• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.41.2015.tde-27082015-112618
Documento
Autor
Nome completo
Karen Lucia Mayumi Sasaki
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Menezes, Nanuza Luiza de (Presidente)
Cury, Graziela
Demarco, Diego
Título em português
Estudos morfoanatômicos em órgãos vegetativos de Cordyline fruticosa (L.) Chevalier, C. australis (G. Forst.) Endl. e C. spectabilis Kunth & Bouché
Palavras-chave em português
Cordyline
MES
Periciclo
Rizóforo
Resumo em português
As plantas do gênero Cordyline possuem estruturas caulinares peculiares geralmente chamadas de rizoma. Um autor do início do século XX sugeriu que havia uma relação entre esse órgão de Cordyline e o órgão formador de raiz de Selaginella. O termo rizóforo foi originalmente cunhado para Selaginella e significa "órgão portador de raízes" e também passou a ser aplicado aos órgãos caulinares subterrâneos de Vernonia, Dioscorea e Smilax e ao que tradicionalmente era chamado de raiz aérea em Rhizophora mangle. Recentemente admitiu-se que as estruturas de Cordyline fruticosa são rízóforos, mas nenhum estudo de desenvolvimento foi apresentado a fim de confirmar tal hipótese. Rizóforo é um caule com geotropismo positivo não originário da plúmula do embrião, presente em plantas com sistema caulinar bipolar de ramificação, isto é, a planta possui ramos aéreos, as quais tem geotropismo negativo e formam folhas, e ramos basais, os quais tem geotropismo positivo e formam raízes. Em Cordyline, os rizóforos se desenvolvem a partir de gemas laterais e possuem crescimento secundário do mesmo modo que o eixo aéreo. O espessamento do caule de Cordyline já foi amplamente analisado em sua porção aérea, mas trabalhos a respeito da porção caulinar subterrânea são mais escassos. Esse espessamento é resultado direto e indireto da atuação do periciclo. No corpo primário, o periciclo produz tecido vascular adicional aumentando o diâmetro do caule concomitante com a atividade meristemática da endoderme. O periciclo ainda é o responsável pela formação do MES, o qual proporciona o espessamento secundário e atua de maneira semelhante na porção aérea e no rizóforo, com pequena variação. A vascularização das raízes adventícias conecta-se à vascularização do caule pelo periciclo durante o crescimento primário e pelo MES durante o crescimento secundário. As características morfológicas e anatômicas do rizóforo estão diretamente relacionadas com uma maior produção de raízes, assim, sua principal função é o aumento da rizosfera. Outras funções importantes dessa estrutura é o acúmulo de reservas e a reprodução vegetativa. O presente estudo averiguou a natureza dos órgãos subterrâneos de Cordyline fruticosa, C. australis e C, spectabilis, através de estudos anatômicos e observações do desenvolvimento ontogenético.
Título em inglês
Morphoanatomical studies in vegetative organs of Cordyline fruticosa (L.) Chevalier, C. australis (G. Forst.) Endl. e C. spectabilis Kunth & Bouché
Palavras-chave em inglês
Cordyline
MES
Pericycle
Rhizophore
Resumo em inglês
Plants of the genus Cordyline possess distinctive caulinar structures usually known as rhizomes. An author from the early twentieth century suggested that there was a relationship between this organ in Cordyline and the root-generating organ in Selaginella. The term rhizophore - meaning "root-bearing organ" - was coined originally for Selaginella and was later applied to the subterranean stem organs of Vernonia, Dioscorea and Smilax and to the structures traditionally known as aerial roots in Rhizophora mangle. Recently, these structures in Cordyline fruticosa have been categorized as rhizophores, but this hypothesis has not previously been confirmed by any published developmental study. A rhizophore is a stem with positive geotropism which does not arise from the plumule of the embryo, and is present in plants with a stem system having bipolar branching, i.e. with aerial branches, which have negative geotropism and form leaves, and basal branches, which have positive geotropism and form roots. The rhizophores of Cordyline develop from lateral buds and have secondary growth of the same type as in the aerial axis. The stem thickening of Cordyline has already been extensively studied in its aerial parts, but there are few such studies regarding the subterranean part of the stem. This thickening is the direct and indirect result of the activity of the pericycle. In the primary body, the pericycle produces additional vascular tissue, which increases the diameter of the stem concomitant with the meristematic activity of the endodermis. The pericycle is also responsible for the generation of the STM, which provides the secondary thickening and functions in a similar way in the aerial stem and the rhizophore, with little variation. The adventitious roots vascular tissue are connected to the vascular system of the stem by the pericycle during primary growth and by the STM during secondary growth. The morphological and anatomical features of the rhizophore are directly related to an increased production of roots, and thus its main function is the rhizosphere expansion. Beside that, the rhizophore is important as a storage organ and vegetative reproduction. The present study investigated the structure of the subterranean organs of Cordyline fruticosa, C. australis and C. spectabilis by anatomical techniques and observations of their ontogenetic development.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Karen_Sasaki_red.pdf (13.96 Mbytes)
Data de Publicação
2015-10-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.