança do uso da membrana amniótica na trabeculectomia no tratamento cirúrgico do glaucoma primário de ângulo aberto. MATERIAL E MÉTODOS: Foi realizado um estudo prospectivo aberto, aleatório, com grupos paralelos de tratamento. Sessenta e três pacientes com indicação de cirurgia para glaucoma foram selecionados e aleatoriamente divididos em 2 RESUMO grupos. O primeiro grupo foi submetido a trabeculectomia com o uso peroperatório da membrana amniótica (grupo estudo) e o segundo grupo foi submetido a trabeculectomia sem o uso da membrana amniótica (grupo controle), na seção de glaucoma do Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo. Foram avaliados os efeitos redutores da pressão intraocular, número de medicações, aparência da bolha filtrante e complicações. Todos os pacientes foram acompanhados por 12 meses. RESULTADOS: A média das pressões pré-operatórias foi de 25,19 ± 7,34 mmHg no grupo da membrana amniótica e 25,42 ± 7,71 mmHg no grupo controle. A média das pressões pós-operatórias foi de 13,13 ± 2,50 mmHg no grupo da membrana amniótica e 15,47 ± 2,92 mmHg no grupo controle, diferença estatisticamente significante no seguimento de 1 ano. Não foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os grupos controle e estudo em relação ao número de medicações pré e pós-operatória. No final de 12 meses de seguimento, no grupo de estudo, dois entre 31 olhos (6,45%) apresentaram bolha plana e vascularizada, 14 olhos (45,16%) bolha elevada e pouco vascularizada e 15 olhos (48,38 %) bolha fina e avascular. No grupo controle sete entre 32 olhos (21,87%) apresentaram bolha plana vascularizada, 22 olhos (68,75%) bolha elevada e pouco vascularizada e três olhos (9,37%) bolha fina e avascular. Foi encontrada diferença estatisticamente significante entre os grupos estudo e controle quanto a distribuição dos tipos de bolha encontradas. As complicações observadas no grupo de estudo foram um olho com câmara anterior rasa (3,22%) e dois olhos que apresentaram bolha encapsulada (6,45%). No grupo controle, dois olhos apresentaram câmara anterior rasa (6,25%), um olho descolamento de coróide (3,12%) e dois olhos RESUMO com bolha encapsulada (6,25%). CONCLUSÃO: O presente estudo demonstrou que a trabeculectomia com membrana amniótica causou maior redução da pressão intra-ocular e aparência menos vascularizada das bolhas filtrantes. Mostrou-se uma técnica segura e com baixo índice de complicações.
Título em inglês
The use of amniotic membrane in trabeculectomy for the treatment of primary open angle glaucoma
Palavras-chave em inglês
Aminion
Fibrosis/surgery
Open-angle glaucoma
Trabeculectomy
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Trabeculectomy is the procedure of choice for the surgical treatment of glaucoma until nowadays. However, recent studies have demonstrated a loss of efficacy and minor reduction of intraocular pressure in patients who underwent surgery over the years. This loss of efficacy of the trabeculectomy is related to the continuous process of healing and fibroblastic proliferation in the episcleral surface inside the filtering bleb. The use of 5-fluorouracil or mitomycin-C can improve the results of trabeculectomy, but they have been associated with an increased incidence of postoperative complications, especially in primary trabeculectomies. The use of amniotic membrane in ophthalmology retraces back to 1940, when some authors showed its beneficial effect in treatment of ocular surface disorders. Amniotic membrane can promote epitelization of ocular surface and act as an inhibitor of fibrosis. The purpose of this study was to compare the safety and efficacy of human preserved amniotic membrane in the trabeculectomy for treatment of primary open angle glaucoma. METHODS: The study was a prospective, randomized clinical trial comparing primary trabeculectomy with amniotic membrane (study group) and without amniotic membrane (control group) in the treatment of the glaucoma. Intraocular pressure (IOP), number of glaucoma medication, appearance of the bleb and complications were compared between the two groups. Sixty-three patients were divided in the study group of 31 patientes and control group of 32 patients and were followed for a period of 12 months in the glaucoma section of Santa Casa de Sao Paulo. RESULTS: The mean pre-operative IOP was 25.19 ± 7.34 mmHg in the amniotic membrane group and 25.42 ± 7.71 mmHg in the control group. The difference of the mean postoperative IOP between groups was statistically significant; in the control group it was 15.47 ± 2.92 mmHg and in the study group 13.13± 2.50 mmHg at one year follow up. Postoperative number of medication decreased in both groups. Analysis shows at the end of 12-month follow-up period in the study group two of 31 eyes (6.45%) exhibited flat vascularized bleb, 14 eyes (45.16%) had elevated but not avascular blebs and 9 eyes (48.38%) showed thin, avascular blebs. In the control group seven of 32 eyes (21.87%) exhibited flat vascularized bleb, 22 eyes (68.75%) had elevated but not avascular blebs and three eyes (9.37%) showed a thin avascular bleb. Complications were: one eye (3.22%) presented with shallow anterior chamber after surgery and two eyes (6.45%) had encapsulated bleb in the study group; in the control group, two eyes (6.25%) presented shallow anterior chamber after surgery, one eye (3.12%) had coroidal detachment and two eyes (6.25%) developed encapsulated bleb. CONCLUSIONS: Trabeculectomy with amniotic membrane and standard trabeculectomy promote lower postoperative IOP and the results showed statistically significant difference between groups in postoperative IOP after one year follow-up. The procedure is safe with low rate of complications.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
ricardoneliezer.pdf (278.41 Kbytes)
Data de Publicação
2007-05-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.