• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2014.tde-11122014-101527
Documento
Autor
Nome completo
Patricia de Oliveira Lima Muñoz
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Otta, Emma (Presidente)
Chelini, Marie Odile Monier
Mello, Claudia Berlim de
Título em português
Terapia assistida por animais - Interação entre cães e crianças autistas
Palavras-chave em português
Autismo
Cão
Terapia assistida por animais
Resumo em português
Existem diversos relatos anedóticos de casos de sucesso em terapia para crianças com autismo onde foi inserido um cão como co-terapeuta. Além destes relatos algumas poucas pesquisas apoiam a eficiência da Terapia Assistida por Animais (TAA) para melhorar habilidades sociais de pessoas com autismo. No entanto quais aspectos do comportamento do cão são responsáveis por este resultado, permanecem obscuros. A presente pesquisa é parte de um estudo que visou testar os benefícios da introdução de um cão na terapia com crianças autistas. Foram observadas as interações entre crianças com autismo severo (4 meninos e 2 meninas de 8-14 anos) e cães, durante a TAA estruturada com procedimento de operante-livres, com interesse na iniciativa de início e término de contato. Realizamos 20 sessões em blocos com e sem cão. Todas as sessões foram filmadas. Foram analisadas as filmagens da primeira e da última sessão com cão (sessão 7 e sessão 20) avaliando: a frequência de aproximação, o tempo perto (ao alcance do braço), o tempo longe, o contato físico, sorrisos e vocalizações. Usamos um índice desenvolvido pelo etólogo Robert Hinde: % Aproximação devida à Criança (ApC) - % de Afastamento devida à Criança (AfC). Os cães permaneceram perto das crianças durante a maior parte do tempo (81% na primeira sessão e 99% na última). Houve mudança de tolerância por parte das crianças que não se tornaram aproximadoras, mas menos afastadoras (%ApC - %AfC: -12% na primeira sessão para -1% na última). Observações qualitativas mostraram diminuição no contato negativo com o cão e aumento no engajamento nas atividades propostas. Os cães, merecedores do título Canis empathicus, pareciam perceber pistas sobre como se comportar numa sessão, permanecendo à disposição da criança mesmo quando estas não respondiam e nem os incentivavam. A mudança de comportamento das crianças pode ter ocorrido devido a emoções positivas suscitadas pelo cachorro. Especialmente notável foi a mudança no comportamento de L.S., que nas primeiras sessões ficava de costas para a terapeuta, num canto da sala, e ao final brincava com o cão e interagia com a terapeuta. Nossos resultados podem ser uma pista para o sucesso da inserção de um cão em Terapia Assistida por Animais, para indivíduos com transtorno autista: abriu-se uma janela de oportunidades de aprendizagem
Título em inglês
Animal Assisted Therapy interaction between dogs and autistic children
Palavras-chave em inglês
Animal assisted therapy
Autism
Dog
Resumo em inglês
There are many anecdotal reports of successful cases in therapy for children with autism, where a dog was inserted as co-therapist. In addition to these reports a few studies support the effectiveness of Animal Assisted Therapy (AAT) to improve social skills of people with autism. However, which aspects of the dog behavior are responsible for this result remain unclear. This work is part of a study of the benefits of introducing a dog in the therapy of autistic children. We observed interactions between children with severe autism (4 boys and 2 girls from 8-14 years old) and dogs during TAA structured free-operant procedure, with interest in the start and end of contact. Twenty (20) sessions were conducted in blocks with and without the dog. All sessions were video taped. We analyzed the recordings of the first and last sessions with the dog (session 7 and session 20) evaluating: the frequency of approach and the length of time close (within arm's reach), length of time away from physical contact, smiles and vocalizations. We used an index developed by the ethologist Robert Hinde: % of Approach due to the Child (ApC ) - % of distancing due to the Child (AfC). The dog remained close to the children during most of the time (81% in the first session and 99% in the last one). There was a change in the tolerance of children who have not become approachable, however less distant (ApC % - % AfC: -12 % in the first session to -1% in the last one). There was also a decrease in negative contact to the dog by the child and the emergence of the behavior of engaging in proposed activities. The dogs, deserving the title Canis empathicus, seem to perceive clues on how to behave in a session, remaining available to the children even when they do not respond nor encourage them. Changes in the children's behavior may be due to positive emotions raised by the dog. Especially notable was the change in the behavior of L.S., who during the first sessions stood with its back to the therapist, in a corner of the room, and at the end played with the dog and the therapist. Our results may be a clue to the relative success of the inclusion of a dog in Animal Assisted Therapy for individuals with autistic disorder: a window of opportunities for learning was opened
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
munoz_me.pdf (38.58 Mbytes)
Data de Publicação
2014-12-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.