• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2008.tde-29012009-143419
Documento
Autor
Nome completo
Silvia Cristina Batezati Alves
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Sanchez, Tanit Ganz (Presidente)
Amaro Júnior, Edson
Bittar, Roseli Saraiva Moreira
Fávero, Mariana Lopes
Kii, Márcia Akemi
Título em português
Ressonância magnética funcional para avaliação do incômodo do zumbido em pacientes com audiometria normal
Palavras-chave em português
Cognição
Emoções
Imagem por ressonância magnética
Neuroanatomia
Vias auditivas
Zumbido
Resumo em português
INTRODUÇÃO: As terapias mais eficazes para zumbido são baseadas nos modelos psicológico e neurofisiológico, que teorizam que o incômodo existente é resultado da interação dinâmica dos centros auditivos, sistemas límbico e nervoso autônomo. Embora sejam amplamente aceitos na prática clínica, ainda necessitam validação científica. A ressonância magnética funcional (RMf) é um método objetivo capaz de identificar as áreas cerebrais descritas pelos modelos, como também a rede neural relacionada à percepção de estímulos emocionais, que ainda não foi investigada em estudos de zumbido. OBJETIVOS: 1) Baseado nos modelos que explicam o incômodo do zumbido, analisar as áreas corticais auditivas e não-auditivas em adultos normo-ouvintes com e sem zumbido, ativadas durante estimulação auditiva desagradável; 2) de acordo com a teoria da percepção de um estímulo emocional, avaliar se os pacientes com zumbido recrutavam a mesma rede neural para a percepção de sons desagradáveis que os indivíduos sem zumbido. MÉTODOS: Quinze pacientes com zumbido subjetivo crônico não-pulsátil (grupo zumbido, GZ) e 20 voluntários sem zumbido (grupo controle, GC), pareados por sexo e idade, foram submetidos à RMf (1.5 T). Os critérios de inclusão foram: indivíduos destros, audiometria normal, inventário de depressão de Beck < 20 pontos e escolaridade equivalente ao segundo grau completo. O paradigma incluiu sons do catálogo IADS (International Affective Digitized Sounds), validados para valência emocional e grau de estímulo, associado à escala análogo-visual SAM (Self Assessment Manikin), modificada para RMf. O paradigma foi praticado previamente em um simulador de RMf. A aquisição de imagens e a apresentação de estímulos foram realizadas através da técnica de seqüência de pulso com ruído acústico minimizado (SPRAM). RESULTADOS: O hipocampo esquerdo foi a área mais ativada no GC e não demonstrou atividade neural no GZ, no qual a maior ativação foi localizada na ínsula esquerda. Áreas auditivas (giro temporal superior e região ínfero-posterior do lobo temporal) e límbicas (ínsula) foram ativadas pelos sons desagradáveis em ambos os grupos. Na análise comparativa, a maior ativação no GZ ocorreu no cerebelo direito (p < 0,05) e, no GC, no giro temporal superior esquerdo e giro frontal inferior esquerdo (p < 0,05). CONCLUSÕES: A ativação paralela dos sistemas auditivo e límbico aos sons desagradáveis foi demonstrada nos pacientes com e sem zumbido. Entretanto, na comparação entre grupos, áreas límbicas e préfrontais não foram significantemente mais ativadas em pacientes com zumbido. Sugere-se que o cerebelo direito, recentemente relacionado à função cognitiva, pode ser a área não-auditiva envolvida no incômodo do zumbido. Especula-se que o incômodo do sintoma esteja relacionado a anormalidades na percepção emocional, seja pela identificação exacerbada (via ínsula) de sons desagradáveis ou pela ausência de regulação da resposta afetiva (via hipocampo) a este estímulo
Título em inglês
Analysis of tinnitus-related annoyance in patients with normal audiometry using functional magnetic resonance imaging
Palavras-chave em inglês
Auditory pathways
Cognition
Emotions
Magnetic resonance imaging
Neuroanatomy
Tinnitus
Resumo em inglês
INTRODUCTION: The most successful tinnitus therapies are based on the psychological and the neurophysiological models, which suggest that tinnitus-related annoyance results from the dynamic interaction of auditory brain centers, limbic and autonomic nervous systems. Although these models have been largely accepted in clinical practice, they lack experimental support and validation. Functional magnetic resonance imaging (fMRI) offers the opportunity to identify those brain regions pertinent to each model, and studies the neural network involved in the theory of emotion perception of stimuli. The latter has not been thoroughly investigated in tinnitus. OBJECTIVES: 1) Based on the models of developing tinnitus-related annoyance, analyze the cortical areas (auditory and non-auditory) in normal hearing individuals with and without tinnitus, activated by unpleasant auditory stimulation; and 2) according to the theory of emotion perception of acoustic stimulus, evaluate whether the patients with tinnitus were using the same neural network for perception of unpleasant sounds than the subjects without tinnitus. METHODS: Fifteen subjects with chronic subjective non-pulsatile tinnitus (tinnitus group, TG), and 20 healthy volunteers (control group, CG), matched for gender and age, were submitted to 1.5 T fMRI. Inclusion criteria consisted of normal pure-tone audiogram, righthandedness, Beck depression inventory < 20 points, and formal education level > 11 years. The paradigm comprised sounds from IADS (International Affective Digitized Sounds) with validated emotional valence and arousal, and a modified visual-analog Self Assessment Manikin (SAM) scale. All individuals previously practiced the task in a mock scanner. Image acquisition and stimuli presentation were designed using the silent event-related method, in which the scanner acoustic noise effects were minimized during brain activation detection. RESULTS: The left insula presented the highest neuronal activity in the TG, which showed no activity in the hippocampus. In the CG, the activation was markedly present in the left hippocampus, and was barely found in the insula. Unpleasant sounds activated auditory areas (superior temporal gyrus, inferior-posterior temporal lobe) and the limbic system (insula) in both groups. When the groups were compared, the right cerebellum was the most activated brain area in the TG (p < 0.05), and CG showed the highest activation in the left superior temporal gyrus and the left inferior frontal gyrus (p < 0.05). CONCLUSIONS: Parallel activation of auditory and limbic systems was demonstrated in both tinnitus and control patients. However, limbic and prefrontal areas were not significantly more activated in patients with tinnitus. The right cerebellum, recently described to have cognitive function, may be responsible for integrating the brain centers involved in the annoyance of tinnitus. In addition, we suggested that tinnitus-related annoyance may be secondary to emotion perception abnormalities, either a higher identification of emotional significance of the unpleasant sounds (via insula), or a lack of regulation of individual affective reaction (via hippocampus)
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-02-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.