• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Danielle Satie Kassada
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Miasso, Adriana Inocenti (Presidente)
Carswell, Wendy Ann
Borges, Tatiana Longo
Santos, Manoel Antonio dos
Vedana, Kelly Graziani Giacchero
Título em português
Gestantes na atenção primária à saúde: transtornos mentais comuns, qualidade de vida e uso de drogas
Palavras-chave em português
Abuso de drogas
Atenção primária à saúde
Gestantes
Qualidade de vida
Transtornos mentais
Resumo em português
Essa pesquisa teve por objetivo geral identificar a prevalência de Transtornos Mentais Comuns (TMC), uso de drogas e a qualidade de vida (QV) em gestantes atendidas na atenção primária à saúde (APS) no município de Campinas, São Paulo. Trata-se de estudo quantitativo, de caráter correlacional, realizado de agosto de 2015 a agosto de 2016 com plano amostral estratificado e proporcional (n=287). Cada estrato foi formado pela Unidade Básica de Saúde sorteada, na área de abrangência de cada um dos cinco distritos de saúde da cidade. Foram instrumentos de pesquisa: questionário sociodemográfico, econômico, farmacoterapêutico e de histórico de saúde; o Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT) para o rastreamento do uso do álcool; o Self Reporting Questionnaire (SRQ-20), para estimar a prevalência de TMC e o World Health Organization Quality of Life Assessment-Brief (WHOQOL-brief), para mensurar escores de QV na amostra. TMC, QV e uso de drogas lícitas não prescritas e/ou ilícitas foram considerados variáveis dependentes. Para análise das variáveis TMC e uso de drogas lícitas não prescritas e/ou ilícitas foi utilizado o teste de regressão logística simples e múltipla e QV a regressão linear múltipla. Das 287 gestantes entrevistadas 30% foram positivas para TMC. As variáveis associadas à TMC foram: idade (OR 6,63), situação conjugal (OR 2,15), histórico de transtorno mental (OR 4,34), gravidez desejada (OR 3,33), idade gestacional (OR 5,86), relato de ter sofrido violência (OR 18,47) e uso de chá (OR 2,47). Identificou-se que 95,8% declararam ter utilizado pelo menos um medicamento durante a gravidez e desses 2,09% utilizaram sem prescrição. Em relação à classificação de risco, 58,47% dos medicamentos utilizados são da classe A; 30,87% da classe B; 8,84% da classe C, 1,09% da classe D e 0,73% sem classificação. Quanto ao uso de drogas lícitas não prescritas e/ou ilícitas 19,5% relataram o uso sendo a droga mais utilizada o álcool (8,71%), seguido do tabaco (6,61%); sete (2,43%) usaram essas duas substâncias concomitantemente e quatro (1,4%) utilizaram drogas ilícitas associadas ao álcool e/ou tabaco. Por meio do AUDIT, identificou-se que durante a gestação, 2,8% das mulheres foram classificadas como em uso de risco e 0,7% em provável dependência. As variáveis associadas ao uso de drogas lícitas não prescritas e/ou ilícitas foram idade (OR 6,91) e idade gestacional, sendo no segundo trimestre (OR 2,68) e no terceiro trimestre (OR 2,81). Quanto a QV, a média dos escores foi maior no domínio relações sociais enquanto o mais baixo foi no domínio meio ambiente.O preditor mais significativo para menor QV foi TMC. Assim, os achados desta pesquisa poderão ser utilizados na sensibilização dos profissionais da atenção primária, com vistas a maior adequação das ações desenvolvidas no pré-natal e redução de complicações tanto para a gestante quanto para o feto. Além disso, esses indicadores poderão subsidiar a elaboração e implementação de políticas públicas que proporcione uma assistência pré-natal mais integral e qualificada
Título em inglês
Pregnant Women in Primary health care: Common Mental Disorders, Quality of Life and use of Drugs
Palavras-chave em inglês
Mental disorders
Pregnant women
Primary health care
Quality of life
Substance-related disorders
Resumo em inglês
The objective of this research was to identify the prevalence of Common Mental Disorders (CMD), drug use and quality of life (QoL) in pregnant women treated at primary health care in the city of Campinas, São Paulo. It is a quantitative, correlational study, carried out from August 2015 to August 2016 with a stratified and proportional sampling plan (n = 287). Each stratum was formed by the Basic Health Unit drawn in the area of coverage of each of the five health districts of the city. They were research instruments: socio-demographic, economic, pharmacotherapeutic and health history questionnaire; The Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT) for tracking alcohol use; Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20), to estimate the prevalence of TMC and World Health Organization Quality of Life Assessment-Brief (WHOQOL-brief), to measure QoL scores in the sample. TMC, QV, and use of nonprescription and / or illicit drugs were considered dependent variables. The simple and multiple logistic regression test and multiple linear regression were used to analyze the MCT variables and use of nonprescription and / or illegal drugs. Of the 287 pregnant women interviewed, 30% were positive for CMD. The variables associated with CMD were: age (OR 6.63), marital status (OR 2.15), history of mental disorder (OR 4.34), desired pregnancy (OR 3.33), gestational age 86), suffered violence (OR 18.47) and tea (OR 2.47). It was identified that 95.8% reported having used at least one drug during pregnancy and 2.09% used no prescription. Regarding the classification of risk, 58.47% of the drugs used are class A; 30.87% of class B; 8.84% of class C, 1.09% of class D and 0.73% without classification. Regarding the use of nonprescription and / or illicit drugs, 19.5% reported the use of alcohol (8.71%), followed by tobacco (6.61%), seven (2.43%) Used these two substances concomitantly and four (1.4%) used illicit drugs associated with alcohol and / or tobacco. Through the AUDIT, it was identified that during pregnancy, 2.8% of the women were classified as using risk and 0.7% in probable dependence. The variables associated with nonprescription and / or illicit drug use were age (OR 6.91) and gestational age being in the second trimester (OR 2.68) and in the third trimester (OR 2.81). Regarding QOL, the mean of the scores was higher in the social relations domain while the lowest was in the environmental domain. The most significant predictor for lower QOL was CMT. Thus, the findings of this research may be used to raise awareness among primary care professionals, with a view to improving the adequacy of the actions developed during prenatal care and reducing complications for both the pregnant and the fetus. In addition, these indicators may support the development and implementation of public policies that provide more comprehensive and qualified prenatal care
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-02-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.