• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
https://doi.org/10.11606/D.9.2019.tde-03122019-140304
Documento
Autor
Nome completo
Luana do Nascimento Moreira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Neves, Carla Taddei de Castro (Presidente)
Amaral, Tania Aparecida Tardelli Gomes do
Sampaio, Jorge Luiz Mello
Feferbaum, Rubens
Título em português
Evolução da colonização da microbiota fecal de recém-nascidos prematuros submetidos à colostroterapia
Palavras-chave em português
16S rRNA
Colostroterapia
Microbiota intestinal
Prematuridade
Recém-nascido
Resumo em português
A amamentação tem um papel importante no desenvolvimento neonatal e no estabelecimento da microbiota intestinal. Neste contexto, a administração orofaríngea de colostro, ou colostroterapia, torna-se uma prática importante para o desenvolvimento do recém-nascido prematuro, auxiliando na maturação do trato gastrintestinal, na introdução precoce do leite materno e pode ser capaz de proteger o bebê contra bactérias patogênicas. Desta maneira, o objetivo do presente estudo foi avaliar o estabelecimento da microbiota intestinal em recém-nascidos prematuros submetidos à colostroterapia. O estudo contou com a inclusão de 33 recém-nascidos prematuros internados na unidade de terapia intensiva neonatal do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, em São Paulo. Os recém-nascidos foram divididos em quatro grupos, de acordo com o regime de colostroterapia e dieta, a saber: colostroterapia exclusiva com colostro cru (CCE, n=7), colostroterapia exclusiva com colostro pasteurizado (CPE, n=9), colostroterapia com colostro pasteurizado e dieta prevalente de colostro pasteurizado (CPC, n=10) e colostroterapia com colostro pasteurizado e dieta prevalente de leite humano pasteurizado (CPP, n=7). Foram coletadas amostras de fezes semanalmente durante os primeiros 22 dias de vida do bebê, e a microbiota intestinal foi caracterizada por sequenciamento da região V4 do gene 16S rRNA e análises de PCR em tempo real. Entre os grupos de CCE e CPE nota-se que existe diferença na comunidade bacteriana através das análises de abundância relativa da microbiota. Porém, a abundância de gêneros potencialmente patogênicos está aumentada nos grupos CPC e CPP. A presença de bifidobactérias e aumento contínuo ao longo dos primeiros dias de vida no grupo CPE e CPP, é um resultado que pode ser utilizado para reforçar o uso do leite pasteurizado na ausência do leite fresco, mostrando que o mesmo pode favorecer a prevalência de gêneros benéficos para a microbiota intestinal. Neste estudo, além de compararmos a modulação do colostro cru e pasteurizado na microbiota intestinal do bebê a partir da colostroterapia exclusiva, pudemos mostrar que o colostro pasteurizado desempenha um papel diferente que o leite humano pasteurizado na microbiota intestinal.
Título em inglês
Evolution of fecal microbiota colonization in preterm infants submitted to colostrum therapy
Palavras-chave em inglês
16S rRNA.
Colostrum therapy
Gut microbiota
Newborn
Prematurity
Resumo em inglês
Breastfeeding plays an important role in neonatal development and establishment of the intestinal microbiota. In this context, oropharyngeal administration of colostrum, or colostrum therapy, becomes an important practice for the development of preterm infant, assisting in maturation of the gastrointestinal tract, early introduction of breast milk and may be able to protect the baby against pathogenic bacteria. Thus, the aim of the present study was to evaluate the establishment of the intestinal microbiota in preterm infants submitted to colostrum therapy. The study included 33 preterm infants admitted to the neonatal intensive care unit of the Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, in São Paulo. The newborns were divided into four groups according to the colostrum therapy and diet regimen: exclusive colostrum therapy with raw colostrum (CCE, n = 7), exclusive colostrum therapy with pasteurized colostrum (CPE, n = 9), colostrum therapy with pasteurized colostrum and pasteurized colostrum diet (CPC, n = 10) and colostrum therapy with pasteurized colostrum and pasteurized human milk diet (CPP, n = 7). Stool samples were collected weekly during the first 22 days of the baby's life, and the intestinal microbiota was characterized by sequencing the V4 region of the 16S rRNA gene and realtime PCR analysis. Between the CCE and CPE groups, there is a difference in the bacterial community through the microbiota relative abundance analysis. However, the abundance of potentially pathogenic genera is increased in the CPC and CPP groups. The presence of bifidobacteria and continuous increase throughout the first days of life in the CPE and CPP group is a result that can be used to reinforce the use of pasteurized milk in the absence of fresh milk, showing that it may favor the prevalence of beneficial bacteria genera to the intestinal microbiota. In this study, in addition to comparing the modulation of raw and pasteurized colostrum in the baby's intestinal microbiota from exclusive colostrum therapy, we were able to show that pasteurized colostrum plays a different role than pasteurized human milk in the intestinal microbiota of preterm infant.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-12-06
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2021. Todos os direitos reservados.