• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.41.2016.tde-30112016-112013
Documento
Autor
Nome completo
Janayne Gagliano
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Furlan, Cláudia Maria (Presidente)
Guaratini, Maria Tereza Grombone
Salatino, Maria Luiza Faria
Título em português
Análise do potencial farmacológico de Merostachys pluriflora Munro ex. E. G. Camus., uma espécie de bambu nativo da Mata Atlântica
Palavras-chave em português
Anti-HIV-1
Antimicrobiano
Antioxidantes
Bambus
Mata Atlântica
Substâncias fenólicas
Resumo em português
Diferentemente do que muitos imaginam, o Brasil é detentor da maior diversidade de espécies de bambus dos países do Novo Mundo. O conhecimento sobre o potencial de aplicações de bambus nativos é extremamente subdesenvolvido em comparação ao de espécies asiáticas. Considerando que as espécies asiáticas são utilizadas na medicina popular e se têm relatos de várias atividades biológicas atribuídas à presença de flavonoides e outras substâncias fenólicas de interesse, espécies de bambu do Neotrópico são potenciais fontes de bioativos. Utilizando-se essa premissa, Merostachys pluriflora, uma espécie nativa de bambu, foi escolhida como modelo de estudo. Este trabalho teve como objetivos quantificar o teor de amido, carboidratos solúveis, lipídeos, fenóis totais, flavonoides, taninos totais e proantocianidinas de folhas e colmos de M. pluriflora; e avaliar o potencial biológico dos seus extratos, fases e substâncias isoladas através de ensaios in vitro da capacidade antioxidante, anti-HIV-1 e antibacteriana. Foi possível observar que o extrato bruto de folhas rendeu o dobro do extrato de colmo e que as fases obtidas com solventes mais polares, como a fase hidrometanólica, apresentaram maiores rendimentos. Dos metabólitos primários quantificados em M. pluriflora, os lipídeos se destacaram em conteúdo em ambos os órgãos estudados. Com relação as substâncias fenólicas, foi possível observar que o extrato bruto dos colmos apresentou uma maior abundância de fenilpropanoides e derivados do ácido clorogênico, enquanto o extrato bruto das folhas apresentou uma maior abundância de flavonoides, quando comparadas aos colmos. Das substâncias fenólicas presentes em M. pluriflora, foram identificadas duas flavonas, a vitexina e a isovitexina; e três fenilpropanoides, o ácido cafeíco, ácido ferúlico e o cafeato de metila. Das fases geradas por partição, a de acetato de etila e de diclorometano, para ambos os órgãos, foram as que apresentaram a maior parte dos constituintes fenólicos, sendo as fases de acetato de etila mais ricas em flavonoides e as de diclorometano em fenilpropanoides. No geral, os extratos brutos, assim como as fases de folhas e colmos de M. pluriflora, apresentaram um grande potencial antioxidante, principalmente antiradicalar e redutor de ferro, apresentando valores de EC50 de 16,30 μg/mL a 94,77 μg/mL no ensaio ABTS, no ensaio FRAP esses valores variaram de 27,92 μg/mL a 145,78 μg/mL. No ensaio antibacteriano, especialmente frente à P. pally, a fase de diclorometano de folhas se mostrou mais ativa, com MIC50 de 126,22 μg/mL o que pode indicar que as substâncias fenólicas de caráter lipofílico, nessa espécie, são promissoras para essa atividade. Embora o ensaio anti-HIV1 mostrou que as amostras não apresentam atividade antirretroviral, este estudo contribui para o conhecimento do potencial antiviral dos extratos de bambus brasileiros. M. pluriflora se mostrou uma espécie promissora para estudos de prospecção, com uma grande quantidade de substâncias fenólicas em sua composição
Título em inglês
Analysis of the pharmacological potential of Merostachys pluriflora Munro ex. E. G. Camus., a specie of native bamboo from Atlantic Forest
Palavras-chave em inglês
Anti-HIV-1
Antimicrobial
Antioxidants
Atlantic Forest
Bamboo
Phenolic compounds
Resumo em inglês
Brazil is the country with the highest diversity of bamboo species in the New World. Knowledge about the medicinal potential of native bamboos is extremely underdeveloped when compared to Asian species. Some Asian bamboo species are used in folk medicine and have reports of various biological activities attributed to the presence of phenolic compounds, so bamboo species of the Neotropics are potential sources of bioactive substances. Using this assumption, Merostachys pluriflora, a native bamboo species, was chosen as a model for this study. The aimed of this study was to quantify the contents of starch, soluble carbohydrates, lipids, total phenols, flavonoids, total tannins and proanthocyanidins in leaves and culms of M. pluriflora; and evaluate the biological potential of the extracts, phases and isolated substances through in vitro assays: antioxidant activity, anti-HIV1 and antibacterial activity. It was observed that the crude extract of leaves yielded twice more than the culm extract; phases obtained with more polar solvents, such as hydromethanolic phases, had the highest yields. Lipids were the class of primary metabolites that presented higher quantities on both organs studied. Regarding the phenolic substances, it was observed that the crude extract of culms presented higher abundance of phenylpropanoids and chlorogenic acid derivates, but the crude extract from leaves showed higher abundance of flavonoids (all of then derived from apigenin) when compared to culms. Were identified two flavones, vitexin and isovitexin, and three phenylpropanoids, caffeic acid, ferulic acid and methyl caffeate. Phases using ethyl acetate and dichloromethane as extraction solvents were those that retained the majority of phenolic constituents. Ethyl acetate phase presented flavonoids while dichloromethane phase presented phenylpropanoids as major contituients. In general, the crude extracts and phases from leaves and culms of M. pluriflora showed antioxidant activity, especially antiradical and iron reducer capacity, presenting EC50 values of 16.30 mg/mL to 94.77 mg/ml in ABTS assay. For FRAP assay these values ranged from 27.92 mg/mL to 145.78 mg/mL. In the antibacterial assay, especially for P. pally, the dichloromethane phase from leaves was more active, presenting MIC50 of 126.22 mg/mL. This might indicate that the lipophilic phenolic present in this species of bamboo are promising for antibacterial activity. Although the anti-HIV1 assay showed that the samples do not present antiretroviral potential, this study contributes to the knowledge of the antiviral potential of Brazilian bamboo species. M. pluriflora showed to be a promising species for prospecting studies, with a large amount of phenolic substances in its composition
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-12-21
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.