• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.100.2019.tde-13122018-034955
Documento
Autor
Nome completo
Renata Teles da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Piassi, Luis Paulo de Carvalho (Presidente)
Camargo, Eder Pires de
Molina, Karina Soledad Maldonado
Zajac, Silvana
Título em português
A Banca da Ciência e a pessoa com deficiência visual: um estudo sobre a acessibilidade atitudinal na difusão científica
Palavras-chave em português
Acessibilidade atitudinal
Difusão científica
Educação não-formal
Inclusão
Pessoas com deficiência visual
Resumo em português
A Banca da Ciência é um projeto interdisciplinar da Universidade de São Paulo de intervenções não-formais de difusão dialógica crítica da Ciência para pessoas de todas as faixas etárias. Contudo, seus mediadores, estudantes de diferentes cursos de graduação, carecem de formação acadêmica na área de acessibilidade e inclusão para pessoas com deficiência. Nesse âmbito, surgem as seguintes questões: há barreiras atitudinais por parte dos/as mediadores/as da Banca da Ciência na difusão científica para os/as idosos/as com deficiência visual? Qual a percepção que esses/as mediadores/as têm sobre as pessoas com deficiência visual? Colocando-os frente à uma situação concreta envolvendo pessoas cegas, suas percepções mudam de alguma maneira? Para responder estas questões, esta pesquisa objetivou analisar as intervenções da Banca da Ciência quanto à acessibilidade atitudinal de seus/as mediadores/as para idosos/as com deficiência visual em espaço não-escolar, uma vez que o processo de envelhecimento da população brasileira vem sendo enfatizado e a igualdade de oportunidade não pode ser confundida com a igualdade de tratamento. Desse modo, temos como objetivos específicos: 1. Entender a percepção dos/as mediadores/as da Banca da Ciência sobre acessibilidade, inclusão e multissensorialidade para pessoas com deficiência visual; 2. Analisar como os/as mediadores/as formulam suas intervenções acessíveis para os/as idosos/as cegos/as ou com baixa visão; 3. Averiguar como os/as mediadores se portam perante aos/às idosos/as com deficiência visual; e, 4. Constatar se depois das intervenções, as percepções dos/as mediadores/as sobre as pessoas com deficiência visual se modificam. Temos três hipóteses acerca dos/os mediadores/as: i. mesmo demonstrando interesse na inclusão das pessoas com deficiência visual, permanecem com atitudes preconceituosas e estereotipadas; ii. eles/as reduzem a deficiência à questão do sentido; e, iii. a percepção deles/as muda depois do contato com as pessoas com deficiência visual. A reprodução desta pesquisa se caracterizou sob a linha pesquisa participante e a análise da linguagem dos/as mediadores/as ocorreu com referência no Construcionismo Social e na Análise do Discurso francesa. Constatamos que por mais que alguns/as mediadores/as apresentaram atitudes estereotipadas, discriminatórias e de medo, há tentativa de aproximação com os/as idosos/as cegos ou com baixa visão. Verificamos que todos/as mediadores/as definiram a deficiência visual pelo modelo médico, reduzindo a deficiência à questão do sentido e alguns/as possuem percepção fundamentada em modelo mítico sobre a deficiência visual, isto é, uma percepção histórica cultural muito sólida em deficiência como algo que limita e impossibilita as pessoas cegas de se locomoverem, de estudarem e/ou participarem ativamente de pesquisas acadêmicas. Alguns/as mediadores/as têm noção superficial sobre acessibilidade, inclusão e multissensorialidade para pessoas com deficiência visual. Depois das intervenções, foi possível constatar que os/as mediadores/as continuaram reduzindo a deficiência visual à questão do sentido, contudo, eles passaram a se perceberem como seres tateante, ouvinte, degustante e olfativo. Consideramos necessária uma qualificação de seus/as mediadores/as continuamente e uma multissensorialidade de seus produtos culturais em suas intervenções para quando se deparar com as pessoas com deficiência visual
Título em inglês
The Stand of Science and the person with visual impairment: a study about attitudinal accessibility in scientific diffusion
Palavras-chave em inglês
Attitudinal accessibility
Inclusion
Non-formal education
People with visual impairment
Scientific diffusion
Resumo em inglês
The Stand of Science is an interdisciplinary project of the University of São Paulo of non-formal interventions of critical dialogical diffusion Science for people of all age groups. However, their mediators, students of different undergraduate courses, lack academic training in the area of accessibility and inclusion for people with disabilities. In this context, the following questions arise: are there attitudinal barriers on the part of the Stand of Science mediators in the scientific diffusion for the visually impaired elderly? What are the perceptions these mediators have about visually impaired people? Placing them in the face of a concrete situation involving blind people, do their perceptions change in any way? In order to answer these questions, this research aimed to analyze the interventions of the Stand of Science regarding the attitudinal accessibility of its mediators for the visually impaired elderly in non-school space, because the process of aging of the Brazilian population has been emphasized and equality of opportunity can not be confused with equal treatment. In this way, we have specific objectives: 1. Understand the perception of the mediators of the Stand of Science on accessibility, inclusion and multisensoriality for people with visual impairment; 2. Analyze how mediators formulate their interventions accessible to the blind and low vision elderly; 3. To find out how mediators behave towards the visually impaired elderly; and, 4. Find out if after the interventions, the perceptions of the mediators about people with visual impairment change. We have three hypotheses about mediators: i. even showing interest in the inclusion of people with visual impairment, remain with prejudiced and stereotyped attitudes; they reduce disability to the question of meaning; and, their perception changes after contact with people with visual impairment. This research was characterized under the line participant research and the analysis of the language of the mediators occurred with reference in Social Constructionism and Analysis of the French Discourse. We found that although some mediators presented stereotyped, discriminatory and fearful attitudes, there is an attempt to approximate with the elderly blind or with low vision. We verified that all mediators defined visual impairment by the medical model, reducing disability to the issue of meaning and some have a mythological model based on visual impairment, that is, a very solid cultural historical perception of disability as something that limits and makes impossible the blind people to get around, to study and / or actively participate in academic research. Some mediators have a superficial notion of accessibility, inclusion and multisensoriality for visually impaired people, inferring from the interpretation of the words in the question act. After the interventions, it was possible to verify that the mediators continued reducing the visual deficiency to the matter of the sense, nevertheless, they came to perceive themselves as beings touching, listener, tasting and olfactory. We consider it necessary to continually qualify your mediators and multisensoriality of your cultural products in your interventions for when you encounter visually impaired people
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-01-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.