• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2015.tde-06082015-124601
Documento
Autor
Nome completo
Anna Karla Rabelo Garreto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Scivoletto, Sandra (Presidente)
Cunha, Paulo Jannuzzi
Tavares, Hermano
Título em português
O desempenho executivo em pacientes que apresentam automutilação
Palavras-chave em português
Automutilação
Função executiva
Neuropsicologia
Testes neuropsicológicos
Resumo em português
Introdução: A automutilação tem sido considerada uma maneira disfuncional de enfrentar situações-problema, geralmente com grande carga emocional, uma vez que pessoas que apresentam este diagnóstico parecem ter poucas estratégias de enfrentamento, dificuldade para regular o afeto e limitada habilidade de resolução de problemas. O início da automutilação geralmente ocorre na adolescência e, na maioria dos casos, ocorre remissão sem precisar de intervenção profissional. Essa remissão estaria associada com o desenvolvimento cognitivo, principalmente com o desenvolvimento de estratégias adequadas de enfrentamento. No entanto, 10% dos casos permanecem com esse comportamento na fase adulta e, muitas vezes, apresentam comorbidades psiquiátricas, caracterizando casos mais graves, com maiores dificuldades cognitivas e habilidades sociais deficitárias. São raros os estudos sobre automutilação em adultos. Assim, verifica-se a necessidade de estudos que avaliem o desempenho das funções executivas nessa população para melhor caracterização e compreensão desse comportamento. Dessa forma, intervenções mais adequadas e eficazes poderão ser desenvolvidas, assim como trabalhos de prevenção. Objetivos: Estudar o desempenho executivo de pacientes que apresentam automutilação, bem como comparar a capacidade de resolução de problemas em pacientes com automutilação a um grupo controle. Método: Estudo descritivo transversal, com amostra de 66 indivíduos, todos com idade superior a 18 anos com, no mínimo, quatro anos de escolaridade formal. Foram comparados dois grupos: o primeiro, com 33 pacientes que procuraram tratamento psiquiátrico devido à automutilação; e o grupo controle, com 33 participantes sem nenhum transtorno psiquiátrico no momento da avaliação. Todos os participantes foram submetidos a uma avaliação psiquiátrica (SCID I/P) para confirmação do diagnóstico e verificação dos critérios de inclusão/exclusão, investigação de sintomas de impulsividade (BIS-11), de comportamento de automutilação (FASM), assim como de depressão e ansiedade (Beck). Também passaram por uma bateria de avaliação neuropsicológica, que contemplou o mapeamento das funções executivas, tais como flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento, capacidade de abstração/categorização, memória operacional e tomada de decisão; avaliação da capacidade de resolução de problemas por meio de teste comportamental. O desempenho das funções executivas e da capacidade de resolução de problemas dos participantes com automutilação foi comparado ao desempenho executivo do grupo controle, levando-se em consideração gênero, faixa etária, nível socioeconômico e QI, controlando para escolaridade. Por fim, foram feitas correlações entre gravidade de automutilação e desempenho executivo e desempenho executivo e capacidade de resolução de problemas. Resultados: A maioria dos pacientes era do sexo feminino (81,8%), assim como nos controles (72,7%). A média de idade no grupo de automutilação foi de 29 anos e no grupo controle, 31. No grupo com automutilação, a média de idade de início da automutilação foi de 16 anos. O comportamento mais comum encontrado foi o corte na pele, e a razão mais comum para se engajar no comportamento foi "para parar os sentimentos negativos". As comorbidades psiquiátricas mais comuns foram o transtorno depressivo maior (em 60,6%) e transtorno de ansiedade generalizada (em 48,5%). O grupo com automutilação teve pior desempenho nas seguintes funções executivas: flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento, tomada de decisão. O grupo de automutilação também apresentou maior impulsividade que os controles e pior desempenho em relação à capacidade de resolução de problema. Observou-se ainda que funções executivas (controle inibitório, planejamento e tomada de decisão) influenciam no processo de tomada de decisão. Houve associação entre pior desempenho em testes que avaliam tomada de decisão (IGT e DDT) com maior gravidade da automutilação (IGT: p = 0,009 e DDT: p = 0,008). Conclusão: Foi possível evidenciar que adultos com automutilação apresentam resultados inferiores quando comparados a controles no que diz respeito a capacidade de resolução de problema, flexibilidade mental, controle inibitório, planejamento e tomada de decisão. Assim, os resultados indicam que as pessoas que iniciam com o comportamento de automutilação na adolescência e persistem até a fase adulta, como uma forma de enfrentamento de situações-problema, demonstram certa imaturidade cognitiva, possivelmente devido a alterações no córtex pré-frontal, impactando no comportamento, nas emoções e nos pensamentos. E, ainda, apresentam automutilação com maior gravidade associada a outros transtornos psiquiátricos. Esses resultados apontam para a necessidade do emprego de intervenções específicas de reabilitação cognitiva no tratamento desses pacientes
Título em inglês
The executive performance in patients who present self mutilation
Palavras-chave em inglês
Executive function
Neuropsychological tests
Neuropsychology
Self mutilation
Resumo em inglês
Introduction: Self mutilation has been considered a dysfunctional way of dealing with problematic situations, usually with great emotional charge, since people who have such diagnosis appear to have few coping strategies, difficulty to regulate affect and limited problem-solving skill. The beginning of self mutilation usually occurs during adolescence and in most cases there is remission without professional intervention. This remission is associated with the cognitive development, especially with the development of adequate coping strategies. However, 10% of cases remain with this behavior in adulthood and often exhibit psychiatric comorbidities characterizing more severe cases, with higher cognitive and social skills deficit. Studies on self mutilation in adults are rare. Thus, it is verified the need for studies that evaluate the executive functions performances among this population for a better characterization and understanding of this behavior. Therefore, more adequate and effective interventions can be developed, as well as prevention efforts. Objectives: To study the executive performance of patients presenting self mutilation, as well as compare the problem-solving capacity in patients with self mutilation to a control group. Method: Cross-sectional descriptive study with a sample of 66 individuals, all aged over 18 years, with at least four years of formal schooling. Two groups were compared: the first, with 33 patients who sought psychiatric treatment due to self mutilation; and the control group, with 33 participants without any psychiatric disorder at the time of evaluation. All participants underwent a psychiatric evaluation (SCID I / P) to confirm the diagnosis and verification of the inclusion/ exclusion criteria, symptom investigation of impulsivity (BIS-11), self mutilation behavior (FASM), as well as depression and anxiety (Beck). The participants have also undergone a pile of neuropsychological evaluation, which contemplated the mapping of the executive functions, such as mental flexibility, inhibitory control, planning, capacity for abstraction / categorization, working memory and decision making; assessment of problem-solving ability through behavioral test. The performance of the executive functions and problem-solving skills of the participants with self mutilation was compared to the control group executive performance, taking into account gender, age, socioeconomic status and IQ, controlling for educational level. Finally, correlations were made between self mutilation severity, executive performance and problem-solving capability. Results: Most patients were female (81.8%) as well as in controls (72.7%). The average age in the self mutilation group was 29 years and in the control group, 31. In the group presenting self mutilation, the average age of self-injury onset was 16 years. The most common behavior found was skin cutting, and the most common reason for engaging in thus behavior was "to stop the negative feelings." The most common psychiatric comorbidities were the major depressive disorder (60.6%) and generalized anxiety disorder (48.5%). The group with self mutilation had worse performance in the following executive functions: mental flexibility, inhibitory control, planning, decision making. The self mutilation group also had higher impulsivity than the controls and worse performance on problem solving capability. It was also observed that executive functions (inhibitory control, planning and decision making) influence the decision making process. There was association between worse performance on tests that evaluate decision making (IGT and DDT) with higher severity of self mutilation (IGT: p = 0.009 and DDT: p = 0.008). Conclusion: It was possible to evince that adults with self mutilation score lower when compared to controls regarding problem-solving skills, mental flexibility, inhibitory control, planning and decision making. Thus, the results indicate that people who start self mutilation behavior during adolescence and persist into adulthood as a coping mechanism to problematic situations, demonstrate certain cognitive immaturity, possibly due to alterations in the prefrontal cortex, impacting behavior, emotions and thoughts. And further, they exhibit self mutilation with higher severity in association with other psychiatric disorders. These results point to the need for the use of specific cognitive rehabilitation interventions in these patients treatment
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-08-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.