• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2007.tde-18122007-160711
Documento
Autor
Nome completo
Gisele Curi de Barros
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2007
Orientador
Banca examinadora
Labate, Renata Curi (Presidente)
Santos, Manoel Antonio dos
Turato, Egberto Ribeiro
Título em português
Aspectos psicológicos em mulheres com câncer ginecológico submetidas à braquiterapia num hospital universitário de Ribeirão Preto: um estudo clínico-qualitativo
Palavras-chave em português
Aspectos psicológicos
Braquiterapia
Câncer ginecológico
Método clínico-qualitativo
Resumo em português
Uma das modalidades de tratamento para mulheres acometidas pelo câncer ginecológico é a radioterapia interna, também conhecida como braquiterapia. Caracteriza-se pela colocação de materiais radioativos junto ao tumor. No caso daquele tipo de câncer, para se efetuar a irradiação, é necessário introduzir um aplicador dentro da vagina. Este tratamento pode ser bastante desconfortável para a mulher, tanto no momento da aplicação, quanto após a mesma. Neste sentido, estudos sobre o tema apontam não apenas para efeitos colaterais físicos, mas também para conseqüências psicológicas na qualidade de vida de pacientes tratadas por braquiterapia. Entretanto, tais estudos são ainda incipientes, tendo maior concentração na área de Enfermagem. É quase inexistente uma produção de caráter psicológico que aprofunde o conhecimento a respeito de questões emocionais em mulheres submetidas a esse procedimento invasivo. Sendo assim, esta pesquisa qualitativa objetivou compreender aspectos psicológicos em mulheres com câncer ginecológico submetidas a essa modalidade radioterápica. Para tanto, foram realizadas sete entrevistas abertas com mulheres em tratamento junto ao Serviço de Radioterapia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. As entrevistas foram áudio-gravadas, transcritas na íntegra e submetidas à análise de acordo com o método clínico-qualitativo, utilizando-se a psicanálise como marco teórico para a interpretação dos dados. Foi elaborado um diário de campo como instrumento auxiliar de pesquisa. Após realização das leituras flutuantes e análise do material, observou-se que a braquiterapia é sentida pelas mulheres como uma agressão, gerando intensa angústia, desespero e raiva. A manipulação na região vaginal, com entradas e saídas de objetos (aplicador, sonda, etc.), desencadeia vivências e efeitos físicos desagradáveis, como dor, ardência urinária, sensação de queimação. Em uma perspectiva psicanalítica, o tratamento é vivido como um objeto hostil e persecutório que é introduzido na intimidade sexual, afetando a mulher em sua feminilidade. A posição física em que as mulheres permanecem para receber a irradiação acarretou sensação de submissão, vergonha e exposição de sua intimidade. Ainda com relação a este tratamento, foram feitas associações e comparações com a experiência anterior de gravidez/parto, possivelmente pela existência de conflitos e questões inconscientes relacionadas ao nascimento, mas também à morte concretizada pela doença grave. As mulheres atribuíram significados ao surgimento do câncer ginecológico relacionados à vivência de depressão, à sexualidade e à gravidez/parto, sendo que se evidenciou uma culpa inconsciente pela doença. Para enfrentarem as vicissitudes do tratamento, as mulheres tiveram que se basear mais no princípio de realidade - buscar a remissão da doença através do tratamento e da confiança na equipe - do que no princípio de prazer (ou evitação do desprazer), mas com considerável sofrimento psíquico. Neste sentido, considera-se relevante pensar numa assistência psicológica às pacientes, com o intuito de minimizar possíveis efeitos psicológicos adversos associados à braquiterapia.
Título em inglês
Psychological aspects in women with gynecological cancer submitted to brachytherapy at a university hospital in Ribeirão Preto: a clinicalqualitative study
Palavras-chave em inglês
Brachytherapy
Clinicalqualitative method
Gynecological cancer
Psychological aspects
Resumo em inglês
One of the treatment modes for women affected by gynecological cancer is internal radiotherapy, also known as brachytherapy. It is characterized by the placement of radioactive material near the tumor. For that type of cancer, the irradiation requires the introduction of an applicator inside the vagina. This treatment can be quite uncomfortable for the women, both during and after the application. In this sense, research on the theme appoints not only physical collateral effects, but also psychological consequences for the quality of life of patients treated with brachytherapy. However, these studies are still incipient, with a greater concentration in the Nursing area. Production of psychological nature, which deepens knowledge about emotional issues in women submitted to this invasive procedure, almost does not exist. Thus, this qualitative research aimed to understand psychological aspects in women with psychological cancer submitted to this radiotherapeutic modality. Therefore, seven open interviews were held with women under treatment at the Radiotherapy Service of the University of São Paulo at Ribeirão Preto Medical School Hospital das Clínicas. The interviews were tape-recorded, fully transcribed and submitted to analysis according to the clinical-qualitative method, using psychoanalysis as a theoretical framework for data interpretation. A field diary was elaborated as an auxiliary research instrument. After floating reading and analysis of the material, it was observed that the women feel brachytherapy as an aggression, generating intense anguish, despair and rage. Manipulation in the vaginal region, with insertions and withdrawals of objects (applicator, probe, etc.), causes unpleasant experiences and effects, such as pain, urinary burning and a burning feeling. In a psychoanalytical perspective, treatment is experienced as a hostile and persecutory object, which is introduced in the sexual intimacy, affecting the woman in her femininity. The physical position in which women remain to receive the irradiation caused a feeling of submission, shame and exposure of their intimacy. Moreover, with respect to this treatment, associations and comparisons were made with previous experiences of pregnancy/delivery, possibly due to the existence of conflicts and unconscious questions related to birth, but also to death made real by the severe disease. The women attributed meanings to the appearance of gynecological cancer, related to the experience of depression, sexuality and pregnancy/delivery, evidencing an unconscious feeling of guilt about the disease. In order to face the vicissitudes of treatment, the women had to base themselves more on the reality principle - seeking the remission of the disease through treatment and confidence in the team - than on the principle of pleasure (or avoidance of displeasure), but accompanied by considerable mental suffering. In this sense, it is considered relevant to think of psychological care delivery to these patients, with a view to minimizing possible adverse psychological effects associated with brachytherapy.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Giselecuridebarros.pdf (685.22 Kbytes)
Data de Publicação
2008-01-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.