• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2018.tde-31102018-165330
Documento
Autor
Nome completo
Daniela Tankevicius Ferraz
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Moretto, Maria Livia Tourinho (Presidente)
Dunker, Christian Ingo Lenz
Koltai, Caterina
Sanches, Daniele Rosa
Título em português
Indiferença: um estudo psicanalítico
Palavras-chave em português
Diferença
Indiferença
Indiferenciação
Narcisismo
Psicanálise
Resumo em português
A indiferença é uma marca de nossa cultura que envolve noções de desprezo, falta de interesse, e apatia. Verificamos também a emergência de uma supervalorização da indiferença enquanto possibilidade de desafetação frente ao sofrimento, próprio ou do outro, relacionada a um estatuto de poder frente aos demais. Avançando em relação à inclusão em categorias meramente pejorativas, pretendemos sustentar que a indiferença é uma atitude em relação a algo. Uma vez que chega ao psicanalista via sofrimento psíquico, observamos que o tema convoca uma investigação no campo de pesquisa em psicanálise. Apostando que a psicanálise carrega em si um saber sobre as possibilidades de tratamento e reposicionamento dos sujeito frente ao desejo, este trabalho tem por objetivo realizar uma investigação acerca da indiferença como modalidade de sofrimento de nossa época, mobilizando a rede conceitual psicanalítica de Freud e Lacan por diversas vias que nos instrumentalizem na construção de hipóteses sobre possíveis estatutos da indiferença no campo clínico/político. Entendemos sua incidência dentro de um contexto político marcado por um narcisismo generalizado dentro do neoliberalismo, que produz uma lógica de exclusão e negação da diferença, como também uma indiferenciação dos sujeitos dentro da massa. A indiferença entra em cena articulada aos diferentes processos da constituição subjetiva, lida através das noções de indiferenciação, identificação e alienação. A presença da indiferença na atualidade é marcada por faces diversas, que atuam de modo intrincado. A fixação em identidades rígidas relega ao sujeito uma precariedade em relação ao reconhecimento da diferença, culminando em situações extremas de ódio e fanatismo. Uma profunda vinculação aos ditames de nossa época contribui para emergência de indivíduos intolerantes ao encontro com o estranho de si e do outro, além de efetuar indiferenças valorizadas como sinônimo de sucesso da autorrealização. A indiferença depressiva se coloca na contramão da lógica do mercado, o que a faz não desejada no contexto social. Diante disto concluímos que a psicanálise pode tratar do que dói na indiferença não oferecendo consistência às demandas de aumento de autocontrole e ideais de isolamento, mas auxiliando na produção de indiferenças necessárias frente a hipereatividade às diferenças
Título em inglês
Indifference: a psychoanalytic study
Palavras-chave em inglês
Difference
Indifference
Indifferentiation
Narcissism
Psychoanalysis
Resumo em inglês
Indifference is a mark of our culture that involves the notions of contempt, lack of interest, and apathy. We can also see the emergence of indifference regarded as a possibility of disengagement, either a persons own suffering or from the suffering of others, related to a status of power over others. Moving forward in relation to the inclusion of indifference in merely pejorative categories, we intend to maintain that indifference is an attitude toward something. Once indifference is presented to the psychoanalyst through a patients psychic suffering, we observe that the theme calls for an investigation in the field psychoanalytic research. Considering that psychoanalysis carries within itself a knowledge about the possibilities of treatment and repositioning of the subject in front of his desire, this work aims to carry out an investigation about the indifference as a modality of suffering of our time, mobilizing the conceptual psychoanalytic network of Freud and Lacan, by various means that can instrumentalize us in the construction of hypotheses about possible statutes of indifference in the clinical / political field. We understand its incidence within a political context marked by generalized narcissism within neoliberalism, which produces a logic of exclusion and denial of difference, as well as an indifferentiation of the subjects within the mass. The indifference enters the scene articulated to the different processes of the subjective constitution, read through the notions of indifference, identification and alienation. The presence of indifference today is marked by diverse aspects, which act in an intricate way. The fixation on rigid identities relegates the subject to a precariousness regarding the recognition of the difference, culminating in extreme situations of hatred and fanaticism. A deep attachment to the dictates of our time contributes to the emergence of intolerant individuals in the encounter with the stranger within themselves and others, as well as effecting indifference as a valued synonymous to success and self-realization. Depressive indifference is set against the market logic, which makes it unwanted in the social context. From this we conclude that psychoanalysis can deal with what hurts in indifference, not offering consistency to the demands of increased self-control and ideals of isolation, but rather helping in the production of necessary indifference in the face of hyper-reactivity in face of differences
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
ferraz_me.pdf (1.01 Mbytes)
Data de Publicação
2018-11-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.