• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2019.tde-11012019-090238
Documento
Autor
Nome completo
Denise Swei Lo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Gilio, Alfredo Elias (Presidente)
Andrade, Olberes Vitor Braga de
Baquerizo, Marina
Grisi, Sandra Josefina Ferraz Ellero
Koch, Vera Hermina Kalika
Título em português
Infecção urinária comunitária: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais em crianças e adolescentes
Palavras-chave em português
Enterococcus faecalis
Epidemiologia
Escherichia coli
Infecções urinárias
Klebsiella pneumoniae
Proteus mirabilis
Staphylococcus saprophyticus
Terapêutica
Resumo em português
INTRODUÇÃO: Infecção do trato urinário (ITU) é doença cujos sinais e sintomas são frequentemente inespecíficos, especialmente em lactentes. Portanto, o conhecimento de seus aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais são relevantes para a adequada abordagem clínica. OBJETIVOS PRINCIPAIS: Descrever: a prevalência de ITU como motivo de atendimento em pronto-socorro geral de Pediatria; a variabilidade da frequência de ITU e dos agentes etiológicos em diversas faixas etárias e sexo; o perfil de sensibilidade antimicrobiana de Escherichia coli; o quadro clínico, laboratorial e evolutivo de lactentes jovens. OBJETIVOS SECUNDÁRIOS: Cálculo de sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e valor preditivo negativo do corte de leucocitúria >= 10.000 leucócitos/mL para o diagnóstico de ITU em lactentes jovens. Comparar as diferenças de ITU por Escherichia coli e Staphylococcus saprophyticus em adolescentes do sexo feminino e discutir as melhores escolhas de terapia antimicrobiana empírica para uso na população estudada. MÉTODO: Estudo retrospectivo, descritivo, incluindo todos os casos de ITU (urocultura quantitativa com >= 50.000 UFC/mL por sondagem vesical ou >= 100.000 UFC/mL por jato médio) atendidos no Pronto-Socorro de Pediatria do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo, de 01/01/2010 a 31/12/2012, idades entre zero a 15 anos incompletos. Resultados: Do total de 188.460 atendimentos realizados, 7994 colheram urocultura por suspeita de ITU; este diagnóstico foi confirmado em 1071 casos (prevalência: 0,57% do total de atendimentos e 13,4% das uroculturas incluídas). A proporção de casos entre sexo masculino e feminino foi: 1:0,3 em menores de três meses; 1:3,9 entre três meses a 12 anos e 1:12 entre 12 a 15 anos. Escherichia coli foi o principal agente responsável por 73,2% dos casos totais de ITU. Entretanto, outros agentes importantes foram Klebsiella pneumoniae (18,46%) e Enterococcus faecalis (7,7%) em lactentes jovens (menores de três meses de idade); Proteus mirabilis (30,8%) em meninos de três meses a 12 anos; Staphylococcus saprophyticus (25%) em adolescentes do sexo feminino entre 12 a 15 anos. A sensibilidade antimicrobiana de Escherichia coli foi observada acima de 80% para: amoxicilina/ácido clavulânico (87%), cefuroxima (98%), cefotaxima (98%), ceftriaxona (100%), cefepime (99%), amicacina (100%), gentamicina (97%), ciprofloxacina (98%), norfloxacina (94%), ácido nalidíxico (93%) e nitrofurantoína (97%). Em lactentes jovens, febre sem sinais localizatórios foi o sintoma mais frequente de ITU (77,8%). Exames subsidiários de hemograma e proteína C reativa foram de pouca utilidade clínica. O teste de nitrito positivo apresentou baixa sensibilidade: 30,8% (IC 95%: 19,9%-43,4%), porém elevada especificidade e valor preditivo positivo. Enquanto que o corte de leucocitúria > 10.000 leucócitos/mL para ITU revelou boa sensibilidade: 87,7% (IC 95%: 77,2%-94,5%), porém baixa especificidade e valor preditivo positivo. Nas adolescentes do sexo feminino entre 12 a 15 anos, houve menor positividade do teste do nitrito nas ITU por Staphylococcus saprophyticus do que nas ITU por Escherichia coli. Na população do presente estudo, a terapia empírica inicial recomendada seria: zero a três meses: tratamento parenteral com aminoglicosídeo ou cefalosporina de terceira geração; podendo associar ampicilina para cobertura de Enterococcus faecalis. Entre três meses a 15 anos: amoxicilina/ácido clavulânico ou cefuroxima ou ceftriaxona ou aminoglicosídeos. CONCLUSÕES: ITU é doença frequente em atendimentos de pronto-socorro. Os aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais são variáveis nas diversas faixas etárias e sexos; portanto, a abordagem deve ser individualizada em cada um destes segmentos
Título em inglês
Community-acquired urinary tract infection: epidemiological, clinical and laboratory aspects in children and adolescents
Palavras-chave em inglês
Enterococcus faecalis
Epidemiology
Escherichia coli
Klebsiella pneumoniae
Proteus mirabilis
Staphylococcus saprophyticus
Therapeutics
Urinary tract infections
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Urinary tract infection (UTI) frequently presents with nonspecific signs and symptoms, particularly in infants. Therefore, the understanding of its epidemiological, clinical and laboratory aspects are relevant to its appropriate clinical approach. MAIN OBJECTIVES: To describe: the prevalence of UTI as a cause for attending the pediatric emergency department; the variability of the frequency of UTI and etiological agents in different age groups and sexes; the antimicrobial sensitivity profile of Escherichia coli; the clinical features, laboratory findings and treatment outcomes in young infants. SECONDARY OBJECTIVES: To evaluate sensitivity, specificity, positive predictive value and negative predictive value of pyuria >= 10,000 leukocytes/mL for screening UTI in young infants. To compare UTI due to Escherichia coli with UTI due to Staphylococcus saprophyticus in female adolescents and to discuss the best empirical antimicrobial treatment in the population studied. METHODS: Retrospective, descriptive study, including all cases of UTI (urine culture of >= 50,000 CFU/mL obtained by bladder catheterization or >= 100,000 CFU/mL obtained by midstream-voided method) attended at the pediatric emergency department of University Hospital of the University of São Paulo, from 01/01/2010 to 12/31/2012, ages from zero to 15 years old. Results: Of 188,460 visits in this period, 7994 collected urine culture on suspicion of UTI. This diagnosis was confirmed in 1071 cases (prevalence: 0.57% of total visits and 13.4% of urine cultures included). The proportion of cases between male and female was: 1: 0.3 in children younger than three months old; 1: 3.9 from three months to 12 years old and 1:12 from 12 to 15 years old. Escherichia coli was the main etiology responsible for 73.2% of total cases of UTI. However, other important agents were Klebsiella pneumoniae (18.46%) and Enterococcus faecalis (7.7%) in young infants (under three months of age); Proteus mirabilis (30.8%) in boys from three months to 12 years old; Staphylococcus saprophyticus (25%) in female adolescents aged 12-15 years. The antimicrobial sensitivity of Escherichia coli was still above 80% for amoxicillin / clavulanic acid (87%), cefuroxime (98%), cefotaxime (98%), ceftriaxone (100%), cefepime (99%), amikacin (100%), gentamicin (97%), ciprofloxacin (98%), norfloxacin (94%), nalidixic acid (93%) and nitrofurantoin (97%). In young infants, the absence of another source of fever was the most frequent UTI symptom (77.8%). Laboratory parameters including peripheral white blood cell count and C-reactive protein concentration were of limited clinical usefulness. The sensitivity of nitrite testing for bacteriuria was low: 30.8% (95% CI: 19.9%-43.4%), but had high specificity and positive predictive value. Pyuria> 10,000 leukocytes / mL for identifying UTI had high sensitivity: 87.7% (95% CI: 77.2%-94.5%), but low specificity and positive predictive value. In female adolescents aged 12 to 15 years old, there were few positive nitrite tests in UTI due to Staphylococcus saprophyticus compared with UTI due to Escherichia coli. In the population studied, the initial empirical therapy recommended would be: from zero to three months old: parenteral treatment with aminoglycoside or third generation cephalosporin; it could be associated with ampicillin to treat Enterococcus faecalis. Between three months to 15 years old: amoxicillin / clavulanic acid or cefuroxime or ceftriaxone or aminoglycosides. In cystitis: in addition to amoxicillin / clavulanic acid or cefuroxime; nitrofurantoin is also a good option for Staphylococcus saprophyticus UTI whereas nalidixic acid is also a nice choice for Proteus mirabilis UTI. CONCLUSIONS: UTI is a common disease in emergency department visits. The epidemiological, clinical and laboratory aspects are variable in the different age and sex groups; therefore, the approach must be individualized in each of these groups
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DeniseSweiLo.pdf (3.58 Mbytes)
Data de Publicação
2019-01-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.