• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Nilton de Souza Campelo
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Carlos, 1994
Orientador
Banca examinadora
Cintra, José Carlos Angelo (Presidente)
Albiero, José Henrique
Massad, Faiçal
Título em português
Comportamento de estacas submetidas a esforços verticais de tração, em solo colapsível
Palavras-chave em português
Estacas
Provas de carga
Solo colapsível
Tração
Resumo em português
Este trabalho aborda uma análise comparativa dos resultados obtidos em provas de carga à tração, com os diversos métodos de previsão de carga última de estacas tracionadas. Os ensaios foram realizados no campo experimental de fundações do Departamento de Geotecnia da USP/São Carlos, sobre estacas apiloadas, escavadas a trado helicoidal e do tipo Strauss, com diâmetros de 20 a 32 cm, e comprimentos de 6 e 9 m. Observou-se que os métodos que consideram a ruptura na interface solo-estaca são os que conduzem a resultados mais satisfatórios de previsão. Ademais, estudou-se a colapsibilidade da ligação solo-estaca, uma vez que as estacas analisadas têm seu fuste embutido em solo de estrutura comprovadamente colapsível. Para tanto, realizaram-se as provas de carga primeiramente com o solo em estado natural e, posteriormente, inundado por 48 h, na carga de trabalho. Constatou-se o colapso da ligação solo-estaca nas cinco estacas, sendo que em três delas - duas escavadas e uma apiloada -, o colapso deu-se na carga de trabalho, com tempos de inundação inferiores a 48 h; nas outras duas estacas, após 48 h de inundação, prossegui-se normalmente com os incrementos de carga, ocorrendo o colapso para 60 e 78% das cargas respectivas de ruptura.
Título em inglês
Behavior of piles submitted to axial tensile forces in collapsible soil
Palavras-chave em inglês
Colapsible soil
Pile
Pile test
Tensile
Resumo em inglês
This dissertation deals with an analysis by comparison of results obtained with piles submitted to axial uplift foreces using several prediction methods of ultimate loads. The pile tests were performed in the Experimental Site of the Departament of Geotechnical Engineering of USP/São Carlos, on bored, hammed and Strauss pile types, with diameters varying from 0,20 to 0,32 m and 6 to 9 m long. It was observed that the methods that took into account the pile-soil interface failure yelded better results. Moreover, the pile-soil interface colapsibility was analyzed, once the shaft of the studied piles were embedded in soil whose structure are truly collapsible. For this, pile testings were performed both in the natural soil conditions and soaked during 48 h for working load. Collapse was observed in the pile-soil interface in five piles. For three of them (two of which were bored and one hammed) the failure took place with working loads under 48 h soaking time; in two others, the failure, occured after 48 h soaking time with loads equivalents to 60% and 78% of natural soil's ultimate loads, respectively.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-08-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.