• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Mariana Firmino Daré
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Scochi, Carmen Gracinda Silvan (Presidente)
Bueno, Mariana
Castral, Thaíla Corrêa
Minamisava, Ruth
Ribeiro, Laiane Medeiros
Título em português
Reatividade à dor na vacinação de lactentes entre dois e cinco meses de idade que receberam sacarose
Palavras-chave em português
Dor aguda
Enfermagem em Saúde Pública
Manejo da dor
Sacarose
Vacinação
Resumo em português
A vacinação constitui-se em uma estratégia eficaz na prevenção de doenças e redução da morbi-mortalidade. No entanto, isso expõe principalmente as crianças a procedimentos dolorosos, que podem acarretar em consequências, imediatas e a longo prazo, relacionadas à resposta de dor. Para minimizar essas consequências, diversas intervenções têm sido investigadas para alívio da dor decorrente da vacinação, entre essas destaca-se a sacarose. Apesar da efetividade comprovada da sacarose para alívio da dor em procedimentos únicos e na vacinação, sabe-se que diversos fatores podem interferir na reatividade à dor, e pouco se sabe sobre o uso repetido da sacarose nas vacinas igualmente repetidas nos primeiros meses de vida. Assim, com os objetivos de examinar os fatores que interferem na reatividade à dor na vacinação dos lactentes entre dois e cinco meses de idade que receberam sacarose, e avaliar e comparar a reatividade à dor na vacinação dos lactentes nessa idade, desenvolvemos um estudo transversal observacional que incluiu 272 lactentes que compareceram à sala de vacina do estudo para receber as vacinas propostas no calendário de vacinação para o estado de São Paulo, no período de outubro de 2014 a maio de 2015, e cujos pais ou responsáveis aceitaram participar da pesquisa, mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Foram excluídos: bebês que não residiam no município de Ribeirão Preto; os com suspeita ou intolerância a frutose; com doença congênita do sistema nervoso; com malformação ou prejuízos neurológicos severos; os que não seguiram o calendário regular de vacinação ou necessitavam de vacinas especiais. Foram coletados os dados de proporção da mímica facial, frequência cardíaca (FC) e choro nas fases basal (90s), pré-injeção (120s), injeção e pós-injeção (180s) e os fatores de exposição relacionados ao nascimento, a mãe e que antecedem o momento da própria vacina. Os dados comportamentais foram obtidos através da observação sistemática, com análise sequencial segundo a segundo. O banco de dados foi estruturado em planilha do Excel e exportado para o software SPSS. Para as análises, considerou-se como desfecho principal a proporção de mímica facial na fase injeção. No modelo de regressão linear não ajustada identificamos que houve influência para as variáveis de exposição: peso atual, número de gestações anteriores, mímica facial na fase basal, e FC na fase basal considerando um p<0,20. Para o modelo de regressão múltipla identificou apenas a influência da mímica facial na fase basal (p=0,001). Como fatores de risco, os testes t student para as variáveis numéricas de distribuição normal e Mann-Whitney para variáveis categóricas ou variáveis numéricas de distribuição não normal, identificamos risco para as variáveis mímica facial foi estatisticamente significante, apenas para as variáveis tipo de aleitamento materno (p=0,048) e FC (p=0,030), mímica facial (p=0,000) e choro (p=0,029). Para a análise de medidas repetidas (ANOVA-RM) identificamos que a proporção de mímica facial foi significativamente maior na administração das três vacinas consecutivas (pneumo + VIP + penta), em comparação com a vacina única (meningocócica), somente na fase pós-injeção (p<0,001). Para as participações repetidas duas ou três vezes do mesmo lactente (n=460), identificamos que a proporção de mímica facial diferiu estatisticamente entre as fases nos quatro grupos de diferentes idades (p>0,05), apresentando maiores valores na fase injeção. Concluímos que, apesar da efetividade da sacarose para alívio da dor, permanecem fatores de risco que interferem na reatividade à dor, principalmente diferenças na mímica facial no pós-injeção quando comparadas vacinas múltiplas e consecutivas (pneumocócica 10 valente, poliomielite injetável, pentavalente) versus vacina única (meningocócica C)
Título em inglês
Pain reativity in the vaccination of infants between two and five months of age, who received sucrose
Palavras-chave em inglês
Acute pain
Pain management
Public Health Nursing
Sucrose
Vaccination
Resumo em inglês
Vaccination is an effective strategy to prevent disease and reduce morbidity and mortality. However, this exposes patients, specially, children to painful procedures, which can lead to immediate and long-term consequences related to the pain response. To minimize these consequences, several interventions have been investigated to relieve pain resulting from vaccination, among which sucrose. Despite the proven effectiveness of sucrose for pain relief in single procedures and vaccination, it is known that several factors may interfere with reactivity to pain, and little is known about the repeated use of sucrose in the equally repeated vaccines in the first months of life. Thus, with the aim of examining the factors that interfere with reactivity to pain in the vaccination of infants between two and five months of age who received sucrose, and to evaluate and compare reactivity to pain in the vaccination of infants at this age, we developed an observational cross-sectional study which included 272 infants who attended the study's vaccine room to receive the vaccines proposed in the vaccination schedule for the State of São Paulo, from October 2014 to May 2015, and whose parents or guardians agreed to participate in the study through signed Free and Informed Consent Form. The following were excluded: infants who did not live in the city of Ribeirão Preto; those with suspected or intolerance to fructose; with congenital nervous system disease; with malformation or severe neurological impairment; those who did not follow the regular schedule of vaccination or needed special vaccines. Data were collected on the proportion of facial mimetic, heart rate and crying in the basal (90s), preinjection (120s), injection and post-injection (180s) and exposure factors related to birth and mother. Behavioral data were obtained through systematic observation, with sequential analysis according to each second. The database was structured in Excel spreadsheet and exported to SPSS software. For the analyzes, the main outcome was the proportion of facial mimetics in the injection phase. In the unadjusted linear regression model, we identified that there was influence on the variables of exposure: current weight, number of previous pregnancies, facial mimetic in the basal phase, and heart rate (HR) in baseline, considering a p<0.20. For the multiple regression model, only the influence of facial mimicry on the basal phase (p=0.001) was identified. As risk factors, student t tests for the numerical variables of normal distribution and Mann-Whitney for categorical variables or numerical variables of non-normal distribution, we identified risk for the variables; (p=0.048) and HR (p=0.030), facial mimetic (p=0.000) and crying (p=0.029). For the analysis of repeated measures (ANOVA-RM) we identified that the proportion of facial mimetics was significantly higher in the administration of the three consecutive vaccines (pneumo + VIP + penta), compared to the single (meningococcal vaccine), only in the post-injection phase (p<0.001). For repeated participation two or three times of the same infant (n=460), we identified that the proportion of facial mimicry differed statistically between the phases in the four groups of different ages (p>0.05), presenting higher values in the injection phase. We conclude that despite the effectiveness of sucrose for pain relief, risk factors that interfere with pain reactivity, mainly differences in facial mimicry post-injection when multiple and consecutive vaccines (10-valent pneumococcal, injectable polio, pentavalent) versus single vaccine (meningococcal C)
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2017-10-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.