• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Disertación de Maestría
DOI
https://doi.org/10.11606/D.9.2020.tde-10032020-144624
Documento
Autor
Nombre completo
Raimundo Antonio Gomes Oliveira
Dirección Electrónica
Instituto/Escuela/Facultad
Área de Conocimiento
Fecha de Defensa
Publicación
São Paulo, 2000
Director
Tribunal
Barreto, Orlando Cesar de Oliveira (Presidente)
Borelli, Primavera
Silveira, Paulo Augusto Achucarro
Título en portugués
Avaliação de métodos automatizados e manuais para contagem de plaquetas em pacientes plaquetopênicos
Palabras clave en portugués
Doenças hematológicas
Hematologia
Técnicas e procedimentos de laboratório
Resumen en portugués
É consenso que o advento da automação trouxe grande avanço na precisão e exatidão nas contagens de plaquetas em amostras normais. Entretanto, a correta contagem em amostras trombocitopênicas ainda é bastante controversa. A grande tendência em diminuir os limites de corte para se indicar transfusão de plaquetas, principalmente em função dos riscos de transmissão de doenças e do seu alto custo, impõe que a precisão e exatidão das contagens destes elementos sanguíneos tenham se tornado cada vez mais importantes. Desta forma, nosso trabalho procurou avaliar a exatidão e precisão de quatro contadores automáticos, o ADVIA (Bayer), o STKS (Coulter), o H1 (Technicon) e o T-890 (Coulter), dois métodos manuais diretos em câmara de contagem (Maspes-Jamra e Brecher-Cronkite- método de referência) e dois métodos indiretos. Em um destes foi utilizado o fator 20.000 para conversão de plaqueta por campo para plaqueta por mm3 ("Mét. indireto 1") e o outro que obtém o número de plaquetas por mm3 através da relação de equivalência entre o número de plaquetas por campo/eritrócitos por campo e o número de plaquetas por mm3/eritrócitos por mm3 ("Mét. indireto 2"). Esta avaliação foi feita tanto em amostras normais quanto em amostras plaquetopênicas, tendo como parâmetro de referência os resultados obtidos pelo método preconizado pelo Intemational Commitee of Standardization in Haematology (ICSH 1984/1988). Nossos resultados demonstraram não haver diferenças significativas entre os aparelhos e o método de referência para amostras normais. Entretanto, o método de Maspes-Jamra apresentou resultados significativamente mais elevados em relação ao método ICSH com diferença de +145.400 plaq/mm3 (p < 0,001), provavelmente em função da retenção de plasma livre de plaquetas entre as hemácias. Os aparelhos automáticos apresentaram excelente precisão e exatidão dos aparelhos nas amostras plaquetopênicas obtidas em laboratório a partir de diluições das próprias amostras normais. De modo distinto, nos pacientes plaquetopênicos, apenas o ADVIA que utiliza dois princípios de contagem (volumetria por dispersão da luz laser e índice de refração), demonstrou boa correlação (r) = 0,947 em relação ao método ICSH nas amostras com menos de 30.000 plaq/mm3. Os demais aparelhos, que se utilizam apenas da volumetria como princípio de contagem, não apresentaram resultados satisfatórios. Entretanto, a análise de alarmes demonstrou, em todos os aparelhos, grande capacidade de acusar resultados passíveis de erros. Os dois métodos indiretos com CV = 26,02 demonstraram ser bem menos precisos do que todos os demais (p < 0,001 ). Além disso, o "mét. indireto 1" obteve resultados significativamente mais elevados do que os obtidos pelo método ICSH (p < 0,001 ). Assim, podemos afirmar que a contagem exata de plaquetas em níveis baixos continua sendo um grande problema. A falta de concordância de resultados entre os contadores, de um modo geral,- pode dificultar o estabelecimento e uniformização dos limites de contagem de plaquetas para a indicação de transfusão. O uso do método de referência ICSH para amostras severamente plaquetopênicas sujeitas a erros pelos contadores, apesar de menos prática que as estimativas indiretas, ainda é o procedimento mais prudente. A utilização das mais novas gerações de aparelhos tende a tornar mais segura a tomada de decisões para transfusões terapêuticas em pacientes com risco de sangramento.
Título en inglés
Avaliação de métodos automatizados e manuais para contagem de plaquetas em pacientes plaquetopênicos
Palabras clave en inglés
Doenças hematológicas
Hematologia
Técnicas e procedimentos de laboratório
Resumen en inglés
The advent of the automated cell counting analyses which has brought a great improvement in the precision and accuracy in the counting of the blood cells in normal samples, is a consensus. However the counting of the platelets exact number in thrombocytopenic patients is still quite controversial. Due to the great tendency today of reducing the threshold of the platelets prophylactic transfusion for avoiding risks of transmitting diseases and diminishing high costs both for the patients and the institutions, we have urged more than never that methods should be reaching a more precise and accurate counting of these blood elements. Therefore our study tried to evaluate how precise and accurate are four blood cell counters; the ADVIA (Bayer), the STKS (Coulter), the H1 (Technicon) and the T-890 (Coulter), and two count chamber methods (Maspes-Jamra and the reference method, Brecher-Cronkite) as well as two indirect methods. One of these last mentioned, using the 20.000 conversion factor for transforming platelets per field into platelets per microliters (indirect method 1 ); and the other through comparing the field platelets/ field erythrocytes proportion to the platelets per microliters/erythrocytes per microliters (indirect method 2). This evaluation was performed both in normal samples as in severe thrombocytopenic ones, having as the reference parameter the results obtained by the method of the International Committee of Standardization in Haematology (ICSH 1984/1988). The results we have reached showed there was no significant differences between the automated blood counters and the ICSH method concerning the normal samples. However the Maspes-Jamra direct method has showed significantly higher counting results presenting average values of + 145.400 plt /µL (p< 0,001) compared to the ICSH reference method. This is probably due to the free platelet plasma retention among the erythrocytes. It was also shown the excellent accuracy and precision of the counters concerning the target thrombocytopenic samples reached in laboratory using diluting normal samples. Unlike these results, only the ADVIA counter, which uses two basis for counting platelets (volumetric measure and refractive index) has shown good correlation with the reference method results for samples with less than 30.000 plt/µL (r = 0,947). The other counters which uses only volumetric measuring as basis for platelets counting have not presented satisfactory results. Nevertheless, every counter has shown to be reliable in flagging results that could be exposed to counting errors. The results for the two indirect methods (CV = 26,02% with p< 0,001) have shown to be the less precise ones when compared to all the other methods, both automatic and counting chamber methods in thrombocytopenic samples. Therefore, we can inter that the precise counting of platelets in low levels is still a serious problem. The lack of the results correlation among counters can, in general, come to turn difficult to establish and to standardize of the prophylactic threshold of platelet transfusion. Although less practical than the indirect methods, the utilization of the reference method still is the most prudent way of verifying the possibility of automation spurious counting concerning the severely thrombocytopenic sample. The use of other associated basis besides volumetric measuring brought by the new generations of counters for platelets counting tends to tum safer the therapeutic decision to be taken in case of patients having bleeding risks.
 
ADVERTENCIA - La consulta de este documento queda condicionada a la aceptación de las siguientes condiciones de uso:
Este documento es únicamente para usos privados enmarcados en actividades de investigación y docencia. No se autoriza su reproducción con finalidades de lucro. Esta reserva de derechos afecta tanto los datos del documento como a sus contenidos. En la utilización o cita de partes del documento es obligado indicar el nombre de la persona autora.
Fecha de Publicación
2020-03-10
 
ADVERTENCIA: Aprenda que son los trabajos derivados haciendo clic aquí.
Todos los derechos de la tesis/disertación pertenecen a los autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Tesis y Disertaciones de la USP. Copyright © 2001-2021. Todos los derechos reservados.