• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2018.tde-04092018-165405
Documento
Autor
Nome completo
Vitor Orquiza de Carvalho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Coelho Junior, Nelson Ernesto (Presidente)
Honda, Helio
Loffredo, Ana Maria
Pessoa Junior, Osvaldo Frota
Simanke, Richard Theisen
Título em português
O território da ciência da natureza em Freud
Palavras-chave em português
Filosofia da psicanálise
Metapsicologia
Naturalismo
Psicanálise
Sigmund Freud (1856-1939)
Resumo em português
Ao longo de toda sua obra, Freud não abandona a proposta de que a psicanálise é uma ciência da natureza. Com isso, além de gerar um extenso debate sobre a legitimidade dessa proposta, ele evidencia que o horizonte filosófico mais condizente com suas hipóteses é o naturalismo. Certas ressonâncias desse horizonte aparecem em argumentos de teor epistemológico, metodológico e ontológico, revelando que o aparelho psíquico por ele formulado não pretende exceder o território dos fenômenos naturais e de caráter empirista. O objetivo principal desta pesquisa é investigar esses argumentos para oferecer uma compreensão sobre a concepção freudiana de ciências da natureza e o que ela pode oferecer em termos de sua versão de naturalismo. Para tanto, tomamos o critério elaborado por determinadas filosofias contemporâneas que dividem o naturalismo em um componente metodológico e outro ontológico. Critério este que permite levantar a hipótese de que, sem desconsiderar o naturalismo metodológico, Freud não pode renunciar ao naturalismo ontológico. Ele precisa se comprometer com a hipótese metafísica de que todos os fenômenos são naturais, e a razão para isso encontra-se em outra caracterização que atribuímos à sua atitude epistemológica: a de ser fenômenoorientado. Entre permanecer em concordância com teorias científicas predominantes ou se deixar guiar por aquilo que legitima como fenômeno, Freud escolhe sempre a segunda opção. Essa atitude implica a necessidade de expressar quais devem ser os modos de naturalização apropriados para fenômenos que não condizem com o modelo oferecido por outras ciências da natureza. A pesquisa busca então circunscrever três momentos decisivos da obra freudiana que nos permitem discutir e analisar esses modos de naturalização. Esses momentos agrupam conceitos e concepções concentradas principalmente nos textos Projeto para uma psicologia (1895), A interpretação dos sonhos (1900), Três ensaios sobre a teoria sexual (1905) e Pulsões e destinos das pulsões (1915). Por meio de um estudo sobre temas diversos relacionados à natureza do conhecimento científico, decorre de nossa análise a proposta de que um compromisso ontológico se manifesta em todas as concepções de mente que Freud elabora. Presente, inclusive, desde Sobre a concepção das afasias (1891), este compromisso faz que os termos ontológicos dos fenômenos psíquicos sejam mais bem compreendidos com base no que Freud designa como processo. Ao final, sugerimos que, por causa do estabelecimento desse compromisso, torna-se possível compreender a metapsicologia freudiana por meio de um caráter de indispensabilidade
Título em inglês
The territory of natural sciences in Freud
Palavras-chave em inglês
Metapsychology
Naturalism
Philosophy of psychoanalysis
Psychoanalysis
Sigmund Freud (1856-1939)
Resumo em inglês
Throughout his work, Freud never abandons the proposal that Psychoanalysis is a Natural science. As a result, in addition to generating an extensive debate on the legitimacy of this proposal, he shows that the philosophical horizon best suitable to his hypothesis is naturalism. Certain resonances of this horizon appear in arguments of epistemological, methodological and ontological content, revealing that the psychic apparatus formulated by Freud does not intend to surpass the territory of natural phenomena and of empiricist character. The main objective of this research is to investigate these arguments to provide an understanding about the Freudian conception of Natural sciences and what it can offer in terms of his version of naturalism. To this end, we borrow the criteria elaborated by certain contemporary philosophers that divide naturalism into one methodological and other ontological component. This criterion allows us to present the hypothesis that, without disregarding the methodological naturalism, Freud cannot renounce the ontological naturalism. He needs to commit to the metaphysical hypothesis that all phenomena are natural, and the reason for this lies in another characterization that we attribute to his epistemological attitude: the fact of being phenomenon-oriented. Between remaining in accordance with prevailing scientific theories or allowing himself to be guided by what he legitimizes as phenomenon, Freud always chooses the second option. This attitude implies the need to express which should be the appropriate naturalization modes for phenomena that do not match with the model offered by other natural sciences. Thus, this research aims to circumscribe three decisive moments of the Freudian work that allow us to discuss and analyze these modes of naturalization. These moments bring together concepts and conceptions concentrated mainly in the texts Project for a Scientific Psychology (1895), The Interpretation of Dreams (1900), Three Essays on the Theory of Sexuality (1905) and Instincts and their Vicissitudes (1915). Based on a study on several themes related to the nature of the scientific knowledge, the proposal that a ontological commitment is manifested in every conceptions of mind that Freud elaborates results from our analysis. Being present since On Aphasia (1891), this commitment causes the ontological terms of psychic phenomena to be better understood, based on what Freud names as process. In the end, we suggest that, because of the establishment of this commitment, it is possible to understand the Freudian metapsychology through a character of indispensability
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
carvalho_do.pdf (1.41 Mbytes)
Data de Publicação
2018-09-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.