• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2008.tde-19032008-162440
Documento
Autor
Nome completo
Larissa de Paula Braganholo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2008
Orientador
Banca examinadora
Almeida, Ana Maria de (Presidente)
Farina Junior, Jayme Adriano
Meirelles, Maria Cristina Cortez Carneiro
Título em português
A não realização de cirurgia reconstrutiva de mama: fatores associados, qualidade de vida e auto-estima
Palavras-chave em português
Mamoplastia
Mastectomia
Neoplasias mamárias
Qualidade de vida
Reabilitação
Resumo em português
A reconstrução mamária visa melhorar a qualidade de vida e auto-estima da mulher após câncer de mama. Atualmente, existe uma baixa procura pela cirurgia, e poucos estudos apontam os fatores relacionados à não-realização do procedimento. Objetivo: Descrever os fatores relacionados à não-realização da reconstrução mamária e investigar a qualidade de vida e auto-estima de mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama. Métodos: A amostra constituiu de 53 mulheres submetidas à cirurgia por neoplasia mamária, freqüentando um núcleo de reabilitação durante o período de agosto a dezembro de 2006, e que responderam a um formulário acerca da doença, do tratamento e dos fatores relacionados à não-realização de reconstrução. Foi aplicado o instrumento The Medical Outcomes Study 36-item Short Form Health Survey - MOS-SF36 - e a Escala de Auto-estima de Rosemberg. Resultados: A maioria das mulheres tinha idade superior a 50 anos, era casada, raça branca, baixa escolaridade e baixa classe econômica. Houve predomínio da cirurgia de mastectomia, com tempo médio decorrido após a cirurgia de 5,8 anos. A maioria das mulheres realizou radioterapia e quimioterapia e algumas evoluíram com limitação na amplitude de movimento e nas tarefas domésticas, linfedema, dor, entre outras complicações. Em relação à cirurgia reconstrutiva, todas as mulheres já tinham ouvido falar, mas nem todas foram orientadas pela equipe médica sobre essa possibilidade no momento da retirada do tumor. Os profissionais de saúde representaram a fonte de informação mais relatada pelas mulheres a respeito da cirurgia reconstrutiva, e foram também os sujeitos com os quais elas menos discutiram sobre o assunto. A maioria das mulheres conhecia o seu direito de realizar reconstrução pelo Sistema Único de Saúde e relatou que a cirurgia é de longa duração, envolve muitas etapas e pode ocorrer rejeição da prótese. A maior parte das entrevistadas relatou medo em realizar a cirurgia, por sofrimento e complicações após a técnica, e acrescentou que não faria a reconstrução, apesar de achar que estava na idade ideal e usar prótese externa. Houve predomínio de mulheres sem vida sexual ativa e satisfeitas com a auto-imagem. A maioria afirmou ter liberdade em usar qualquer tipo de roupa e relatou que se sente bem ao estar com roupa, com biquíni/maiô e sem roupa. Sobre a rede de suporte, houve mudanças positivas no relacionamento familiar e com o companheiro após a cirurgia por câncer de mama. A avaliação da qualidade de vida através do MOS-SF36 revelou menor escore para o domínio "dor", "aspectos físicos", "vitalidade", "saúde mental" e "capacidade funcional". O questionário de Auto-estima de Rosemberg obteve valor médio de 34,4 pontos. Conclusão: Os dados apontam adaptação das mulheres em face das conseqüências do tratamento de câncer de mama, não priorizando a realização de reconstrução mamária.
Título em inglês
Not having breast reconstruction: factors involved, quality of life and self-esteem
Palavras-chave em inglês
Breast Neoplasms
Mammaplasty
Mastectomy
Quality of life
Rehabilitation
Resumo em inglês
The goal of breast reconstruction is to improve woman's quality of life and self-esteem after breast cancer. Nowadays, there are fewer women that underwent this surgery, and few studies had investigated the reason why woman do not choose this procedure. Objective: Describe the factors involved to not having breast reconstruction and to investigate the woman's quality of life and self-esteem after breast cancer surgery. Methods: A sample of 53 women that underwent breast cancer surgery, taking part of a rehabilitation center during the period of august until december 2006, answered a questionnaire that included information about the disease, treatment and questions about why they did not have breast reconstruction. The Medical Outcomes Study 36-item Sort Form Health Survey - MOS-SF36 - and Rosemberg Self-Esteem Scale was administered. Results: The majority of the women was 50 years or older, married, white, low educational level and low economic status. Most woman underwent mastectomy and the average time since surgery was 5.8 years. The majority of the women received radiotherapy and chemotherapy and some of them had limitation of the movements and home activities, lymphedema, pain and others complications. About breast reconstruction surgery, all women had heard about it, but not all of them received information from their physicians about this possibility before breast surgery. Health professionals were related to be the more main source of information by woman and this was also the group that they had less discussion with. Most women knew about their right of having breast reconstruction by the public health care system, but claimed that the surgery is long, that multiple surgeries are needed and that the prosthesis can be rejected by their bodies. The majority of the women revealed fear of complications associated with the reconstruction and said that they would have not done the surgery, although they feel they are in a correct age and use external prosthesis. Most women did not have active sexual life and were satisfied with their body image. Most of them expressed freedom to wear any clothing and feel comfortable when fully dressed, with swim cloths or naked. About support groups, there were positive changes in the relationship with family and partner after breast cancer surgery. The MOS-SF36 showed lowest score to "bodily pain", "role-physical", "vitality", "mental health" and "physical functioning". Rosemberg Self-Esteem Scale received 34.4 average score. Conclusions: This study suggests woman's adaptation to the consequences of breast cancer treatment, not giving importance to breast reconstruction.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2008-03-31
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.