• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Daniel Grossi de Salles
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Marques, Jane Aparecida (Presidente)
Felizola, Matheus Pereira Mattos
Krakauer, Patricia Viveiros de Castro
Vidal, Luciane Meneguin Ortega
Título em português
Grandes corporações e startups: relações de inovação aberta no mercado brasileiro
Palavras-chave em português
Aceleradoras corporativas
Aceleradoras de startups
Corporate venture capital
Empreendedorismo
Inovação
Inovação aberta
Startups
Resumo em português
Há um crescente interesse das grandes empresas em se aproximarem das startups como forma de desenvolver inovação aberta. Entre as 500 maiores empresas do ranking Forbes Global 500, 262 já têm iniciativas de engajamento com startups de alguma maneira: seja investindo, seja acelerando, incubando, realizando eventos ou buscando outros tipos de relacionamento. Nessa relação, a grande corporação pode se beneficiar da estrutura leve, da propensão a tomar riscos, da velocidade de operação e de tomada de decisão das startups, enquanto as startups podem se aproveitar do acesso à grande base de consumidores, do capital, da credibilidade e da estrutura voltada à eficiência da grande corporação, gerando ganhos mútuos. Para que uma grande empresa tenha sucesso nesse relacionamento, ela precisa saber quais são os seus objetivos, os seus resultados esperados, escolher a melhor forma de engajamento e criar uma operação equilibrada e integrada ao ecossistema empreendedor. Ter clareza de como cumprir essas etapas não é uma tarefa fácil. No mercado brasileiro, o desafio é ainda maior. O tema é recente e não há uma fonte de dados que consolide e analise as principais iniciativas de relacionamento entre startups e grandes empresas e as melhores práticas no país. Por meio de pesquisas exploratórias com dados secundários, este estudo identificou, mapeou e categorizou 137 programas de engajamento entre grandes corporações e startups no país. As informações encontradas foram confrontadas com o levantamento teórico e enriquecidas com informações coletadas em entrevistas com executivos responsáveis por algumas das principais iniciativas existentes no Brasil. Desta forma foi possível construir uma visão do mercado brasileiro e entender o nível de maturidade nessa área. Foi possível também identificar os objetivos das corporações, os modelos de relacionamento praticados, o perfil de interesse em startups, as formas como selecionam esse tipo de negócios, como operam os programas, os riscos envolvidos e as formas de mensuração de resultados.
Título em inglês
Big corporations and startups: open innovation relationships in the brazilian market
Palavras-chave em inglês
Corporate accelerators
Corporate venture capital
Entrepreneurship
Innovation
Open innovation
Startup accelerators
Startups
Resumo em inglês
There is increasing interest from the big companies to be closer to the startups as a way of fostering the open innovation. Among the 500 major companies of the Forbes Global 500 ranking, 262 are already running startup engagement programs in any way: investing, accelerating, incubating, running events or any other kind of relationship. In this relationship, the big company can benefit from the innovation focus, the willingness to take risks, the speed of operation and decision taking of the startups, meanwhile the startups can benefit from the access to the big consumer base, the capital, the credibility and the efficiency of the big corporations. To be successful in this journey the big company have to be clear about what are their objectives, the expected results and chose the best model of engagement to create a program that has to be balanced and integrated with the startup ecosystem. Being clear about how to achieve that can be challenging. The topic is recent and there is little literature about that. In Brazil, the challenge is even greater. There is no data source with consolidated data and information about the main startup engagement programs and its best practices. Trough exploratory research with open data this paper have sourced and categorized 137 startup and big companies engagement programs in the country. The gathered data was analyzed taking in consideration the related bibliography and enriched with information collected from interviews with executives responsible for some of the main initiatives in Brazil. This way it was possible to build a consolidated view of the market and its level of maturity. It was also possible to identify the main objectives of the big companies, the engagement models adopted, the startup target profile, the way they select the startups and run the programs, the risks and how they measure the results
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
CorrigidaDaniel.pdf (2.98 Mbytes)
Data de Publicação
2019-05-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.