• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.44.1996.tde-22102015-144514
Documento
Autor
Nome completo
Sergio Vieira Freire Borges
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1996
Orientador
Banca examinadora
Brito Neves, Benjamim Bley de (Presidente)
Campos Neto, Mario da Costa
Hackspacher, Peter Christian
Título em português
Geologia da região do médio Curimatau (PB) e o alojamento do granito de Dona Ines associado a zonas de cisalhamento transcorrentes brasilianas
Palavras-chave em português
Geologia estrutural
Resumo em português
Numa área de aproximadamente 700 km2 no nordeste da Paraíba e tendo como ponto principal o Município de Dona Inês, foi realizado um mapeamento geológico/estrutural, um levantamento gravimétrico e datações radiométricas pelos métodos Rb/Sr em rocha total e idades modelo Sm/Nd, com intuito de estudar e compreender a geologia dessa porção de terreno, o alojamento do granitoide de Dona Inês e sua relação com as encaixantes e a deformação atuantes à época da intrusão. A área estudada foi primeiramente objeto de um mapeamento geológico realizado em 1974 pelo DNPM/CPRM no Projeto Leste da Paraíba e Rio Grande do Norte, na escala de 1:250.000, como também foi tema de uma dissertação de mestrado com ênfase em petrologia e geocronologia, desenvolvida por McMurry (1982). O presente trabalho possui um enfoque estrutural, e procura compreender as relações intrusão/encaixante, assim como o controle da intrusão pelas zonas de cisalhamento existentes, numa tentativa de elaborar um modelo para a ascensão e alojamento do plúton de Dona Inês. As ferramentas utilizadas para a obtenção desse objetivo foram: mapeamento geológico/estrutural na escala de 1:100.000, gravimetria e geocronologia. A área cartografada é compreendida principalmente por rochas pré-cambrianas de idades variadas (paleoproterozóicas e neoproterozóicas) e divididas em três unidades litológicas de acordo com critérios petrográficos e estruturais, localizadas no domínio estrutural do Maciço São José de Campestre-Caldas Brandão. A unidade mais antiga é aqui nomeada de Complexo gnáissico-migmatítico, sendo constituída principalmente por ortoderivadas tonalíticas a granodioríticas, gnaissificadas e migmatizadas em alto grau. A segunda unidade é uma sequência metassedimentar que mantêm contato tectônico com o embasamento. É constituída por biotita-gnaisses e micaxistos. A mineralogia também atesta grau metamórfico elevado. No biotita-gnaisse são visíveis feições de migmatização. A terceira unidade mapeada é constituída por granitoides intrusivos nas unidades supracitadas. São eles o augen gnaisse sienogranítico de Araras, o quartzo monzonito e tonalito de Belém e o granitoide de Dona Inês. Coberturas arenosas fanerozóicas na forma de tabuleiros constituem a unidade litológica mais recente da estratigrafia da área. À exceção do pacote sedimentar fanerozóico, as demais unidades passaram por uma complexa atividade tectonometamórfica. Foram definidas três fases de deformação/metamorfismo. A mais antiga, aqui nomeada de Nn/Mn é restrita ao Complexo gnáissico-migmatítico. É caracterizada por um bandamento gnáissico de transposição. Os efeitos do metamorfismo associado foram obliterados pelos eventos subsequentes, mas feições de migmatização preservadas lhe conferem o fácies anfibolito superior. A fase intermediária, Dn+1/Mn+1, afeta também a sequência metassedimentar. Suas características principais são foliações de baixo ângulo e dobras recumbentes apertadas a isoclinais. O metamorfismo possui gravado várias paragêneses do fácies anfibolito, com a presença de granada, andaluzita e estaurolita nos micaxistos. Determinações Rb/Sr em rocha total nos tipos migmatizados do Complexo gnáissico-migmatítico resultaram numa idade de 1884 '+ OU -' 52 Ma para o metamorfismo Mn+2. A fase Dn+2/Mn+2 é a mais penetrativa. Afeta também os granitoides e possui uma cinemática transpressiva ligada a Orogênese Brasiliana. Zonas de cisalhamento, dobras de planos axiais verticalizados, foliação Sn+2 de mergulho forte e lineação de estiramento de baixo rake são características. Seu trend é NNE. Na área estudada, ocorrem duas zonas de cisalhamento regionais. A de Pocinhos-Remígio e sua ramificação, a de Cacerengo. A junção de ambas se dá a SW da área mapeada. Paragêneses minerais conferem um caráter retrogressivo ao fácies xisto verde para o metamorfismo Mn+2. Situado entre as zonas de cisalhamento de Pocinhos-Remígio e o Cacerengo, o plúton de Dona Inês, um granitoide com seis fácies petrográficas distintas, apresenta uma forma de elipse achatada horizontalmente (2 km de espessura) e alongada (com cerca de 22 km) paralelamente ao trend regional Sn+2 de direção NE. O plúton, em superfície, possui uma forma de elipse alongada e seu fabric interno, uma foliação sinmagmática, é subconcordante com o trend das zonas de cisalhamento regionais e forma com estas uma típica relação S-C com assimetria dextral de grande escala. Todavia, este fabric é pouco penetrativo mesmo nas proximidades das zonas de alto strain. Estas evidências levaram a formalização de um modelo de alojamento controlado pelos cisalhamentos, embora mais tardio ao pico da deformação Dn+2 e relacionado a uma ponte transtracional, responsável pela abertura de uma cavidade tectônica para acomodação da intrusão num regime transpressivo dextral, também já conhecido em outros setores do Nordeste Brasileiro. A idade do plúton de Dona Inês, determinadas pelo método Rb/Sr em rocha total, situa-se no intervalo de 560 '+ OU -' 20 Ma que também é considerado o final do Ciclo Brasiliano na região. Idades modelo Sm/Nd nos granitoide de Araras, Belém e Dona Inês revelaram idades paleoproterozóicas para seus protólitos de origem crustal, conforme indicado pelo 'épsilon' Nd negativo dessas rochas.
Título em inglês
Not available.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
In an area of about 700 km2 located in the northeast of Paraíba State and having as main point the town of Dona Inês, geologic/structural mapping, a gravimetric survey and radiometric dating using the Rb/Sr method in whole rock and Sm/Nd model ages werw undertaken in order to study and to understand the geology of this portion of terrain, the emplacement of the Dona Inês granitoid and its relationship with the enclosing rocks and the deformation acting the time of the intrusion. The studied area was first mapped in 1974 by DNPM/CPRM in the Eastern Paraíba and Rio Grande do Norte Project, at the 1:250.000 scale, and was the theme of Masters dissertation on petrology and geochronology, developed by McMurry (1982). The present work has a structural emphasis and attempts to understand the relationships between intrusion and enclosing rocks as well the intrusion control by existing shear zones, aimimg toward the development of a model for the ascent and emplacement of Dona Inês pluton. The tools used to attain this goal were: geologic/structural mapping, in at the 1:100.000, gravimetry and geochronology. The mapped area is mainly comprised by Precambrian rocks of varied ages (paleoproterozoic and neoproterozoic) separated into three litologic units according to petrographic and structural criteria, located in the structural domain of the São José de Campestre-Caldas Brandão Massive. The oldest unit is here referred to as the gneissic-migmatite complex, mainly constituted by high grade tonalitic and granodioritic orthogneisses. The second unit is a metassedimentary sequence that lies in tectonic contact with the basement. It is made up of biotite-gneisses and micaschists. Their mineralogy attests a high metamorphic sgrade. Evidence of migmatization is visible in the biotite-gneiss. The third mapped unit is constituted by granitoids intruded in the two other units. They are the Araras syenogranite augen gneiss, the Belém quartz-monzonite and tonalite and the Dona Inês granitoid. Flat-lying fanerozoic arenaceous covers constitute the most recent litologic unit in the stratigraphy of the area. Apart the fanerozoic sedimentary package, the remaining units have passed through a complex tectonometamorphic activity. Three deformation/metamorphism phases were defined. The oldest one, here named Dn/Mn, is restricted to the gneissic-migmatite complex. It is characterized by a transposed gneissic banding. The effects of the associated metamorphism were obliterated by the subsequent events, however preserved migmatization features record upper amphibolite facies. The second phase, Dn+1/Mn+1, also affected the metassedimentary sequence. Its main characteristics are low-angle foliations and tight to isoclinal recumbent folds. The metamorphism has recorded several associations of the amphibolite facies with the presence of garnet, andaluzite and staurolite in the schists. Rb/Sr dating in whole rock in migmatized types of gneiss-migmatite complex has resulted in an age of 1,884 '+ ou -' 52 Ma for the metamorphism Mn+2. The Dn+2/Mn+2 phase is the most penetrative. It also affects the granitoids and has a transpressive kinematic related to the Brasiliano Orogeny. Shear zones, folds with vertical axial planes, a strong by dipping foliation Sn+2 and a low angle stretching lineation are the characteristics of this phase. It has a NNE structural trend. In the studied area, two regional shear zones occur. The Pocinhos-Remígio shear zone and its ramification, the Cacerengo shear zone. The point of ramification occurs in the southwestern portion of the mapped area. The mineral paragenesis record a retrogressive character toward the greenschist facies for Mn+2. Situated between the Pocinhos-Remígio and Cacerengo shear zones, the Dona Inês pluton, a granitoid with six different petrographic facies, shows a horizontally flat ellipsoidal shape (2 Km thick) and elongated (about 22 Km) parallel to the Sn+2 regional NE trend. At the surface, the pluton, has an elongated ellipsoidal shape and its internal fabric, a sinmagmatic foliation, in subconcordant with the regional trend shear zones and forms with these a typical S-C relation within large-scale dextral asymmetry. However, this fabric is a weak even at the vicinities of the high strain zones. These lines of evidence lead to the construction of an emplacement model controlled by the shear zones, although later than the Dn+2 deformation peak and related to a transtractional component, which is responsible for the opening of a tectonic cavity for intrusion accommodation on a dextral transpressive regime, well documented in other sectors of Brazilian Northeast. The age of the pluton of Dona Ines was determined by the Rb/Sr whole rock method as 560 '+ OU -' 20 Ma (end of Brasiliano Cycle in the region). Sm/Nd model ages in granitoids of Araras, Belém and Dona Inês have revealed paleoproterozoic ages for their crustal sources, as indicated by the negative 'épsilon' nd of this rocks.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Borges_Mestrado.pdf (19.16 Mbytes)
Data de Publicação
2015-10-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.