• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.11.2015.tde-09042015-125757
Documento
Autor
Nome completo
Maicon Sbardella
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2015
Orientador
Banca examinadora
Miyada, Valdomiro Shigueru (Presidente)
Berto, Dirlei Antonio
Menten, José Fernando Machado
Racanicci, Aline Mondini Calil
Tse, Marcos Livio Panhoza
Título em português
Utilização de ß-ácidos do lúpulo (Humulus lupulus) em dietas de leitões recém-desmamados
Palavras-chave em português
Aditivo
Deposição de Gordura
Desempenho
Microbiota
Suíno
Resumo em português
Os objetivos deste estudo foram: (1) avaliar os efeitos da inclusão de níveis crescentes de β-ácidos do lúpulo (Humulus lupulus) ou de um antimicrobiano melhorador do desempenho (colistina) na dieta sobre o desempenho zootécnico, digestibilidade de nutrientes e energia da dieta, ocorrência de diarreia, refugagem de leitões, explosão respiratória, peso de órgãos e histologia e diversidade microbiana do intestino de leitões recém-desmamados, assim como testar in vitro a sensibilidade de bactérias aos β-ácidos; e (2) avaliar os efeitos da inclusão de níveis crescentes de β-ácidos na dieta sobre atributos físicos, oxidação lipídica e composição do músculo Longissimus. Foram utilizados 200 leitões recém-desmamados (6,23±0,32 kg) em um experimento em blocos completos casualizados com 5 tratamentos, 8 repetições e 5 leitões por unidade experimental (baia). Os leitões foram alimentados com dietas suplementadas com 0 (controle negativo), 120, 240 ou 360 mg/kg de β-ácidos ou com 40 mg/kg de colistina (tratamento antimicrobiano) durante 35 dias. No 7º e 35º dias do experimento, um macho castrado por baia foi sacrificado para avaliação do peso de órgãos (estômago, pâncreas, fígado, intestino delgado e baço), histologia do intestino delgado (altura de vilosidade e profundidade de cripta) e diversidade microbiana do intestino (PCR-DGGE), além da coletada do músculo Longissimus para análises da carne. ANOVA e contrastes ortogonais foram utilizados para determinar o efeito dos níveis de β-ácidos na dieta sobre as variáveis, assim como comparar o tratamento antimicrobiano com cada um dos outros tratamentos. O aumento dos níveis de β-ácidos na dieta melhorou linearmente (P<0,05) o peso vivo, o ganho de peso, a eficiência alimentar e a digestibilidade aparente do extrato etéreo da dieta. O tratamento antimicrobiano melhorou (P<0,03) o peso vivo, o ganho de peso e a eficiência alimentar comparado ao controle negativo, porém não afetou (P>0,05) a digestibilidade dos nutrientes e da energia da dieta. Não foram observados efeitos (P>0,05) dos tratamentos sobre o consumo de ração. De maneira geral, a ocorrência de diarreia foi menor (P<0,01) nos tratamentos antimicrobiano, controle negativo e 360 mg/kg de β-ácidos do que nos tratamentos 120 e 240 mg/kg de β-ácidos, enquanto não foram identificados leitões refugos durante todo o período experimental. Não foram observados efeitos (P>0,05) dos tratamentos sobre a explosão respiratória no sangue, peso dos órgãos, histologia do intestino delgado e diversidade da microbiota intestinal. Apenas Staphylococcus aureus foi sensível aos β-ácidos, enquanto Escherichia coli, Salmonella enteritidis, Salmonella typhimurim e Enterococcus faecalis foram resistentes. Não foram observados efeitos (P>0,05) dos níveis de β-ácidos sobre os atributos físicos da carne. Foi observado efeito quadrático (P<0,05) dos β-ácidos sobre os conteúdos de gordura, proteína e TBARS da carne, sendo que os níveis calculados 176, 150 e 181 mg/kg de β-ácidos resultaram, respectivamente, em 16,20% de redução na gordura, 1,95% de aumento da proteína e 23,31% de redução de TBARS. Portanto, a inclusão de β-ácidos do lúpulo até 360 mg/kg na dieta demonstrou ser eficiente como alternativa aos antimicrobianos melhoradores do desempenho, bem como potencial de reduzir gordura, aumentar proteína e prevenir oxidação lipídica da carne.
Título em inglês
Use of β-acids of hops (Humulus lupulus) in weanling pig diets
Palavras-chave em inglês
Feed additive
Lipid deposition
Microbiota
Performance
Swine
Resumo em inglês
The purposes of this study were: (1) to evaluate the effects of dietary graded levels of hop (Humulus lupulus) β-acids or antimicrobial growth promoter (colistin) on growth performance, nutrients and energy digestibility, diarrhea occurrence, unthrifty pigs, respiratory burst, organ weights, small intestine histology, and intestine microbial diversity of weanling pigs, as well as in vitro bacteria sensitivity to hop β-acids; and (2) to evaluate the effects of dietary hop β-acids on physical attributes, lipid oxidation, and composition of Longissimus muscle. Two hundred weanling pigs (6.23±0.32 kg BW) were used in a randomized complete block design experiment with 5 treatments, 8 replications, and 5 pigs per experimental unit (pen). Pigs were fed diets supplemented with 0 (negative control), 120, 240, or 360 mg/kg hop β-acids, or with 40 mg/kg colistin (antimicrobial treatment) during a 35d. On days 7 and 35 of the experiment, one castrated male from each pen was slaughtered to evaluate organ weights (stomach, pancreas, liver, small intestine, spleen), small intestine histology (villus height and crypt depth), and intestine microbial diversity (PCR-DGGE), as well to sample Longissimus muscle for meat analysis. ANOVA and orthogonal contrasts were performed to determine the effects of dietary hop β-acids levels (0, 120, 240, and 360 mg/kg) on all variables, as well as to compare the antimicrobial treatment with all other treatments. Increasing dietary levels of hop β-acids linearly improved (P<0.05) BW, ADG, G:F, and apparent digestibility of ether extract of weanling pig diets. The antimicrobial treatment improved (P<0.03) BW, ADG, and G:F compared to negative control, but did not affect (P>0.05) nutrients and energy digestibility. No effects (P>0.05) of treatments were observed on ADFI. Overall, the diarrhea occurrence was lower (P<0.01) for antimicrobial treatment, negative control, and 360 mg/kg hop β-acids than for 120 and 240 mg/kg hop β-acids, while no unthrifty pigs were identified throughout all experimental period. No effects (P>0.05) of dietary treatments were observed on blood respiratory burst, organ weights, small intestine histology, and intestine microbial diversity. Staphylococcus aureus was sensitive, while Escherichia coli, Salmonella enteritidis, Salmonella typhimurim, and Enterococcus faecalis were resistant to hop β-acids. No effects (P>0.05) of hop β-acids were observed on meat physical attributes. Quadratic effects (P<0.05) of hop β-acids were observed on fat, protein, and TBARS-values of meat, showing that dietary levels of 176, 150 and 181 mg/kg hop β- acids provided, respectively, 16.20% fat reduction, 1.95% protein accretion, and 23.31% TBARS reduction. Therefore, dietary hop (Humulus lupulus) β-acids up to 360 mg/kg showed to be efficient as an alternative to antimicrobial growth promoters for weanling pigs, as well to reduce fat, increase protein, and prevent lipid oxidation of meat.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Maicon_Sbardella.pdf (3.00 Mbytes)
Data de Publicação
2015-04-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.