• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.10.2008.tde-27112008-103013
Documento
Autor
Nome completo
Daniela Farias Larangeira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Laurenti, Márcia Dalastra (Presidente)
Lindoso, José Angelo Lauletta
Maiorka, Paulo César
Matushima, Eliana Reiko
Silveira, Fernando Tobias
Título em português
Avaliação da imunidade humoral e celular em cães naturalmente infectados com Leishmania (L.) chagasi e sua correlação com a transmissibilidade para o vetor
Palavras-chave em português
Leishmania (Leishmania) chagasi
Leishmaniose canina
Resposta immune humoral
Resposta imune celular
Xenodiagnóstico
Resumo em português
Este estudo avaliou a imunidade humoral e celular em cães naturalmente infectados com L. (L.) chagasi correlacionando com a transmissibilidade para o vetor. Soros e biópsias de baço, linfonodo e pele foram coletados de 120 cães provenientes do Centro de Controle de Zoonoses do município de Araçatuba, São Paulo, Brasil. Os soros foram processados por ELISA para detecção de IgG, IgG1, IgG2 e IgE; e as biópsias foram processadas por técnicas histológicas usuais coradas pelo HE e imunoistoquímica para a detecção de parasito, macrófago e células T CD3. De acordo com os sinais clínicos, 65/120 (54%) cães foram classificados como sintomáticos e 55/120 (46%) como assintomáticos. O diagnóstico parasitológico foi confirmado em 71% dos sintomáticos e em 40% dos assintomáticos. A correlação dos sinais clínicos com parasitismo mostrou que a carga parasitária estava diretamente associada com cães sintomáticos (p<0.05). Em relação aos anticorpos específicos anti-L.(L.)chagasi, cães de área endêmica com diagnóstico parasitológico positivo mostraram maiores níveis de IgG total comparado com ambos os controles (p<0.05), sem diferença entre cães sintomáticos e assintomáticos. IgG1 esteve presente em baixos níveis e foi mais intensa no grupo sintomático parasito-positivo (p<0.05). Níveis mais elevados foram observados para IgG2 em cães de área endêmica (p<0.05), mas sem correlação com o parasitismo e sinais clínicos. IgE também esteve presente em baixos níveis, mas mostrou diferenças entre cães de área endêmica e cães de área não endêmica; e cães com diagnóstico parasitológico positivo mostrou níveis mais elevados que cães com diagnóstico parasitológico negativo (p<0.05). Histopatologicamente, linfonodos mostraram hiperplasia e hipertrofia de macrófagos na área medular e em muitos casos linfadenite granulomatosa. Na polpa branca do baço, hiperplasia folicular foi observada; e a polpa vermelha mostrou granulomas. As lesões de pele foram caracterizadas por infiltrado inflamatório crônico na derme formado por macrófagos, linfócitos e plasmócitos; variando de discreto a intenso, assim como de focal a difuso. Foi evidente a presença de granulomas epitelióides na pele de alguns animais. Imunoistoquímica mostrou presença de células marcadas pelo anticorpo anti-macrófago e anti-CD3 em 100% dos baços e linfonodos variando de intensidade entre discreto e intenso. Na pele, macrófagos foram positivos em 90% e células CD3 em 39% dos casos. Houve associação direta entre baixa expressão de células CD3 e alto parasitismo na pele. Animais assintomáticos mostraram baixa expressão de macrófagos junto com baixo parasitismo na pele. Em relação ao xenodiagnóstico, no 4o dia depois da alimentação, as fêmeas dos vetores foram dissecadas e examinadas para observação de parasitos no intestino. Formas promastigotas foram observadas em 27% das fêmeas que se alimentaram em cães sintomáticos e em 42% das fêmeas que se alimentaram em cães assintomáticos. A técnica da PCR foi também utilizada para avaliar as fêmeas positivas depois do xenodiagnóstico. DNA de Leishmania foi detectado em 24% das fêmeas que se alimentaram em cães sintomáticos e em 34% das fêmeas que se alimentaram em cães assintomáticos. Os dados mostraram que a imunidade humoral e celular não teve correlação direta com as formas clínicas de leishmaniose canina. A alta porcentagem de vetores infectados na alimentação em cães assintomáticos mostra a importância destes animais na transmissibilidade para o vetor.
Título em inglês
Evaluation of humoral and cellular immunity in dogs naturally infected with Leishmania (L.) chagasi and its correlation to the transmissibility to the vector
Palavras-chave em inglês
Leishmania (Leishmania) chagasi
Canine leishmaniasis
Cellular immune response
Humoral immune response
Xenodiagnosis
Resumo em inglês
These studies evaluate humoral and cellular immunity in dogs naturally infected with L. (L.) chagasi correlating to the transmissibility to the vector. Serum and biopsy from spleen, lymph node and skin were collected from 120 dogs referred to the Center of Zoonosis Control of Araçatuba city, São Paulo, Brazil. The sera were processed by ELISA for IgG, IgG1, IgG2 and IgE detection; and the biopsies were processed usual histological techniques stained by HE and immunohistochemistry for parasite, macrophage and T CD3 cells detection. According to the clinical signs, 65/120 (54%) dogs were classified as symptomatic and 55/120 (46%) as asymptomatic. Parasitological diagnosis was confirmed in 71% of symptomatic and in 40% of asymptomatic dogs. The correlation of clinical signs and parasitism showed that parasite burden was directly associated with symptomatic dogs (p<0.05). Concerning to L.(L.)chagasi-specific antibodies, dogs from the endemic area with positive parasitological diagnosis showed high levels of total IgG compared to both controls (p<0.05), without difference between symptomatic and asymptomatic dogs. IgG1 was present at low levels and was more intense in the parasite-positive symptomatic group (p<0.05). More elevated levels were observed for IgG2 in dogs from endemic area (p<0.05), but with no correlation to parasitism and clinical signs. IgE was also present at low levels, but showed differences between dogs from non-endemic and endemic areas; and dogs with positive parasitological diagnosis showed higher levels than dogs with negative parasitological diagnosis (p<0.05). Histopathologically, lymph nodes showed macrophage hyperplasia and hypertrophy in the medullary area and in many cases granulomatous lymphadenitis. In the white pulp of the spleen, follicular hyperplasia was observed; and the red pulp showed granulomas. The skin lesions were characterized by dermal chronic inflammatory infiltrate formed by macrophages, lymphocytes and plasma cells; it varied between descreet to intense, as well as focal to diffuse. The epithelioid granulomas were evident in the skin of some animals. Immunohistochemistry showed presence of labeled cells by anti-macrophage and anti-CD3+ antibodies in 100% of spleen and lymph nodes varying the intensity between mild to intense. Macrophage was positive in 90% of the skin and CD3 cells in 39%. There was a direct association between lower CD3 cells expression and higher parasite burden in the skin. Asymptomatic animals showed lower macrophage expression together with lower parasitism in the skin. Concerning to the xenodiagnosis, on the 4th day after the blood meal, female flies were dissected and examined for visible parasites in the gut. Promastigotes forms were observed in 27% of female which fed in symptomatic dogs and in 42% of female which fed in asymptomatic dogs. PCR technique was also used to evaluate the positive females after the xenodiagnosis. Leishmania DNA was detected in 24% of female which fed in symptomatic dogs and in 34% of female which fed in asymptomatic dogs. The data showed that the humoral and cellular immune response not has direct correlation to the clinical form of canine leishmaniasis. The high percentage of sand flies female infected by feeding in the asymptomatic dogs show the importance these animals on the parasite transmissibility to the vector.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-02-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.