• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.11.2009.tde-10092009-101126
Documento
Autor
Nome completo
Tatiana Eugenia Cantuarias-Avilés
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2009
Orientador
Banca examinadora
Mourão Filho, Francisco de Assis Alves (Presidente)
Bassanezi, Renato Beozzo
Martins, Antonio Baldo Geraldo
Sposito, Marcel Bellato
Stuchi, Eduardo Sanches
Título em português
Avaliação horitcultural da laranjeira 'Folha Murcha', tangerineira 'Satsuma' e limeira ácida 'Tahiti' sobre doze porta-enxertos
Palavras-chave em português
Laranja
Lima
Porta-enxertos
Tangerina.
Resumo em português
A citricultura brasileira está fundamentada predominantemente sobre apenas um cultivar porta-enxerto, o limoeiro Cravo, e explora poucos cultivares copa, de uma maneira geral. Desse modo, o setor citrícola fica limitado na abertura de suas fronteiras de exportação para frutas frescas por estar baseado em um pequeno número de cultivares. Além disso, ao redor de 80% dos plantios estão reunidos em uma região compreendida por quase 600 mil ha, de forma concentrada, no Estado de São Paulo e sul do Triângulo Mineiro. Esses fatos também acarretam em grande vulnerabilidade fitossanitária, com ameaças crescentes de pragas e doenças, levando à redução da produtividade e ao acréscimo dos custos de implantação e condução dos pomares. A Clorose Variegada dos Citros (CVC) ou amarelinho, causada pela bactéria Xylella fastidiosa, é um exemplo destas ameaças. De elevada severidade em laranjas doces, causa redução no tamanho dos frutos, tornando-os inaptos para a comercialização in natura ou para produção de suco concentrado. Recentemente, as perdas em produção causadas pela CVC têm sido estimadas em até 10-14% da safra comercializável. Atualmente, o manejo da CVC está baseado na utilização de mudas sadias, poda de ramos afetados, e controle dos vetores. Além dessas medidas, é importante manter os tratos culturais exigidos no pomar. Entretanto, a utilização de cultivares resistentes é estratégia imprescindível para convivência com a doença em longo prazo. Este trabalho buscou avaliar o desempenho horticultural da laranjeira Folha Murcha, da tangerineira Satsuma cv. Okitsu e da limeira ácida Tahiti sobre doze porta-enxertos. Tangerina Satsuma cv. Okitsu e lima ácida Tahiti são espécies não sintomáticas em relação à CVC e tornam-se opções com potencial de exploração em pequenas propriedades. A laranjeira Folha Murcha tem demonstrado maior tolerância à CVC comparativamente aos demais cultivares de laranja doce. Os experimentos foram conduzidos na Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro, EECB, (SP), e instalados em 2001. Em todos os experimentos foram avaliados o desenvolvimento vegetativo, produção e qualidade dos frutos (por no mínimo três safras) em cada combinação copa/porta-enxerto. Avaliações adicionais a respeito da tolerância à CVC foram realizadas no experimento de laranjeira Folha Murcha. Nos experimentos conduzidos sem irrigação, foi avaliada a tolerância ao déficit hídrico das copas usando duas metodologias: avaliação visual subjetiva e medição direta da coloração das folhas. Na limeira ácida Tahiti, a coloração externa dos frutos de exportação foi quantificada em função de variáveis colorimétricas, definindo-se uma metodologia quantitativa alternativa ao sistema atual de classificação dos frutos, baseado apenas na apreciação visual subjetiva. A avaliação horticultural de copas de laranjeira Folha Murcha, limeira ácida Tahiti e tangerineira Satsuma cv. Okitsu em doze porta-enxertos permitiu identificar porta-enxertos alternativos ao limoeiro Cravo, sendo estes os trifoliatas Flying Dragon, FCAV e Rubidoux.
Título em inglês
Horticultural evaluation of Folha Murcha sweet orange, Satsuma manadarin and Tahiti lime on twelve rootstocks
Palavras-chave em inglês
lime
mandarin.
rootstocks
sweet orange
Resumo em inglês
Brazilian citriculture is mainly based on one rootstock cultivar, the Cravo Rangpur lime, exploring a restricted number of scion cultivars. This situation limits the expansion of citrus production for fresh fruit export, due to the limited number of cultivars in use. Besides, near 80% of citrus orchards are located in an area of approximately 600,000 ha, in the São Paulo State and the southern region of the Minas Gerais State. These facts also impose a large phytossanitary vulnerability to citrus production, due to the increasing threats of pests and diseases outbreaks, that cause productivity decrease and higher costs for orchard establishment and management. The Citrus Variegated Chlorosis (CVC), caused by the xylem-limited bacterium, Xylella fastidiosa, is one example of such threats. This disease is extremely severe in sweet oranges, causing size reduction ad quality deterioration of fruits, that become unsuitable for fresh consume or juice processing. The losses associated to CVC have been recently estimated in 10-14% of the total comercial crop in São Paulo State. CVC management is currently based on the use of healthy nursery plants, pruning of injured branches and control of the vectors. In addition to these strategies, it is important to maintain adequate cultural practices for orchard management. Nonetheless, the utilization of resistant cultivars is an indispensable strategy to co-exist with the disease in the long term. This study was aimed to evaluate the horticultural performance of Folha Murcha sweet orange, Okitsu Satsuma mandarin and Tahiti lime grafted onto twelve rootstocks. Okitsu Satsuma mandarin and Tahiti lime are assymptomatical species in relation to CVC, with potential to be produced in small areas. The Folha Murcha sweet orange has demonstrated high tolerance to CVC, when compared with other sweet orange cultivars. The trials were conducted at the Estação Experimental de Citricultura de Bebedouro, (EECB), and were planted in 2001. Evaluations of plant growth, yield and fruit quality were carried out in all the trials, during three years. In the Folha Murcha trial, additional evaluations of CVC tolerance were conducted. In the non-irrigated trials, tree water deficit tolerance was evaluated by two methods: visual assessment of water stress and direct leaf color measurements. In Tahiti lime, peel color of export fruits was measured and a quantitative methodology was defined as an alternative for current classification criteria, which are based on the subjective visual inspection of external fruit aspect. The horticultural evaluation of Folha Murcha sweet orange, Okitsu Satsuma mandarin and Tahiti lime onto twelve rootstocks allowed to identify the trifoliate rootstocks Flying Dragon, Rubidoux and FCAV as alternatives to Cravo Limeira.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Tatiana_Aviles.pdf (4.73 Mbytes)
Data de Publicação
2009-09-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.