• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2008.tde-19112008-162629
Documento
Autor
Nome completo
Fabio de Rezende Pinna
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Voegels, Richard Louis (Presidente)
Lessa, Marcus Miranda
Mello Junior, João Ferreira de
Nakanishi, Marcio
Sennes, Luiz Ubirajara
Título em português
Distribuição do neuroepitélio olfatório em concha média e superior em cadáveres humanos
Palavras-chave em português
Amarelo de eosina (ys)
Cadáver
Endoscopia/métodos
Hematoxilina
Imunoistoquímica
Mucosa olfatória/anatomia & histologia
Resumo em português
INTRODUÇÃO: A biópsia do neuroepitélio olfatório (NeuO) oferece perspectivas para aplicações terapêuticas tanto em doenças do olfato como doenças neurodegenerativas. Uma coleta bem sucedida desse tecido in vivo ainda não é rotina, devido á carência de estudos sobre a distribuição do NeuO em conchas superior (CS) e média (CM). Neste trabalho, descrevemos a distribuição do NeuO na CS e CM em cadáveres a partir da retirada integral dessas estruturas e posterior análise histológica por coloração de hematoxilina e eosina (HE) e imunoistoquímica. Além disso, também analisamos a influência do sexo, idade e lateralidade no grau de presença do NeuO nas CS e CM. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Estudo anatômico prospectivo realizado de março de 2006 a janeiro de 2008. A CS e a CM foram endoscopicamente retiradas de um total de 25 cadáveres frescos com menos de 12 horas de óbito. Cada concha foi seccionada na metade de seu comprimento ântero-posterior. Assim, cada um dos 25 cadáveres deu origem a oito fragmentos de mucosa de regiões anatômicas distintas, totalizando 200 lâminas para análise tanto por coloração de HE como por reação de imunoistoquímica. Nas lâminas coradas por HE, classificamos a distribuição do NeuO em graus 0, 1, 2, 3, 4, sendo que a análise foi realizada por 3 patologistas de forma cega. Para imunoistoquímica, só obtivemos positividade com a proteína S-100. A concordância entre os três patologistas foi avaliada aos pares utilizando-se o coeficiente de Kappa. A distribuição do NeuO foi analisada de acordo com a idade, sexo, tempo de óbito, simetria entre as fossas nasais e acurácia da imunoistoquímica. RESULTADOS: Pela HE na CS, o NeuO esteve presente em 82,9% das vezes e, na CM, em 17,1%. Na CS, o NeuO foi detectado em 82,9 % das lâminas, 4,9 vezes a prevalência na CM, que foi de 17,1 % das lâminas (p < 0,001). Pela imunoistoquímica, foi possível encontrar NeuO em um total de 15 fragmentos. Desses, 10 (20%) eram da metade posterior da CS e cinco (7,6%) da metade anterior da CS. Pelo cálculo da razão de prevalência, temos que a chance de encontrar NeuO é 4,9 vezes maior na CS do que na CM (IC95%: 3,3 7,4). Dos 15 fragmentos com marcação positiva para proteína S-100, sete corresponderam aos que tinham uma distribuição grau 3 (>50% e 75%) pela HE e outros sete aos que tinham uma distribuição grau 4 (acima de 75%). Somente um fragmento teve marcação positiva para imunoistoquímica no grupo 2 (entre 26 e 50%) na HE. A proteína S-100 apresentou uma sensibilidade de 13,5% e especificidade de 100% para detecção de NeuO. Não houve diferença estatisticamente significante na prevalência de NeuO quando os fragmentos foram divididos de acordo com o sexo, idade de óbito e lado da fossa nasal. No entanto, ao analisarmos a presença de NeuO de acordo com o grau de distribuição entre cada lado, não se percebe uma concordância. CONCLUSÕES: A quantidade total de NeuO foi simetricamente distribuída entre as fossas nasais, mas não houve uma concordância entre os lados quanto à maneira como o NeuO está distribuído. O NeuO apresenta maior probabilidade de ser encontrado na metade posterior de CS. A HE é um método eficaz para distinção entre NeuO e epitélio respiratório, devido a grande concordância entre três patologistas distintos.
Título em inglês
Distribution of olfactory neuroepithelium in the middle and superior turbinate of human cadavers
Palavras-chave em inglês
Cadaver study
Endoscopy/ methods
Eosin Y
Hematoxylin
Immunohistochemistry
Olfactory mucosa/anatomy and histology
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Olfactory neuroepithelium (ON) biopsy provides perspectives for several therapeutic applications, both in disorders of olfaction and in neurodegenerative diseases. Successful in vivo collection of ON is still not routine, due to a dearth of studies on ON distribution in the superior and middle turbinate (ST and MT respectively). This study describes the distribution of ON in cadaver ST and MT as determined by complete endoscopic removal of turbinates and histological analysis with hematoxylin and eosin (H&E) and immunohistochemical staining. We also analyzed the influence of gender, age, and naris side on the extent to which ON is present in the superior and middle turbinate. CASE SELECTION AND METHODS: We conducted a prospective anatomical study from March 2006 to January 2008. The superior and middle turbinates of 25 fresh cadavers (less than 12 hours post-mortem) were removed endoscopically. Each turbinate was halved into anterior and posterior fragments. Eight anatomically distinct fragments were therefore obtained from each of the 25 cadavers for a total of 200 specimens, which were analyzed through H&E staining and immunohistochemistry. Hematoxylin and eosin-stained slides were subjected to blind examination by three independent pathologists; ON distribution was graded on a fivepoint numeric scale (grade 0, 1, 2, 3, or 4). Immunohistochemistry was only positive through S-100 staining. Pairwise agreement between pathologists was assessed by means of the Kappa coefficient. The distribution of ON was analyzed regarding age, gender, time elapsed between death and specimen harvesting, symmetry between nares, and accuracy of immunohistochemistry results. RESULTS: In H&E-stained slides, olfactory neuroepithelium was present in 82.9% of ST and 17.1% of MT specimens; prevalence in the superior turbinate was therefore 4.9-fold greater (p < 0.001). Immunohistochemical analysis was able to identify ON in 15 fragments, 10 of which (20%) were from the posterior half of the superior turbinate; the remaining five specimens (7.6%) were from the anterior ST. According to prevalence ratio, the odds of finding ON are 4.9 times greater in superior turbinate than in the middle turbinate (CI, 95%; 3.37.4). Of the 15 immunohistochemistry-positive fragments, seven were assigned distribution grade 3 (>50% and 75% presence of ON) on H&E staining seven others were graded 4 (>75% presence of ON). A single immunohistochemistrypositive fragment was found to have grade 2 ON distribution (i.e., it contained 26% to 50% olfactory neuroepithelium) on H&E staining. S-100 staining showed a sensitivity of 13.5% and specificity of 100% for ON detection. There was no statistically significant difference in ON prevalence when fragments were compared according to gender, age at time of death, and naris side. However, when we analyzed ON presence according to the degree of ON distribution in each side, we found no concordance. CONCLUSIONS: Total ON was distributed symmetrically between nares, but we found no concordance between sides in the manner in which ON is distributed. ON is most likely to be found in the posterior half of the superior turbinate. Hematoxylin and eosin (H&E) staining is an effective method for distinguishing ON from respiratory epithelium, as shown by high inter-rater agreement among three independent pathologists
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
FabioRPinna.pdf (76.93 Mbytes)
Data de Publicação
2008-12-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.