• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.17.2006.tde-18012007-182909
Documento
Autor
Nome completo
Gleusa de Castro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2006
Orientador
Banca examinadora
Figueiredo, José Fernando de Castro (Presidente)
Duarte, Maria Irma Seixas
Fonseca, Benedito Antonio Lopes da
Lima, Maria Patelli Juliani Souza
Martinez, Roberto
Título em português
Análise histológica comparativa de biópsias hepáticas de pacientes com hepatite C crônica, co-infectados pelo HIV-1, realizadas antes e após o tratamento da hepatite C
Palavras-chave em português
Hepatite crônica C
Histologia hepática
Tratamento da epatite C
Vírus da imunodeficiência humana
Resumo em português
Sabe-se que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) pode modificar a história natural da infecção pelo HCV, acelerando a progressão da fibrose hepática e conseqüente evolução para cirrose. O tratamento com interferon-alfa pode levar à melhora da histologia hepática, reduzindo a inflamação e fibrose, principalmente nos pacientes que apresentam resposta virológica sustentada. O impacto do tratamento sobre a evolução histológica em pacientes não-respondedores ao tratamento da hepatite C apresenta resultados controversos. Objetivos: Avaliar, nos pacientes com hepatite C crônica, co-infectados pelo HIV, o impacto do tratamento da hepatite C, sobre as modificações de parâmetros indicativos de fibrose e atividade inflamatória, em biópsias de fígado realizadas antes e após o tratamento da hepatite C. Métodos: Foram estudados 26 pacientes co-infectados pelo HCV e HIV-1, submetidos à biópsia hepática antes e, em média, 25,2 meses após o término do tratamento da hepatite C. Fragmentos da biópsia hepática foram comparados, antes e após o tratamento, em relação aos seguintes parâmetros: Índice de Atividade Histológica (HAI) e o grau de Fibrose (Knodell); intensidade do depósito de colágeno (coloração pelo picrosirius) e o grau de ativação das células estreladas (marcação com alfa-actina de músculo liso). Os índices destas variáveis histológicas, pós e pré-tratamento, foram relacionadas com o resultado do teste qualitativo RNA HCV (RT-PCR-AMPLICOR?) na 24a semana de tratamento, com a duração do tratamento da hepatite C e com o intervalo de tempo entre a interrupção do tratamento e a biópsia-controle. Foi avaliada a relação de possíveis fatores prognósticos de resposta virológica com a resposta histológica e foram realizadas correlações dos parâmetros histológicos entre si. Resultados: Os parâmetros histológicos avaliados de forma global foram semelhantes nas biópsias pré e pós-tratamento. As razões pós/pré-tratamento, em todos os parâmetros avaliados nas biópsias hepáticas, diminuíram de forma significativa nos pacientes que apresentaram pesquisa negativa para o RNA HCV na 24ª semana de tratamento. Os parâmetros histológicos foram semelhantes nos grupos com duração de tratamentos diferentes (? 24 semanas e > 24 semanas), exceto as CEH células ?-positivas, que teve melhora no grupo com tratamento mais prolongado. O intervalo de tempo entre o final do tratamento e a biópsia-controle não influenciou a melhora histológica. Na análise de regressão logística, houve associação da melhora dos parâmetros histológicos com o resultado negativo do RNA HCV na 24ª semana de tratamento. Houve correlação significativa entre todos os parâmetros histológicos avaliados. Conclusões: Os pacientes avaliados em conjunto tiveram seus parâmetros histológicos nas biópsias pré e pós-tratamento com valores semelhantes, porém quando se definiu melhora histológica, como a manutenção, ou melhora dos parâmetros histológicos avaliados individualmente, verificou-se que uma substancial parcela da população estudada apresentou melhora histológica. O efeito benéfico do tratamento parece se relacionar com o controle da viremia do HCV durante o tratamento e se verifica também em pacientes que não sustentaram a resposta virológica após a suspensão dos medicamentos. Os achados fazem supor que a redução da viremia do HCV teria como conseqüência a diminuição da inflamação e fibrose hepáticas, inclusive com diminuição do estado de ativação das células estreladas hepáticas, mesmo nos casos em que não houve resposta virológica sustentada. Os resultados do presente estudo são sugestivos de que o tratamento da hepatite C pode modificar a história natural da evolução da hepatite crônica nos pacientes co-infectados pelo HIV.
Título em inglês
Comparative histological analysis of liver biopsies from patients with chronic hepatitis C and co-infected with HIV-1, performed before and after the treatment of hepatitis C.
Palavras-chave em inglês
Chronic hepatitis C
Human immunodeficiency virus
Liver Histology
treatment of hepatitis C
Resumo em inglês
Human immunodeficiency virus (HIV) is known to be able to modify the natural history of HCV infection, accelerating the progression of hepatic fibrosis and the consequent evolution to cirrhosis. Treatment with interferon-alpha can lead to improved hepatic histology, reducing inflammation and fibrosis, especially in patients who present a sustained virologic response. The impact of treatment on histological evolution in patients who do not respond to treatment of hepatitis C is a controversial matter. Objectives: To evaluate in patients with chronic hepatitis C co-infected with HIV the impact of treatment of hepatitis C on the modifications of the parameters indicative of fibrosis and of inflammatory activity in liver biopsies obtained before and after treatment of hepatitis C. Methods: Twenty-six patients co-infected with HCV and HIV-1 were submitted to a liver biopsy before and, on average, 25.2 months after the end of treatment of hepatitis C. Fragments of the liver biopsy were compared before and after treatment regarding the following parameters: histological activity index (HAI) and grade of fibrosis (Knodell); intensity of collagen deposition (picrosirius staining), and grade of stellate cell activation (labeling with smooth muscle alpha-actin). The post- and pretreatment ratios of these histological variables were related to the result of the quantitative HCV-RNA test (RT-PCR-AMPLICOR?) during the 24th week of treatment, to the duration of treatment of hepatitis C and to the time interval between the discontinuation of treatment and the control biopsy. The relationship between possible factors of the virologic response and the histological response was evaluated and correlations between the various histological parameters were calculated. Results: The histological parameters evaluated in a global manner were similar in the pre- and post-treatment biopsies. The post-pretreatment ratios for all parameters evaluated in the liver biopsies were significantly reduced in patients who were negative for HCV RNA during the 24th week of treatment. The histological parameters were similar in the groups with different durations of treatment (? 24 weeks and > 24 weeks), except for ?-positive stellate hepatic cells, which were improved in the group with a more prolonged treatment. The time interval between the end of treatment and the control biopsy did not affect the histological improvement. In logistic regression analysis, the improvement of the histological parameters was found to be associated with a negative result of HCV RNA during the 24th week of treatment. There was a significant correlation between all histological parameters evaluated. Conclusions: When evaluated as a whole, the patients showed similar values for their histological parameters in the pre- and post-treatment biopsies. However, when histological improvement was defined as the maintenance or improvement of the histological parameters evaluated individually, a substantial part of the study population was found to present histological improvement. The beneficial effect of treatment seemed to be related to the control of HCV viremia during treatment and was also observed in patients who did not sustain the virologic response after the discontinuation of the medications. These findings lead us to assume that the reduction of HCV viremia causes a reduction of hepatic inflammation and fibrosis, as well as a reduction of the state of activation of stellate hepatic cells even in cases in which there is no sustained virologic response. The results of the present study suggest that treatment of hepatitis C can modify the natural history of the course of chronic hepatitis in patients co-infected with HIV.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
tesegleusacastro.pdf (3.23 Mbytes)
Data de Publicação
2007-03-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.