• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2017.tde-25082017-094437
Documento
Autor
Nome completo
Andréa Felice dos Santos Malerbi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Bento, Ricardo Ferreira (Presidente)
Tsuji, Robinson Koji
Albernaz, Pedro Luiz Mangabeira
Cruz, Oswaldo Laércio Mendonça
Rapoport, Priscila Bogar
Título em português
Implante auditivo de tronco encefálico em pacientes com perda auditiva neurossensorial profunda por meningite e ossificação coclear total bilateral 
Palavras-chave em português
Cóclea
Implante auditivo de tronco encefálico
Implante coclear
Meningite
Meningites bacterianas
Ossificação heterotópica
Perda auditiva
Surdez
Resumo em português
Introdução: O implante auditivo de tronco encefálico (ABI) é indicado para pacientes com perda auditiva neurossensorial severa a profunda quando há impossibilidade de realização do implante coclear. Em pacientes com surdez por meningite e ossificação coclear total bilateral, o ABI é a opção para a reabilitação auditiva. Objetivos: O estudo tem por objetivo avaliar a contribuição do ABI para os limiares audiométricos e para a percepção de fala após no mínimo 12 meses de uso em pacientes com ossificação coclear total por surdez pós-meningite, bem como descrever as complicações do procedimento. Material e métodos: Dez pacientes com surdez pósmeningite foram submetidos ao ABI por via retrolabiríntica ampliada em um centro terciário de assistência e ensino. Todos os pacientes foram operados pela mesma equipe cirúrgica e a avaliação audiológica foi realizada pelo mesmo fonoaudiólogo. Foram realizados audiometria tonal e testes de percepção de fala no pré-operatório e no mínimo 12 meses após a ativação do implante. Foram descritas as complicações associadas ao procedimento. Resultados: Oito de dez pacientes implantados permaneceram usuários. Dois pacientes não apresentaram respostas auditivas e abandonaram o seguimento. Os oito pacientes apresentaram melhora estatisticamente significativa nos limiares audiométricos, bem como nos testes de discriminação de palavras e vogais comparando pré e pós-operatório com média de seguimento de 3,3 anos. Em dois pacientes, a discriminação de sentenças em formato fechado somente no modo auditivo foi de 30% e 40%. Todos os oito usuários referiram benefício com o uso do ABI. Não houve complicações relacionadas ao procedimento. Conclusão: O ABI via retrolabiríntica ampliada é uma opção terapêutica segura para pacientes com surdez pós-meningite e com presença de ossificação coclear total bilateral, contribuindo para melhora nos limiares audiométricos e nos testes de percepção de fala. Embora a melhora nos testes audiológicos seja inferior à do implante coclear, a maioria dos pacientes do estudo usa o ABI diariamente por um período superior a 8 horas e refere benefício em seu cotidiano
Título em inglês
Auditory brainstem implant in patients with post-meningitis profound sensorineural hearing loss and totally ossified cochleae
Palavras-chave em inglês
Auditory brain stem implantation
Cochlea
Deafness, Cochlear implantation
Hearing loss
Meningitis bacterial
Meningitis
Ossification heterotopic
Resumo em inglês
Introduction: The Auditory Brainstem Implant (ABI) is an option to auditory restoration in patients with severe to profound sensorineural hearing loss who cannot be fitted with a cochlear implant. This is the only option in patients with post meningitis hearing loss presenting with bilateral total cochlear ossification. Objectives: The main objective of the study is to evaluate the hearing contribution in audiometry and speech perception tests at least 12 months after ABI implantation in patients with post-meningitis profound hearing loss. The complications of the procedure were also described. Materials and Methods: Ten patients with post-meningitis hearing loss went an ABI through extended retrolabyrinthine approach in a tertiary center by the same surgeons. The same audiologist was responsible for audiological follow-up. Tonal audiometry and speech perception tests were made before and at least 12 months after the ABI activation. The procedure complications were described for all patients. Results: Eight of ten patients became ABI users. Two patients had no auditory response and abandoned the treatment. Eight users showed benefit in tonal audiometry, word and vowels perception tests after an average follow up of 3.3 years. Two patients were able to recognize 30 and 40% of closed sentences without lip reading. There were no complications due to the ABI procedure. Conclusion: The extended retrolabyrinthine approach for the ABI is a safe surgical option for patients with post-meningitis hearing loss and totally ossified cochleae. It contributes to hearing performance in audiometry and speech perception tests. Even though the ABI results are poorer than the cochlear implants, in this study the majority of patients use their ABI more than eight hours a day and report benefits in daily activities
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-08-25
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.