• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.48.2013.tde-11122013-153624
Documento
Autor
Nome completo
Carolina de Roig Catini
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2013
Orientador
Banca examinadora
Moraes, Carmen Sylvia Vidigal (Presidente)
Carvalho, José Sergio Fonseca de
Catani, Denice Barbara
Ferreira Junior, Amarilio
Frigotto, Gaudêncio
Título em português
A escola como forma social: um estudo do modo de educar capitalista
Palavras-chave em português
Capitalismo
Direito
Escola
Fetichismo
Forma social
História da educação
Resumo em português
A tese aqui apresentada consiste num esforço para apreender os nexos entre escola e relações sociais capitalistas. Partimos da compreensão do capital não apenas como elemento econômico, mas como relação social que tende, contraditoriamente, a subsumir as diversas esferas da vida social, ao mesmo tempo em que permite e exige a autonomização de cada uma dessas esferas. Nesse sentido, debruçamo-nos sobre a relação entre a generalização da forma escola e da forma mercadoria, à luz de uma tendência - característica da formação social capitalista - de subjetivação das formas e de coisificação dos conteúdos, que corresponde ao conceito de fetichismo do capital. Procuramos desnaturalizar a forma escolar por meio do estudo de seu processo histórico de constituição, com ênfase em alguns momentos específicos, como o da reação estatal às lutas anarquistas do início do século XX, e as subsequentes reformas educacionais dos anos 1920. Analisamos a crescente importância da escola na formação da massa de trabalhadores assalariados, reificados pela condição de vendedores de sua força de trabalho, mas também de sujeitos de direito. Assim, fomos levados a tratar da imbricação entre a forma escolar e o Direito, fundamentado nas relações mercantis, na propriedade privada, e nos processos de expropriação dos trabalhadores como produto da acumulação de capital. Internamente à escola, investigamos a incorporação do tempo abstrato, bem como o desenvolvimento da divisão do trabalho, da didática, e das formas disciplinares, tudo isso em articulação com tendências de racionalização, de desenvolvimento das forças produtivas e da consequente simplificação do trabalho. Donde se explicita a prevalência da forma sobre a formação, como tendência inerente ao modo de educar capitalista. Ademais, tratamos brevemente de algumas distinções entre os processos de escolarização das camadas mais abastadas da população e do grosso da população trabalhadora, fruto da clivagem entre escola pública e privada, também fundamentada em relações de propriedade. Por fim, sem negar a relevância das lutas travadas historicamente com vistas à universalização do direito à educação e por melhores condições de escolarização para a população trabalhadora, enfatizamos os riscos de se limitar as lutas aos marcos institucionais, argumentando que, quando desacompanhadas da construção de experiências educativas autônomas, e portanto desprovidas de um caráter tático, tais lutas conduzem a um esvaziamento dos potenciais revolucionários da organização dos trabalhadores.
Título em inglês
The school as a social form: an study of the capitalist mode of educating
Palavras-chave em inglês
Capitalism
Fetishism
History of education
Law
School
Social form
Resumo em inglês
The present thesis consists in an effort to apprehend the nexuses between school and capitalist social relations. We start from the understanding of capital not only as an economic element but as a social relation that tends, contradictorily, to subsume the various spheres of social life, at the same time that allows and requires the autonomization of each of these spheres. Accordingly, we focused on the relationship between the generalization of the school form and of the commodity form, in the light of a trend - characteristic of the capitalist social formation of subjectivation of the forms and reification of the contents, which corresponds to the concept of capitals fetishism. We seek to denaturalize the school form through the study of its historical process of constitution, with emphasis on some specific moments, as the state's reaction to the anarchist struggles in the early twentieth century, and the subsequent educational reforms of the 1920s. We analyze the growing importance of the school in the formation of the mass of salaried workers, reified by the condition of sellers of its workforce, but also as subjects of law. Thus, we were conducted to address the imbrication between the school form and the Law, based on mercantile relations, on private property, and on the process of expropriation of workers as a product of the accumulation of capital. Internally to school, we investigate the incorporation of abstract time, as well as the development of the division of labor, the didactics, and disciplinary forms, all this in conjunction with trends of rationalization, of development of the productive forces and the resulting work simplification. From that becomes explicit the prevalence of the form over the formation, as a tendency inherent to the capitalist mode of educating. Moreover, we treat briefly of some distinctions between the processes of schooling for wealthier strata of the population and the bulk of the working population, the result of the cleavage between public and private schools, also based upon property relations. Finally, without denying the relevance of the historical struggles aiming the universalization of the right to the education and better schooling conditions for the working population, we emphasize the risks of limiting the struggles to the institutional frameworks, arguing that when unaccompanied of the construction of autonomous educational experiences, and therefore deprived of a tactical character, such struggles lead to an undermining of the revolutionaries potentials of the organization of the workers.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
CAPA1_rev.pdf (434.25 Kbytes)
Data de Publicação
2013-12-20
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.