• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2015.tde-23092015-142247
Documento
Autor
Nome completo
Catarina Machado Azeredo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Menezes, Paulo Rossi (Presidente)
Antunes, Jose Leopoldo Ferreira
Manitto, Alicia Matijasevich
Moraes, Claudia Leite
Título em português
Características individuais e contextuais associadas ao bullying entre escolares no Brasil
Palavras-chave em português
Adolescente
Análise fatorial
Análise multinível
Assunção de riscos
Bullying
Comportamento do adolescente
Comportamentos saudáveis
Fatores de risco
Inquéritos epidemiológicos
Instituições acadêmicas
Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar
Resumo em português
O bullying escolar é um importante problema de saúde pública que vem sendo extensivamente estudado em países de alta renda. Nos países de baixa e média renda, características individuais e contextuais associadas ao bullying são pouco conhecidas. A presente tese é composta por três estudos. O estudo 1 objetivou realizar revisão sistemática sobre fatores contextuais associados ao bullying escolar. A busca utilizou as bases de dados MEDLINE, PsychInfo, Web of Knowledge e SciELO. Trinta e um estudos foram incluídos. Resultados sugerem associação entre maior desigualdade de renda em classes, escolas e países e maior risco de bullying. A relação entre tamanho da classe e da escola com bullying foi inconclusiva; escolas sem normas anti-bullying, com menor apoio e pior gestão da classe pelo professor tiveram maior risco de bullying. O estudo 2 visou identificar características individuais e contextuais associadas ao bullying verbal na escola, entre adolescentes brasileiros. Utilizou-se dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) 2009, com estudantes do 9º ano escolar. Realizou-se modelos de regressão logística multinível para identificar associações com variáveis de três níveis (indivíduo, escolas, cidades). A prevalência de bullying verbal em adolescentes brasileiros foi 14,2%. Somente 1,8% e 0,3% da variância do bullying verbal ocorreu nos níveis de escola e capital, respectivamente. Nenhuma característica das cidades se associou ao bullying. Escolas privadas apresentaram mais bullying que escolas públicas. Desigualdade de renda não se associou ao bullying. Meninos, os mais jovens, os que não moravam com pai e mãe, os expostos à violência doméstica, os com baixo peso ou sobrepeso sofreram mais bullying. O estudo 3 objetivou identificar padrões de comportamento relacionados a saúde, incluindo bullying, entre adolescentes brasileiros. Utilizou-se dados da segunda edição da PeNSE, coletados em 2012. Realizou-se análise fatorial exploratória e confirmatória, além de regressão linear para descrever características socio-demográficas associadas a cada padrão. Identificou-se três padrões de comportamento: o padrão "comportamento problema", compreendeu comportamento agressivo (incluindo bullying), consumo de álcool, cigarro e drogas e sexo não seguro; o padrão "comprometedor da saúde" incluiu indicadores de alimentação não saudável e comportamento sedentário; e o padrão "promotor da saúde" incluiu indicadores de alimentação saudável e atividade física. Os padrões "comportamento problema" e "comprometedor da saúde" se associaram aos mais velhos e aos residentes em regiões mais desenvolvidas, sendo o primeiro associado a escolas públicas e ao sexo masculino, enquanto o segundo ao sexo feminino. O padrão "promotor da saúde" se associou ao sexo masculino e aqueles com mães com maior nível educacional. Concluiuse que contextos de desigualdade parecem mais propícios à ocorrência de bullying de acordo com a revisão. Entretanto, dados do Brasil não corroboram essa hipótese para bullying verbal. Ambiente escolar com adoção de regras anti-bullying e professores mais solidários devem ser estimulados. As características das escolas e cidades estudadas explicaram pouco o bullying verbal. Características individuais sugerem sub-grupos de maior risco, podendo subsidiar políticas anti-bullying. Perpetrar bullying compôs o padrão de "comportamento problema", indicando que as intervenções devem ser mais amplas e direcionadas a múltiplos comportamentos
Título em inglês
Individual and contextual characteristics associated with school bullying among Brazilian adolescents
Palavras-chave em inglês
Adolescent
Adolescent behavior
Bullying
Health behavior, Health surveys
Multilevel analysis, Factor analysis statistical
National Survey of School Health
Risk factors
Risk-taking
Schools
Resumo em inglês
School bullying is an important public health problem, which has been extensively studied among high-income countries. In low- middle-income countries, there is a lack of information about associations between both individual-level and contextual-level characteristics with bullying. The aim of Study 1 was to carry out a systematic review of contextual factors associated with school bullying. Searches were performed in MEDLINE, PsychInfo, Web of Knowledge and SciELO. 31 studies were included. Results suggested that greater income inequality in schools, classes and countries is associated with increased risk of bullying. The influence of class and school size on bullying was inconclusive; schools without anti-bullying rules, with less support and poorer classroom management by the teacher had a higher risk of bullying. The aim of study 2 was to identify individual and contextual characteristics associated with verbal bullying, among Brazilian adolescents. We used data from the National Survey of School Health (PeNSE 2009) on students in 9th grade. We performed multilevel logistic regression models to identify associations with variables from three levels (individual, school, city). The prevalence of verbal bullying among Brazilian adolescents was 14.2%. Only 1.8% and 0.3% of the bullying variance occurred at school and capital levels, respectively. No city characteristic was associated with bullying. Private schools showed more bullying than public. Income inequality was not associated with bullying in Brazil. Boys, those of younger age, those not living with both parents, those exposed to domestic violence, those underweight or overweight suffered more bullying. The aim of Study 3 was to identify health-related behavior patterns, including bullying, among Brazilian adolescents. We used data from the second edition of PeNSE, carried out in 2012. We conducted exploratory and confirmatory factor analysis to identify behavior patterns, and linear regression models to describe sociodemographic characteristics associated with each pattern. We identified three behavior patterns; the problem-behavior pattern, which comprised aggressive behavior (including bullying), alcohol drinking, smoking, drugs use and unsafe sex; the health-compromising pattern, which included unhealthy diet indicators and sedentary behavior; and the health-enhancing pattern, which included healthy diet indicators and physical activity. The problembehavior and health-compromising patterns were associated with older age and from more developed regions. The former was associated with male gender and attending public school, while the latter was associated with female gender and more educated mothers. The health-enhancing pattern was associated with male gender and more educated mothers. In conclusion, the review suggested that bullying is more likely to occur in unequal contexts, but we could not confirm this hypothesis for verbal bullying in the Brazilian setting. Schools should be encouraged to adopt anti-bullying rules and to train teachers in bullying prevention. Among Brazilian adolescents the school and city variables explained litle of verbal bullying victimization. Individual characteristics indicated high risk sub-groups, which could be used to support anti-bullying policies. Bullying perpetration comprised part of the problem behavior pattern, suggesting that interventions should be more broaden
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-09-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.